terça-feira, 28 de junho de 2011

Cirurgia plástica no nariz gera polêmica na Bolívia

A polêmica da vez na Bolívia tem a forma de um nariz adunco, com o “ossinho alto”, chamado também, pelos bolivianos, de “nariz andino”. Essa é a forma. Quanto ao mérito da polêmica, para uns tal nariz é um problema estético que provoca danos na autoestima. Para outros, é o símbolo da etnia indígena aimará, a mesma do presidente Evo Morales e de grande parte dos bolivianos.


O cirurgião Gerardo Murillo, da Clínica del Sur, de La Paz, assegura que atualmente, no universo de cirurgias plásticas, por volta de 50% são rinoplastias (operações de nariz). É, disparado, a plástica mais procurada no país, contrastando com uma pesquisa da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica divulgada em agosto, segundo a qual a operação de nariz aparece em quarto lugar na preferência ao redor do mundo.
A explicação que Murillo dá para o que define como “moda” só atiça a polêmica:
— Há muita demanda para estética de nariz. É moda. As pessoas querem melhorar a aparência, querem parecer artistas de cinema.
Mas por que agora?
— Porque há certa bonança econômica na Bolívia. Geralmente, quem procura a clínica é gente que tem os traços fortes, o nariz bem pronunciado. Na minha clínica, 43% das plásticas têm o objetivo de corrigir o nariz. As pessoas não querem ter o nariz como o do presidente.
E o presidente, um empedernido defensor do “orgulho indígena”? Bem, apesar de seu governo até subsidiar algumas das cirurgias, por considerá-las uma forma de melhorar a autoestima, Evo Morales, particularmente, torce seu pronunciado nariz andino para a tal moda.
— Não podemos perder nossa identidade, nossos sobrenomes. Não posso perder meu nariz — disse, no ano passado, em pronunciamento realizado para explicar que uma cirurgia à qual se submetera, no nariz, não tinha fins estéticos, mas sim de corrigir um desvio do septo nasal.
A operação, segundo Evo Morales, “não era para melhorar, mas sim para destapar”. E ele ainda mostrou bem o nariz, aos fotógrafos, para comprovar que continuava com o “formato de papagaio”.
Mas o apelo da sociedade é alto, e as mulheres, especialmente, correm às clínicas. Há casos até de as cirurgias serem presentes de aniversário. Namorados as dão para namoradas, e vice-versa. Por conta disso, os preços, que normalmente giram em torno de R$ 1,1 mil, foram reduzidos radicalmente. Algumas clínicas oferecem descontos em panfletos distribuídos por crianças pelas ruas de La Paz e Santa Cruz de la Sierra.

— Essa história de identidade é bobagem. Para mim, era uma questão psicológica importante, até porque o padrão de beleza ocidental é o mais aceito. Há racismo nisso, sim, mas está entranhado na nossa sociedade — explica a administradora de empresa Verónica, 31 anos, que, constrangida, não quis revelar seu sobrenome e muito menos permitir fotos.
70% de indígenas
A febre das plásticas ganha contornos de polêmica pronunciados como o ossinho do nariz andino. Por um motivo bastante especial: Morales tem no combate ao racismo um dos pilares do “processo de descolonização” boliviano, o que mexe com assuntos delicados, em um país no qual pelo menos 70% da população é indígena ou mestiça.
Por exemplo, a lei antirracismo. Sancionada recentemente, ela chega a prever o fechamento do jornal ou da emissora de TV que veicule algum conteúdo tido como racista. Jornalistas de todo o mundo e, sobretudo, a Sociedade Interamericana da Imprensa (SIP) fizeram fortes críticas ao conteúdo da norma, por verem-na como um pretexto para a adoção da censura.
Pouco se importando com a polêmica, brasileiros — em sua maioria, mulheres — têm aproveitado os preços convidativos e atravessado a fronteira. Pela estrada que liga Cáceres (MT) a San Mathias, por exemplo, têm adotado o costume de seguir em excursões para Santa Cruz de la Sierra.
Em vez de turismo, buscam mudar os contornos do próprio corpo.


disponivel em: http://www.boliviacultural.com.br/ver_noticias.php?id=249 acesso em 28 de junho






Sorteios de cirurgias plásticas geram polêmica no Reino Unido

28.06.11 - 08:38








"A Barbie da vida real", a britânica Sarah Burge, 50, diz que as promoções de cirurgias não são perigosas.

A oferta de cirurgias plásticas por meio de sorteios, competições e promoções vem causando polêmica no Reino Unido.



Entidades como a Associação Britânica de Cirurgiões Plásticos Estéticos (Baaps, na sigla em inglês) estão pedindo a proibição de sorteios para cirurgia cosmética como aumento de seios, facelift e aplicação de botox.
Além de sorteios, as cirurgias estariam sendo oferecidas como prêmio em programas de fidelidade, pacotes de serviços para divorciados, competições de revistas e em sites de ofertas.
Para os especialistas, a propaganda de cirurgias cosméticas nesse nível pode levar os jovens a querer tratamentos dos quais não necessitam.

MEGAEVENTO
O pedido de proibição das promoções de cirurgias ocorre poucos dias após um megaevento em Londres no qual os participantes pagavam 25 libras (cerca de R$ 64) para participarem de um sorteio de um crédito de 4 mil libras (R$ 10,2 mil) para pagar uma cirurgia plástica à escolha.
O evento foi organizado por um clube noturno de Londres e foi patrocinado por uma empresa de cirurgias cosméticas.
Além do prêmio principal, também foram sorteadas lipoesculturas e maquiagens permanentes.
Autopromovida como "a Barbie da vida real", a britânica Sarah Burge, 50, foi uma das promotoras do evento. Segundo ela, as promoções não são perigosas.
"Começamos esses sorteios após anos de pesquisas", afirma. "Sabemos que há dezenas de milhares de pessoas que querem mudar sua aparência", diz.
"Não é apenas uma questão de ter um nariz grande ou querer novos peitos. Isso tem relação com pessoas que vivem com faces desfiguradas, pacientes de mastectomia (retirada das mamas) e outros com deformidades e que querem sua dignidade de volta", afirma.

DECISÃO INFORMADA
Mas Sally Taber, diretora da organização não governamental IHAS, que oferece consultoria independente a empresas do setor de saúde, critica esse tipo de sorteio.
"Eles estão atraindo pessoas a realizar cirurgias cosméticas que nunca tinham nem pensado nisso antes", observa.
"É importante que as pessoas tomem uma decisão informada em um ambiente adequado. Uma festa não é um ambiente adequado", diz. "Eles deveriam ser proibidos de anunciar assim", afirma.
Para a cirurgiã Jackie Lewis, da Baaps, cirurgias cosméticas não deveriam ser oferecidas como prêmio em sorteios. "Isso não é algo que possa ser trivializado", afirma.
"Se você vai se submeter a um procedimento que é irreversível e com consequências por toda a vida, recomendamos que você antes pense sobre isso cuidadosamente", afirma.
Mas Beryl Atkins, dona da empresa Transpire Cosmetic Surgery, outro dos organizadores do evento em Londres, diz que seus cirurgiões "nunca operam de cara".
"Os vencedores têm ao menos duas semanas para pensar sobre isso, e fazemos consultas extensas", afirma.

disponovel em> http://www.clovisduarte.com.br/noticia_ler.php?id=280349: acesso em 28 de junho

Fonte original: http://www1.folha.uol.com.br/bbc/935808-sorteios-de-cirurgias-plasticas-geram-polemica-no-reino-unido.shtml





sexta-feira, 24 de junho de 2011

Depilação não é mais exclusividade feminina





A preocupação com a aparência não é apenas das mulheres, os homens estão cada vez mais antenados em assuntos relacionados à beleza e bem estar. A depilação, tema antes discutido apenas pela ala feminina, agora faz parte das conversas no clube do bolinha. Muitos homens já aderiram a essa prática, uns influenciados pelas companheiras, outros pelo bem estar de se livrar dos pelos indesejados. Karen Sato, depiladora do salão Studio Lorena fala sobre a depilação masculina e explica as vantagens e desvantagens de cada método.
O número de homens que aderiu a esta técnica tem aumentado. “Eles estão mais fiéis à depilação. É uma alternativa que proporciona maior higiene, praticidade e beleza”, afirma Karen. “Os pelos já são indesejados por alguns homens, muitos já depilam axilas, pernas, peito e fazem até depilação intima”, explica a depiladora. (Da EPNews)



CONFIRA
Vantagens da depilação no salão com cera
- A depilação feita no salão tem melhor resultado, pois os pelos demoram mais tempo para crescer.
- Ao contrário da depilação com lâmina, aquela realizada no salão com a cera, não causa irritação na pele nem machucados leves.
- A quantidade de pelos diminui conforme a frequência das depilações. Com isso, os homens gastarão cada vez menos tempo nessa área.
- Por ser realizada por um profissional, a depilação é mais eficiente, sem deixar espaços com pelos inalcançáveis.
- Dura em média de 20 a 25 dias, dependendo do organismo de cada um. Assim que o pelo atingir de meio a um centímetro de comprimento o procedimento pode ser feito novamente.
Vantagens e desvantagens dos métodos mais populares
Lâmina
Vantagens: É um método indolor, de fácil manuseio e autoaplicativo.
Desvantagens: Os pelos voltam a aparecer em um curto prazo de tempo. Pode provocar alergias devido ao atrito das lâminas na pele e facilitar o aparecimento da foliculite.
Creme depilatório
Vantagens: Também indolor de fácil manuseio e autoaplicativo.
Desvantagens: O pelo não é retirado pela raiz, diminuindo o período entre uma depilação e outra. Pode causar alergias e o cheiro é fortíssimo e desagradável.



Cera fria
Vantagens: Por não ser um método que envolve o calor, ele é indicado para pessoas que tenham algum problema circulatório, já que não causa vaso-dilatação.
Desvantagens: Por não causar vaso-dilatação a sensação de dor em algumas pessoas pode ser maior.
Aparelho de depilação
Vantagens: Como o pelo é retirado pela raiz, o risco de aparecerem pelos encravados é menor e demora em torno de três semanas para crescer novamente.
Desvantagens: É indicado apenas para pernas e braços não deve ser aplicado em regiões sensíveis como virilha, axilas e rosto.
“Todos são métodos seguros, desde que antes do uso seja feito um teste de sensibilidade ao produto em uma pequena área do corpo, seguindo as indicações do fabricante”, explica Karen. “Ainda existem muitos tabus em relação à depilação masculina, alguns ainda sentem receio de ir até um salão para fazer isso. A técnica usada dependerá da espessura do pelo e da região a ser depilada”, explica a depiladora.
Recomendações
- Hidratar e esfoliar a região depilada, usar protetor solar e evitar o excesso de exposição ao sol nas primeiras 24 horas.
- Deve se usar produtos confiáveis e no prazo de validade. Ter a higiene adequada durante a depilação.

Disponivel: http://www.pbagora.com.br/conteudo.php?id=20110619094912&cat=saude&keys=depilacao-nao-mais-exclusividade-apenas-mulheresacesso em 24 de junho



Anorexia na gravidez preocupa especialistas em saúde

Distúrbio já atingiu celebridades como Victoria Beckham e Rachel Zoe

Quando uma mulher engravida, costuma-se dizer que ela "come por dois", mas um crescente número de mulheres em diversas cidades do mundo parecem sequer comer por um. Um novo distúrbio, inspirado em celebridades magérrimas como Rachel Zoe e Victoria Beckham, é o de mães que acabaram de ter bebês, ou mesmo gestantes, chegarem a extremos para lutar contra qualquer excesso de peso causado pela gestação.

A "moda" é tão forte que toda uma indústria emergiu em torno das chamadas "mães anoréxicas" (em inglês, "mommyrexia"), que aceitam pagar caro na tentativa de restaurar as formas físicas pré-gravidez.
Marcas de roupa para gestantes também estão de olho no fenômeno, lançando coleções para grávidas, já que muitas praticam exercícios até o nascimento dos bebês. Até marcas de roupas para futuras mães estão sendo forçadas a produzir tamanhos menores para atender à demanda.
Essa tendência tem preocupado especialistas em saúde, que culpam as influências das celebridades. Lisa Cohn, nutricionista em Manhattan, disse em entrevista ao "New York Post" que Victoria Beckham, 37 anos, que está com oito meses de gravidez de seu quarto filho, é o principal exemplo das "mães anoréxicas".
– Victoria Beckham está em seu oitavo mês e continuar parecendo muito magra ainda está em seus planos – de forma saudável ou não. Ela não parece vibrante: seu rosto está pálido e olhos, opacos – afirma Cohn ao jornal norte-americano.
O psiquiatra Isaac Herschkopf acrescenta que as mulheres que mais correm risco de passarem por episódio de anorexia são as "mulheres cuja beleza faz parte de seu fascínio".
– É um ciclo vicioso – quem está preocupada em perder o marido, e vai ignorar o bebê e até se ressentir dele – afirma o psiquiatra.

disponivel: http://www.clicrbs.com.br/especial/rs/donna/19,0,3358156,Anorexia-na-gravidez-preocupa-especialistas-em-saude.html acesso em 24 de junho

Revistas ameaçam a sexualidade da mulher real


Hoje, ter mais de 50 anos e ler revistas é uma decepção: dentro delas, não há nada nem ninguém que lembre você.

Segundo uma nova pesquisa, apesar de um quinto do público da Vogue ser mulheres com mais de 50 anos, a revista só apresenta mulheres de 40 anos na capa (de vez em quando). Tipicamente, celebridades mais jovens, como Lady Gaga e Natalie Portman, são ilustradas pela Vogue.
O mesmo estudo descobriu que essa ausência de mulheres mais velhas não se limita a Vogue, ou até mesmo a capas de revista: uma análise de editoriais e imagens publicitárias revela que revistas de moda raramente mostram mulheres com mais de 40 anos.
E o pior de tudo: mesmo as revistas voltadas para o envelhecimento apresentam imagens de mulheres ideais, livres de rugas, com um corpo perfeito que é impossível de se manter na vida adulta.
Agora, os especialistas estão dizendo que toda essa cultura prejudica as mulheres mais velhas e pode fazer com que elas abandonem sua sexualidade. “Isso leva a problemas de imagem corporal negativa”, disse a autora do estudo, Denise Lewis. “As pessoas negam o envelhecimento, e tentam continuar a parecer o ideal de uma pessoa jovem”.
Não é nenhum segredo que revistas e outras mídias preferem modelos jovens, magras e muitas vezes brancas. Porém, estudos da influência da mídia sobre a saúde das mulheres geralmente se concentram em mulheres mais jovens.
No estudo mais famoso, de 2002, psiquiatras compararam adolescentes das Ilhas Fiji antes e depois da televisão chegar na ilha. A pesquisa constatou que transtornos alimentares aumentaram quando a TV foi introduzida. As meninas disseram que queriam perder peso para se parecer com as garotas magras ocidentais da TV.
Mas transtornos alimentares não são exclusivos a mulheres mais jovens. Dois estudos da década de 1990 estimam que entre 7,2 e 7,7 de cada 100 mil mulheres com idade entre 40 e 59 anos têm anorexia nervosa (incapacidade de manter 85% do peso médio por altura).
Isso é muito menos do que os 70 ou mais de cada 100 mil meninas adolescentes com anorexia. No entanto, um estudo de 2001 constatou que cerca de 1% das mulheres de meia-idade têm bulimia nervosa, comparável aos 0.9% das mulheres entre as idades de 18 e 25 com a mesma doença.
Dois estudos também investigaram a relação entre consumo de mídia e transtornos alimentares em mulheres mais velhas. Um estudo publicado em 2008 descobriu que a pressão da família, dos colegas e da mídia foi ligada a um desejo de magreza e transtornos alimentares. Outro estudo, publicado em 2003, descobriu que a pressão da família era o caminho mais influente para um transtorno alimentar, embora a pressão da mídia tinha uma influência de pequena a média também.
No entanto, os pesquisadores estão preocupados com influências mais sutis. Mesmo em revistas voltadas para mulheres mais velhas, os sinais de envelhecimento são frequentemente “apagados” (“photoshopados”). Talvez não por coincidência, os tratamentos antirrugas estão ficando mais populares.
As mensagens de cremes de antienvelhecimento, Botox e outros sugerem que as pessoas mascarem sua idade, ou se tornem obsoletos. Peggy Brick, educadora sexual, diz que se preocupa que a visão da mídia sobre os idosos – como se eles fossem invisíveis, e certamente não sexuais – contribui para que os adultos mais velhos simplesmente “desistam” de sua sexualidade.
Segundo ela, o estereótipo de que o sexo é apenas para os jovens e bonitos, e que o velho é feio e não sexual, tem que ser combatido.
O público já reagiu contra o ideal de magreza no passado, o que inspirou algumas revistas de moda a usar ocasionalmente modelos mais “cheinhas”. Mesmo a Vogue apresentou três mulheres curvilíneas (Tara Lynn, Candice Huffine e Robyn Lawley) na capa de sua revista italiana, em junho.
O consumidor poderia levar a avanços semelhantes em relação às mulheres mais velhas. Os cientistas acreditam que as pessoas podem, de fato, perceber que são bonitas como são e exigir que a moda reflita isso.[LiveScience]
Disponivel em:http://hypescience.com/beleza-ideal-revistas-ameacam-a-sexualidade-da-mulher-real/ acesso em 24 de junho



Ver o corpo de forma distorcida pode causar anorexia

Distorção da imagem corporal é um distúrbio mental

Um distúrbio chamado pelos médicos de distorção da imagem corporal faz uma pessoa ver seu corpo de uma forma totalmente diferente do que ele realmente é. Isto é, quem sofre com ele costuma ver gordura onde não existe.

Pesquisadores ainda não descobriram a causa do distúrbio, mas, segundo especialistas, os rígidos padrões de magreza impostos pela sociedade podem ser um fator determinante.
Tanto que, se deixar de ser tratado, pode levar o doente a sofrer de anorexia, já que passa a querer emagrecer a qualquer custo.

Disponível: http://noticias.r7.com/saude/noticias/ver-o-corpo-de-forma-distorcida-pode-causar-anorexia-20110620.html; acesso em 24 de junho



CORPO – Obesidade, anorexia ou bulimia?

20/6/2011 21:18, Por brpress




(BR Press) – Preocupação excessiva com o peso, fixação em contar as calorias impressas nos rótulos dos alimentos, mania de estar sempre de regime, ou ter compulsão por comida. Se você conhece alguém que se encaixe nesses perfis, atenção! Atitudes como essas podem ser sinais de um problema que cada vez mais atinge jovens e adolescentes: os transtornos alimentares. Os mais comuns são obesidade, anorexia e bulimia.



De mais



A obesidade é um dos transtornos alimentares mais comuns nessa fase da vida e é causada pelo desequilíbrio entre a quantidade de calorias ingeridas e eliminadas. O tratamento, muitas vezes, tem que ser feito com ajuda de remédios inibidores de apetite, mas nem sempre é a opção mais saudável. Tanto que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) estuda proibir, a partir de agosto, a comercialização da sibutramina, do femproporex, do mazindol e da dietilpropiona, presentes em alguns inibidores, por causarem problemas no coração.



O ideal mesmo é emagrecer tentando levar uma vida saudável. Portanto, nada de ficar na frente do computador devorando um saco de batatas fritas e refrigerantes. A regra é comer alimentos saudáveis e se mexer, praticar exercícios pelo menos três vezes por semana. E se a grana está curta e não dá para pagar academia, você pode simplesmente dar algumas voltas de bicicleta, correr (é preciso um tênis adequado para evitar lesões) ou fazer uma simples caminhada.



De menos



Do outro lado da balança, estão aqueles que desenvolvem aversão por comida. Segundo a psicóloga Carolina Fernandes Todesco, especializada em psicologia da saúde e terapia individual e familiar, na tentativa de se encaixar nos modelos de magreza impostos pela sociedade e reproduzidos na mídia, garotas, garotos e jovens em geral também acabam criando uma imagem distorcida do próprio corpo e se acham gordos – até mesmo quando apresentam peso abaixo ou bem abaixo do normal.



A especialista explica que a anorexia e a bulimia podem causar diversos danos à saúde. Pode começar com uma queda de cabelo, evoluir para desnutrição e até levar à morte, em casos extremos. O jovem com anorexia tem medo de ganhar peso e vive em dietas rigorosas – alguns chegam até mesmo a deixar de comer.



A bulimia, que geralmente acomete mais jovens do sexo feminino, é caracterizada pelo comer demais e, com uma culpa insuportável, forçar o vômito para por para fora tudo o que acabou de comer.



Na cabeça



O tratamento dos distúrbios alimentares é feito com acompanhamento psiquiátrico, psicológico e nutricional. São esses profissionais que vão orientar a pessoa a ter uma alimentação mais equilibrada e saudável, além de melhor auto-estima.



SINAIS DE ALERTA



Alguns dos sinais abaixo, descritos por especialistas, podem ajudar a identificar se um amigo ou amiga – ou você mesmo – está sofrendo de transtorno alimentar:



– Falta de apetite constante



Você nunca vê aquela pessoa comendo. Pode ter a torta de chocolate mais deliciosa na frente dela – e ela recusa dizendo que está de dieta.



– Imagem distorcida do próprio corpo



Por mais que você tente convencer a pessoa de que se ela emagrecer mais um pouco vai desaparecer, ela continua teimando que precisa perder uns quilinhos.



– Caindo de boca



Outro sintoma de distúrbio alimentar é quando a pessoa está sempre com fome e traça tudo que vê pela frente. Alguns, nos ataques de culpa, vomitam forçadamente tudo que comeram.



– Magreza excessiva



A não ser que sua amiga ou amigo esteja passando fome, pele colada no osso pode ser sinal de anorexia.



– Regimes



Não importa qual a dieta mirabolante do momento. Quando a meta é ingerir o mínimo de calorias possível, desconfie. Pode ser prejudicial à saúde e até levar a distúrbios alimentares.



– Desmaios e fraqueza



Sabe aquele ditado, “saco vazio não para em pé”? Este é outro sério sinal do que pode ser falta de comida ou alimentação errada – o que também causa anemia.



(Danielli Marinho/Especial para BR Press)

Disponivel: http://correiodobrasil.com.br/corpo-obesidade-anorexia-ou-bulimia/257143/ Acesso em 24 de junho



Anorexia nervosa associa comida à ansiedade

Um dos sintomas mais complexos observados em pessoas com anorexia nervosa – um transtorno que atinge especialmente as mulheres jovens – é a recusa em se alimentar, o que leva à perda de peso radical. Enquanto a maioria das pessoas tem dificuldade em fazer dietas ou diminuir a quantidade de alimentos ingerida, indivíduos com anorexia nervosa podem até mesmo morrer de fome, conscientes do que estão fazendo. Agora, um estudo publicado no periódico International Journal of Eating Disorders tenta explicar como esse mecanismo da fome funciona


A maioria das pessoas tem prazer em comer e vê isso como uma experiência recompensadora (ou seja, envolve algum nível de prazer). Já pessoas com anorexia nervosa afirmam que comer as deixa muito ansiosas e que recusar comida as acalma. Nas últimas décadas, diversas pesquisas já desvendaram inúmeros mecanismos cerebrais envolvidos em hábitos diários, e no caso da alimentação, o que foi observado foi que ao comermos, o nível de dopamina (um hormônio ligado à sensação de recompensa) aumenta.

O atual estudo, liderado por Walter Kaye, pesquisador da Universidade da Califórnia, observou como a dopamina agia no cérebro. Para isso, ele utilizou drogas que aumentavam ou diminuíam os níveis do hormônio no corpo (como a anfetamina, que ajuda a elevar os níveis da dopamina no cérebro).

O que ele e sua equipe observaram foi que mulheres saudáveis, que tiveram a produção do hormônio induzida, demonstraram um aumento nos níveis de atividade na região do cérebro associada à sensação de recompensa. Entretanto, naquelas com anorexia nervosa a resposta foi inversa, ou seja, as anfetaminas aumentaram a atividade em regiões do cérebro associadas com preocupações e consequências de suas ações, o que levava a um sentimento de ansiedade intensa.

“Esse é um dos primeiros estudos que demonstram os mecanismos biológicos em indivíduos com anorexia nervosa e a associação desses com uma resposta paradoxal a um estímulo que deveria ser prazeroso, como a alimentação”, diz Kaye. “É possível que esses indivíduos com anorexia nervosa tenham algum problema no mecanismo que lida com a dopamina, e onde a resposta ao aumento do nível desse neurotransmissor seja fora do padrão esperado. E isso talvez seja o causador da grande dificuldade de fazer que essas pessoas voltem a comer e ganhar peso. Elas realmente associam a alimentação a um sentimento muito ruim.”

É interessante observar, também, diz o pesquisador, que a pesquisa também foi feita com indivíduos que já haviam se recuperado de episódios anteriores de anorexia nervosa, ou seja, é provável que esse mecanismo cerebral ligado à ansiedade não seja ativado somente em determinados períodos, mas faça parte de um padrão predeterminado.

Os resultados dessa pesquisa podem impactar positiva e significativamente os tratamentos para a condição. Mas isso, dizem os pesquisadores, ainda é algo que precisará de mais pesquisas.





Pesquisas indicam que estresse é transmitido por gerações

Pais passam seus genes para filhos, que são iguais aos recebidos dos avós. Este é o senso comum, mas com o passar do tempo, o determinismo genético tem sido menos aplicado na medicina. Por outro lado, hábitos adquiridos e alterações causadas pelo ambiente são cada vez mais detectadas. Comer muito fast food, fumar e levar uma vida estressante pode deixar marcas que serão carregadas por gerações.

O organismo se adapta ao meio e isto é transmitido geneticamente para os descendentes. E não é só em questões físicas, mas também em predisposições genéticas para doenças, como o diabetes e o câncer, e suscetibilidade ao estresse. A epigenética, como é conhecido este fenômeno, foi um dos temas do 7 º Congresso Brasileiro Cérebro, Comportamento e Emoções, que ocorre de 15 a 18 de junho, em Gramado, Rio Grande do Sul.

“O DNA de uma pessoa é sempre o mesmo, mas eles possuem marcadores que levam à diferenciação celular, por exemplo, o que indica que uma célula vira pele e outra, neurônio. E o ambiente também influência a expressão genômica”, explica o psiquiatra Marcelo Allevato. Os tais marcadores indicam ainda características comportamentais e cognitivas.

Segundo ele, doenças metabólicas, como diabetes, podem ser influenciadas pelos hábitos alimentares dos pais. Quem come muito açúcar e gordura pode ter alterações genéticas que vão determinar se seus filhos terão mais vulnerabilidade a esses ingredientes e doenças correlatas. Filhos de mães que já fumaram alguma vez na vida têm risco aumentado de câncer no pulmão e obesidade, também por mudanças na genética da mãe que são passadas para o filho.

Quando somos jovens o DNA tem mais plasticidade e por isso é mais suscetível a essas alterações, com o passar do anos, certos trechos são inativados e outros são expressos de acordo com o ambiente.

“A Holanda é um dos países com maior estatura média da população. No pós segunda-guerra, o país enfrentou falta de comida, e a população ficou mais baixa. Mesmo após algumas gerações bem alimentadas, a alta estatura demorou a voltar na maioria dos holandeses. Esse é um sinal de como o ambiente influenciou nas características genéticas”, conta Allevato.

Estresse - O médico faz uma pergunta que cabe a todos nós: “até que ponto vale a pena viver uma vida estressante e arcar depois com sequelas como diabetes, depressão, ansiedade e transtornos do sono?” Para ele, mesmo que por um pequeno período de tempo, o estresse pode acarretar danos para o resto da vida.

Uma pesquisa feita com mulheres grávidas durante os atentados do 11 de setembro no World Trade Center indicou que o estresse passado por elas passou para os bebês. Os níveis de cortisol (hormônio do estresse) eram baixos tanto nas mulheres que apresentavam transtorno de estresse pós-traumático quanto em seus filhos com menos de um ano.

“Percebemos que há uma mudança biológica, não sei se podemos atribuí-las à genética, mas com certeza algo foi programado diferente”, explica Rachel Yehuda, líder da pesquisa da Escola de Medicina Monte Sinai, em Nova York (EUA).

Outro estudo, em Atlanta, analisou filhos de moradores de um bairro rico e de um pobre da cidade, e constatou que filhos do primeiro grupo apresentavam maior vulnerabilidade ao estresse e depressão.


Disponivel: http://www.jornaldeuberaba.com.br/?MENU=CadernoB&SUBMENU=Saude&CODIGO=8567 : Acesso em 24 de junho

quarta-feira, 22 de junho de 2011

'Lipos' não invasivas proibidas em França... voltam a ser autorizadas.



O Ministério da Saúde Francês proibiu, por decreto de Abril de 2011, todos os métodos de estética usados para afinar a silhueta que destroem as células gordas sem as retirar do organismo (como o laser não associado a lipoaspiração, ultrassons, radiofrequência, infravermelhos, cavitação, carboxiterapia e mesoterapia anticelulite). A lipoaspiração clássica não foi abrangida por esta proibição, já que a gordura é retirada, não fica nem nos tecidos nem no sangue.




Mas agora o Conselho de Estado francês acaba de suspender o decreto que as proibia, na sequência de um pedido feito pelos médicos e profissionais de estética que utilizam estas técnicas.



A proibição baseou-se no parecer de uma comissão da Alta Autoridade para a Saúde e abrangia todos os atos de estética que destroem as células gordas e as deixam no organismo: as chamadas 'lipoaspirações não invasivas'. Depois de compilar e avaliar estudos científicos, relatórios de problemas e queixas, e declarações de complicações, a comissão considerou que estas técnicas apresentam riscos de necrose dos tecidos, hematomas, lesões dolorosas e, no caso das injeções de lecitina de soja, embolias pulmonares. "São riscos demasiado grandes para atos não curativos, simplesmente estéticos" declarou a uma revista francesa a Dra. Lee Robin Sun, que chefiou a comissão de avaliação.



Os profissionais que utilizam estas técnicas requereram a revisão do decreto e conseguiram a sua suspensão: o juiz que avaliou o requerimento considerou que "o número de casos em que se verificaram efeitos indesejáveis 'de uma certa gravidade' é 'pequeno' " e muitas das complicações reportadas podem ser "imputadas a condições inadequadas de aplicação ou utilização."



Com a suspensão do decreto, as técnicas de lipólise estética podem voltar a ser praticadas, embora tudo possa voltar atrás nos próximos meses, já que o processo continua em avaliação.



Como as técnicas visadas são praticadas em Portugal (e num número cada vez mais vasto de centros, spas, institutos e clínicas de estética) o ideal é adotar um princípio de precaução: se está a pensar em fazer uma 'lipo' não invasiva ou qualquer outra técnica semelhante, opte por fazê-la num local com provas dadas (de preferência onde haja acompanhamento médico) e informe-se bem em relação aos eventuais riscos e possíveis complicações. E se acabou de a fazer não entre em pânico (os casos de complicações são raros), mas se sentir alguma coisa fora do normal (um hematoma, prurido, falta de sensibilidade ou qualquer outra alteração), na zona tratada, consulte sem demora o seu médico.

http://activa.aeiou.pt/artigo.aspx?channelid=F01DA217-6F62-4F96-B86B-E5EA628B6EE7&contentid=9828E03C-BBB7-4943-B65C-22B9EDD547C3



Movimento cresce 50% nas clínicas de estética

Inverno é o período mais procurado para tratamentos faciais por conta da baixa incidência do sol


19/06/11 às 18:28
Ana Ehlert





Tratamento facial está entre os mais procurados nas clínicas de estética: pouco sol (foto: Valquir Aureliano) Quem está pensando em aproveitar as férias de julho para se colocar em forma, precisa se apressar. Segundo o levantamento da reportagem do Jornal do Estado, o movimento nas clínicas de estética e nos consultórios de cirurgia plástica cresce, no mínimo, 50%. A procura pelos tratamentos de pele em alguns locais cresce ainda mais por conta da facilidade de recuperação nos períodos de inverno, quando a incidência do sol é menor que nos dias de verão.

Os tratamentos faciais, com ênfase para o clareamento, estão no topo dos tratamentos solicitados. No caso, do uso de ácidos é fundamental que o tratamento seja desenvolvido no inverno uma vez que o paciente deve evitar a exposição solar e fazer uso regular de protetor solar.

Na Vitaclin, na Avenida Sete de Setembro, no Batel, há um aumento de 80% na procura por tratamentos faciais. Os tratamentos mais procurados são para retirar manchas, contra acne e limpeza de pele. Fátima Lopes, recepcionista da clínica, justifica esse aumento porque os tratamentos exigem que o paciente evite a exposição ao sol.





A faixa etária dos clientes Vitaclin é de 25 a 30 anos, com algumas na faixa dos 40 e 55 anos. Já os homens que procuram a clinica procuram mais a partir dos 40 e principalmente para o tratamento de acne. Os preços dos tratamentos oscilam entre R$ 85 e R$ 150.

Na Personalità, na Avenida Sete de Setembro, no Batel, aumenta a procura por tratamentos corporais em 50%. Os mais procurados são drenagem linfática, endermologia, para celulite, gordura localizada. Já os peelings são os tratamentos faciais mais procurados.

Suely Correia, esteticista da Personalità, conta que o número de sessões necessárias é de acordo com a necessidade de cada paciente. “As pessoas se cuidam no inverno para estarem bem no verão”, diz Suely. O preço do pacote da drenagem linfática é R$ 400 e a sessão, R$ 50. Já o foto dome, para o tratamento facial, custa R$ 60 a sessão e R$ 500 o pacote.

Preços — Na Personal Care, na Ébano Pereira, no Centro, a proprietária Rosana Cristina Ferreira revela que além do aumento da procura pelos tratamentos, é comum também haver uma pequena elevação nos preços em função da demanda.

Na clínica a procura é maior procura por tratamentos tanto faciais (peeling de cristal, clareamentos faciais), quanto corporais (estrias). Rosana credita o aumento na procura por conta da exigência de não exposição ao sol. Na baixa temporada, a clínica oferece promoções para o tratamento de redução de gordura.

O número de sessões varia de acordo com a necessidade dos clientes, em geral, são de 6 a 10 (na primeira etapa). Os preços oscilam entre R$ 50,00 e R$ 100,00 a sessão de um clareamento facial.

Plásticas — Nas clínicas de cirurgia plástica o movimento na última semana estava já estava grande. Em alguns consultórios, os médicos estavam com a agenda tão cheia que não conseguiam encaixar um horário para entrevistas.

Segundo Alessandra Garcia, da administração da Clínica Regazzo, nesta época do ano há um aumento de 50% na procura por todo o tipo de cirurgias, na faixa etária que vai dos 17 aos 70 anos.

O aumento da demanda pelas cirurgias é por conta da facilidade da recuperação nos períodos de férias e também porque no frio é mais confortável usar as cintas necessárias ao pós-operatório.

Na Clínica Pietá o aumento do número de clientes também é de 50% e em 90% dos casos, a motivação é estética, segundo as informações da secretária Greice Magalhães de Queiroz. Ela conta que o inverno é um período propício as cirurgias porque no verão o paciente costuma inchar muito.



Colaborou

Ana Carolina Machado

Scarlett Johansson é eleita a dona do corpo ideal






Foto: Divulgação/Allure Scarlett Johansson tem o corpo mais admirado entre homens e mulheres



Da Redação

entretenimento@eband.com.br

Uma pesquisa feita pela marca de desodorante "Bionsen", na Inglaterra, aponta a atriz Scarlett Johansson como a mulher com o corpo ideal.



A enquete foi feita com 2 mil pessoas, entre homens e mulheres.
Johansson ocupa o primeiro lugar na preferência masculina, com 20% dos votos. Entre o público feminino ela está em terceiro, atrás da cantora Beyoncé e da socialite Kim Kardashian.
Na lista não aparecem mulheres muito magras e sim aquelas com curvas e volumes nos lugares certos.
Pippa Middleton, irmã de Kate, a mulher do príncipe William, continua em alta e aparece na lista.
acordo com os entrevistados, ela aparenta ter uma beleza natural e não resultado de dietas e esforços extremos para emagrecer.
Veja a lista completa:



1ª - Scarlett Johansson

2ª - Beyoncé

3ª - Pippa Middleton

4ª - Kelly Brook

5ª - Kim Kardashian

6ª - Holly Willoughby

7ª - Charlotte Church

8ª - Kate Middleton

9ª - Rihanna

10ª - Kate Moss



Investigação sobre plásticas na Santa Casa

Sindicância apura atuação de médicos que usam nome de Ivo Pitanguy indevidamente


POR CLARISSA MELLO



Rio - A Santa Casa de Misericórdia vai abrir uma sindicância para apurar supostas irregularidades nas enfermarias que oferecem serviço de cirurgia plástica. Como o ‘Informe do DIA’ noticiou ontem, médicos da unidade estariam usando o nome do cirurgião plástico Ivo Pitanguy para atrair pacientes.



Atualmente, 14 enfermarias da instituição oferecem serviços de cirurgia plástica estética e reparadora, mas somente a 38ª Enfermaria, onde funciona o Instituto Ivo Pitanguy (IPP), é coordenada por uma equipe do famoso especialista. Não é isso, entretanto, que informam panfletos que alardeiam cirurgias a preços promocionais distribuídos na recepção da própria unidade.



Segundo a direção do IPP, o uso ilegal do nome de Pitanguy tem prejudicado até a relização de cirurgias em pacientes com baixo poder aquisitivo. Isso porque a renda arrecadada em quatro cirurgias estéticas possibilita a realização de uma cirurgia reparadora gratuita, em média.



“Ao, maliciosamente, arregimentar o público para realizarem cirurgias nessas outras enfermarias, tais médicos estão não só ganhando uma verba que não é de direito, como prejudicando centenas de pacientes que recorrem ao IPP como última esperança”, diz o Instituto, em nota. O Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro também está apurando a denúncia, mas não abriu sindicância. A assessoria informou a abertura de um procedimento administrativo contra a propaganda, que não segue “os preceitos determinados pelo Código de Ética Médica”.



Denúncias à direção desde o ano passado



A direção da Santa Casa não quis confirmar a O DIA se já sabia do caso: segundo o IPP, as irregularidades estão sendo denunciadas à unidade desde o ano passado, mas, até então, nada havia sido feito para resolver o problema. Em nota, a assessoria da direção da Santa Casa informou que “só poderá comentar mais detalhadamente o caso após o fim das investigações”, mas não deu prazo para que o fim da sindicância.

terça-feira, 21 de junho de 2011

Minoria magra também sofre com os apelidos e a balança

Apelidos pejorativos, vergonha do corpo e dietas malucas não são exclusividade de gordo. Mas drama de magro não comove ninguém, nem os médicos.

Magros também brigam com a balança. Sofrem para comprar roupa. Eles querem ter músculos. Elas, curvas. E ninguém dá bola para suas queixas.

É o que dá ser minoria, em plena cruzada global antiobesidade. "Atendo um magro a cada cem obesos", diz o endocrinologista Bruno Geloneze, da Unicamp.

Estima-se em menos de 5% os brasileiros "magros demais" -embora um ditado popular diga que "magreza e dinheiro nunca são demais".
Os magros da estimativa têm IMC (Índice de Massa Corporal) abaixo de 18,5 (calcula-se dividindo o peso em quilo pelo quadrado da altura em metro). Não significa que estejam doentes.
Mas há confusão entre magro e fraco. Por isso, receitas com ovo de pata, fortificantes e óleo de fígado debacalhau recheiam a infância de magros "de ruindade" (leia-se predisposição genética).
Mesmo grandinha, aos 22 anos, a consultora financeira Flávia Fonseca -hoje com 35 e 54 quilos para 1,64 m de altura- entrou na fila da multimistura distribuída a carentes pela Pastoral da Criança. "Pensei que, se os bebês desnutridos ganhavam peso em pouco tempo, eu também ganharia." Ela pesava 49 quilos. Tomou a ração por seis meses. "Eu me pesava toda semana. Depois, desencanei."

pior fase foi a adolescência. "Usava jeans 34. Ia para a praia de short, achava que não tinha bumbum. Minhas amigas, que tinham mais corpo, chamavam a atenção. Não era fácil achar namorado."
Hoje, a consultora se resolveu com a magreza. Em vez de seguir receitas para engordar, faz musculação. "Percebi que é mais importante ganhar massa magra. De uns anos para cá, agradeço esse metabolismo acelerado."

CALÇA DE CRIANÇA
55 quilos e 1,65 m, o bibliotecário Roberto Silveira, 45, precisa comprar calça feminina ou infantil. "Não sou raquítico, mas dá para ver as costelas no tórax. Queria ter outro corpo."
Ele diz que, com a idade, investiu em outros valores que não a imagem corporal. Mas já sofreu tentando ganhar peso. Chegou a tomar anabolizante por oito meses, receitado por endocrinologista. Ganhou só dois quilos e desistiu, com medo dos efeitos colaterais da droga.

No período da faculdade, com menos de 50 quilos, teve medo de emagrecer ainda mais, por causa da rotina agitada. Ia para a balada e perdia mais de um quilo por noite. "Tenho tireoide, fígado, tudo perfeito. É metabolismo mesmo." Passou a comer compulsivamente, mesmo sem fome, e não engordava. "Pegava bife que tinha sobrado do jantar e comia no café da manhã."
Comer mais para engordar é uma "má ideia", avisa o endocrinologista Geloneze. Segundo ele, o magro pode ganhar barriga e ter problemas com o excesso de gordura abdominal. "Não é raro encontrar pessoas que queiram engordar, mas é raro encontrar quem precise."
O pediatra e nutrólogo Fábio Ancona Lopez endossa: "Não tem por que interferir na dieta de quem está saudável".

CAMISA
O problema -como sempre- é quando a vontade de ter um corpo diferente passa a afetar muito a vida da pessoa.
No caso do bancário Juliano Rosa, 29, afeta um pouco, mas ele está acostumado, segue o ritual desde menino. "Nunca saio com uma só camiseta. Não uso jeans sem vestir outra calça mais apertada por baixo". Ele mede 1,75 m e pesa 60 quilos.
Para ir à academia, calça três pares de meias, um sobre o outro. "Se pudesse, trocava de pernas", diz.
"Magrão" e "Tripa" foram alguns apelidos que marcaram a adolescência de Evandro Mangueira, 1,80 m e 63 quilos. Funcionário público, ele diz que, mais jovem, deixava de ir à praia e até de jogar futebol -se caísse no time dos sem camisa.
Hoje, aos 32, diz ele que não se priva mais de nada. "Não dá para ter vergonha com essa idade." Mas ainda aguenta comentários chatinhos, não desprovidos de certa inveja. "Quando vou pegar uma sobremesa, alguém logo diz: 'Você pode'".

Disponivel no site g1  acesso em 22 de junho

Site russo oferece tratamento para ter 'bumbum brasileiro'



Anúncio promete tratamento sem dieta, exercícios ou cirurgia plástica Promoção para ficar com 'bumbum brasileiro' custa 1.150 rublos (R$ 65)

21.06.2011
O site de compras russo Vigoda anuncia uma promoção incomum: um tratamento estético que promete um "bumbum brasileiro" em apenas cinco sessões.
O anúncio diz: "Bumbum brasileiro - 5 sessões! Você vai ficar com o bumbum brasileiro sem dieta, exercícios, injeções ou cirurgia plástica!"
Com desconto de 71%, o tratamento, originalmente de 4 mil rublos sai por 1.150 rublos (cerca de R$ 65). As informações são do G1.


disponivel em: http://www.correio24horas.com.br/noticias/detalhes/detalhes-1/artigo/site-russo-oferece-tratamento-para-ter-bumbum-brasileiro-1/ acesso em 22 de junho

domingo, 19 de junho de 2011

Mulheres assumem o volante na Arábia Saudita




(AFP) – há 2 dias



RIAD — As sauditas atenderam timidamente nesta sexta-feira à convocação feita por militantes para desafiar a proibição de dirigir imposta às mulheres, assumindo o volante nas cidades do reino sem incidentes maiores.



Segundo os organizadores da campanha Women2drive, 42 mulheres no total enfrentaram a proibição, e apenas uma delas cometeu uma infração, enquanto outras duas foram escoltadas para suas casas por agentes da polícia.



Mas nenhuma prisão foi registrada, o que parece ser uma indicação da disposição das autoridades de não se oporem com o uso da força a esse movimento no reino ultraconservador, único país do mundo onde as mulheres não têm o direito de dirigir.



Os correspondentes e fotógrafos da AFP não viram mulheres dirigindo, mas vários testemunhos foram difundidos nas redes sociais, incluindo vídeos de mulheres ao volante no Youtube.



"Voltamos do supermercado. Minha mulher decidiu começar o dia pegando no volante na ida e na volta", escreveu em sua conta no microblog Twitter Tawfiq Alsaif, um editorialista.



"É um direito das mulheres que nenhuma lei, nenhuma religião proíbe (...) Eu saí para obter meu direito" de dirigir, declarou à AFP Maha al-Qahtani, que dirigiu pelas ruas de Riad durante 45 minutos.



Seu marido Mohammad al-Qahtani, presidente da Associação saudita dos Direitos Civis e Políticos, que a acompanhou, indicou no Twitter que ela estava "preparada para ir para a prisão sem medo".



Azza al-Chamassi, uma empresária de Riad e mãe de três filhos, declarou à AFP que assumiu o volante na capital sem ser importunada pela polícia, mobilizada nas principais vias da cidade.



"Levei minhas duas gêmeas, de seis anos, e comprei doces para elas", disse. "Tive medo, mas se todas as mulheres começarem a dirigir, ficarei tranquila", disse.



A campanha Women2drive, iniciada há dois meses nas redes sociais, deve continuar "até a publicação de um decreto real que autorize as mulheres a dirigir", destacou a página dos organizadores no Facebook.



As mulheres são chamadas a agir individualmente, ao contrário de uma carreata celebrada em 1990, na qual as participantes foram detidas.



O ícone da campanha desta sexta-feira foi Manal al Sharif, uma jovem especialista em informática, libertada em 30 de maio após ter permanecido detida por duas semanas por ter desafiado a proibição de dirigir e publicar no site Youtube um vídeo no qual aparecia ao volante.



Em um comunicado, a Anistia Internacional pediu às autoridades que "parem de tratas as mulheres como cidadãos de segunda classe e abram as vias do reino às motoristas".



"Não permitir que as mulheres assumam o volante é um imenso entrave a sua liberdade de movimento e limita sua capacidade de realizar suas atividades cotidianas, como ir ao supermercado ou levar seus filhos à escola", acrescentou a ONG.



Nenhuma lei proíbe as mulheres de dirigir. No entanto, as autoridades se fundamentam em um pronunciamento religioso (fatwa), promulgado no reino, cujas leis são inspiradas em uma interpretação rigorosa do Islã, e invocam a oposição dos religiosos e dos meios conservadores para manter a proibição.



Para se deslocar, as mulheres sauditas precisam contratar um motorista e, se não tiverem recursos, dependem da boa vontade dos homens da família.



Copyright © 2011 AFP. Todos os direitos reservados. Mais »

disponiovel:http://www.google.com/hostednews/afp/article/ALeqM5hfKQ928m35xzZfuSJYyDwckeHfxg?docId=CNG.2114de8a60a02c6b4a976644b1d280d5.71: acesso em 19 de junho de 20011

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Plásticas aumentam até 50% em Rio Preto e nova norma busca segurança




Regra obriga médico a preencher formulário que dá respaldo legal a paciente


Agência BOM DIA
tODO início de verão e de inverno é a mesma coisa. As clínicas de cirurgia plástica de Rio Preto lotam de pessoas que querem dar um retoque no visual.
O aumento chega a ser de até 50%. Os pacientes aproveitam as férias para se cuidar melhor no pós-operatório.
O período é propício para fazer a desejada cirurgia plástica, mas o paciente deve se inteirar sobre todo o procedimento para evitar frustrações e até mesmo risco de morte.
Há pouco mais de um mês, todos os cirurgiões plásticos estão obrigados a preencher, com o paciente, documento denominado: “normas informativas e compartilhadas de cirurgia plástica”, desenvolvido pela Câmara Técnica de Cirurgia Plástica do Conselho Federal de Medicina.
“É um instrumento muito importante e uma garantia maior para o paciente de que ele não saia do consultório infeliz com o resultado”, diz o cirurgião plástico Walfredo Cherubini Fogaça, de Rio Preto.
formulário é dividido em três fases: pré-operatória, trans-operatório (no momento da cirurgia) e pós-operatório.
“Muitos pensam que uma lipoaspiração ou um implante de silicone são procedimentos simples. Na verdade são cirurgias e envolvem riscos.”

Segundo Fogaça, com o formulário os médicos serão obrigados a explicar todas as fases aos pacientes, mostrar qual o resultado que pode ser esperado e os riscos do procedimento.
“Uma cirurgia de abdômen deixa marca de um lado ao outro da parte frontal. O paciente precisa saber disso antes de se decidir por fazer”, diz.
O cirurgião já deixou de operar uma paciente que o procurou. Ela queria só colocar prótese de silicone nos seios. Mas a flacidez exigia que o procedimento fosse outro.
“Expliquei para ela. Mostrei onde ficariam as cicatrizes. Ela desistiu. Melhor assim do que depois se sentir frustrada.”
Fogaça orienta quem vai passar por cirurgia plástica a perguntar para outros pacientes do médico sobre resultados e questionar o especialista em todas as suas dúvidas.
Foi o que fez a auxiliar de faturamento Sandra Regina Garcia, 41 anos.
Ela fez plástica de seio e abdômen. Mas antes, foi buscar referências da cirurgiã que a operou e informações sobre como ficariam as cicatrizes.
“Estou satisfeitíssima com o resultado. É mais do que eu esperava”, diz.
Procedimentos/De 2001 a 2008, 209 processos tramitavam no Cremesp contra procedimentos estéticos. Esse é o dado mais recente do Conselho Regional de Medicina e se refere ao estado.
As campeãs de reclamações são a lipoaspiração e lipoescultura, com 70 processos. Logo atrás vem a prótese de silicone, com 42 processos.
Outra dado importante é que entre os médicos processados, 38% são reincidentes.

http://www.redebomdia.com.br/noticias/dia-a-dia/56826/plasticas+aumentam+ate+50%25+e+nova+norma+busca+seguranca

Cirurgia bariátrica nas mídias sociais

COMO FOI ENDEREÇADO AO MEU BLOG DIVIDO COM TODOS VOCÊS
Olá, Tudo bem? Meu nome é Ciro, trabalho na Ketchum, agência de relações públicas da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM). Gostaria de dividir com você que a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica está nas mídias sociais. Por meio de perfis no Facebook e no Twitter, informaremos internautas e pacientes sobre os riscos da obesidade, curiosidades, mitos e verdades e curiosidades sobre a cirurgia bariátrica.
Convidamos você e seus leitores a seguir o perfil no Twitter (@CirBariatrica) e curtir nossa página no Facebook (www.facebook.com/sbcbm). Estamos à disposição para esclarecer dúvidas a respeito de saúde, obesidade e da cirurgia bariátrica.
Atenciosamente, Ciro J. JuniorAnalista de Mídias Sociais -
55 11 5090.8900 Ramal: 8708 Ketchumbreak through Orgulho em ser parceira do “Room to Read” –
A mudança do mundo começa com a Educação das Crianças ®

terça-feira, 14 de junho de 2011

LIpo não dura para sempre

Resultados da lipoaspiração são duradouros?



Autoria: Da Redação


13 de junho de 2011


Serviços de Saúde: Conheça nosso site

Um estudo americano publicado na revista Obesity, causou muito preocupação em quem está pensando em fazer uma lipoaspiração e certa apreensão em quem se submeteu ao procedimento, recentemente.

sso porque os autores, pesquisadores da Universidade do Colorado, defendem que o procedimento pode reduzir a gordura de coxas e quadril, mas, com o tempo, a gordura retirada das coxas volta a se acumular na parte superior do abdome e nos braços.
De acordo com os estudiosos, que acompanharam 32 mulheres na faixa dos 36 anos, que tiveram suas circunferências corporais e percentuais de gorduras medidos, dois meses após a lipoaspiração, elas tinham perdido 2% de gordura e quase o mesmo em circunferência. Um ano depois, as medidas foram reavaliadas.
A gordura total voltou aos índices originais, mas concentrada na parte superior do corpo. Este tipo de resultado, segundo os pesquisadores americanos, não depende do cirurgião plástico ou de sua habilidade cirúrgica. Ele depende da “biologia da gordura”. Os pesquisadores dizem não se surpreender com a volta da gordura, pois o corpo, "defende a sua gordura”. Assim como na lipoaspiração



terça-feira, 7 de junho de 2011

'Se Beber Não Case 2' é um atentado ao bom gosto POR ARNALDO JABOR



Por Arnaldo Jabor




Hoje,segunda-feira, o assunto é cultura.Ou melhor, incultura.O assunto é cinema.Ou melhor,o anticinema.O assunto é o filme "Se beber não case número 2", que está em cartaz no Brasil e está fazendo sucesso.Salas cheias e sucesso nos Estados Unidos também.Uma das maiores bilheterias.



Vamos direto ao assunto.Esse filme é um lixo.É um atentado a um bom gosto,ao mínimo de descência artística ou de espetáculo, e enche as salas do Brasil e dos Estados Unidos.Eu falo especialmente desse filme porque acho que ele já é uma revolução, é uma mudança para pior das porcarias que estavam sendo feitas.Houve um salto de desqualificação do cinema ultimamente.Esse filme,"Se Beber Não Case", denota essa nova fase do cinema americano, que provoca uma mudança terrível também no cinema mundial.



Esse filme é um sintoma de um caso grave.Existe um processo em curso deliberado pelos produtores de cinema americano para imbecilizar cada vez mais as platéias, de modo que o faturamento seja maior possível com piores produções, piores roteiros sem qualidade alguma, com atores de "quinta".Em suma, a tese é:com nada,ganhar muito.Ou gastam muitos milhões em filmecos de 3D ou gastam muitos milhões com efeitos especiais delirantes, ou então sustentam esses vícios batizados de comédia romântica.



E as platéias estão muito obedientes ao marketing, engolem qualquer porcaria com risadas bossais, com absoluta ausência de criticismo.A única finalidade desses filmes é impedir o pensamento.Aliás, o sujeito vai para o cinema para não pensar, como se tomasse uma droga para passar duas horas abestalhado,onge do mundo real, que vamos combinar também não está para peixe.



Mas o que impressiona muito é que os filmes chamados comerciais, de antigamente, tinham uma dignidade."Cantando na chuva", por exemplo, que é um dos maiores filmes feitos no cinema, era somente para ganhar uma grana. Mas Akton Freed era um produtor genial como foram tantos outros daquela época.Os produtores queriam encher o bolso, claro, mas ainda tinham amor ao cinema,algum amor a arte, a qualidade.



Agora não, agora não existe nem mais diretor para eles, que virou uma espécie de guarda de trânsito de atores:"vem pra cá...vai pra lá...".Os produtores decidem o lixo que querem e o público vai perdendo os parâmetros e aí que mora o perigo. Quanto mais o público aceita as porcarias, mais porcaria é feita. "Oba, se eles gostaram disso, melhor ainda, vamos até gastar menos e piorar.Eles comem qualquer coisa".



A passividade do público aumenta a bossalidade dos filmes.E me impressiona também que os analistas de cultura e cinema no Brasil não denunciam esse atentado a pudor dos nossos olhos. Não. Agora tudo é legal, tudo bem.



Amigo ouvinte, não veja esse filme.Mesmo se beber

Homens superam preconceitos e aderem ao silicone para turbinar o corpo

 Tórax, bíceps,
 glúteo e
são as regiões que os
 homens mais direcionam
a atenção na hora de
colocar um implante de silicone


Silicone não é só coisa de mulher. Mais vaidosos, os homens estão aderindo cada vez mais às cirurgias plásticas para melhorar o visual e a autoestima. As próteses são utilizadas para aumentar o volume do tórax, do bíceps, do tríceps, das panturrilhas e até dos glúteos. "O resultado é bem semelhante ao que esses pacientes ganhariam com a academia", diz o cirurgião plástico Alexandre Kataoka.

Segundo uma pesquisa realizada pelo Ibope com membros da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica em 2010, anualmente cerca de 1.800 homens aderem ao silicone.
A decisão de recorrer à técnica vem do desejo de ter o corpo forte e malhado. “Geralmente são homens que já malham e não conseguem adquirir musculatura. Acho que é o jeito mais fácil de ganhar”, afirma o médico, que cobra de R$ 8 mil a R$ 14 mil por cada operação. A procura aumentou tanto que, segundo ele, 30% dos clientes de seu consultório são homens.
turbinar o peito, é feito um corte de 4 cm na região da axila, onde o cirurgião cria um espaço para inserir o silicone abaixo do músculo peitoral. Existem três tamanhos: P (190 ml), M (230 ml) e G (300 ml). A prótese musculina é diferente da feminina. É retangular e fina para uma maior naturalidade na região.
Na panturrilha, a cirurgia consiste em implantar a prótese por meio de um corte de 3,5 cm na prega posterior da dobra do joelho. O volume da prótese deverá ter uma relação entre as medidas e o desejo do paciente, mas, para que não tenha maiores problemas, o bom senso deve sempre prevalecer.
Kataoka afirma que, se não houver nenhuma restrição médica, qualquer pessoa pode passar pela operação. Para isso, o médico solicita ao paciente que faça todos os exames necessários antes da cirurgia.
De acordo com ele, após a aplicação da prótese, a pessoa pode voltar a fazer musculação normalmente. "Depois de 15 dias, o paciente já pode retomar as atividades leves. Ele só estará liberado para a academia após 30 dias".



Para os homens que pensam em turbinar o corpo, Kataoka faz um alerta: certifique-se de que seu médico é credenciado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.



Quem fez
Alexandre Montieri, 30 anos, optou pela prótese de tórax. O DJ fez a cirurgia em dezembro do ano passado e ficou feliz com o resultado. “O implante me agradou. Ficou totalmente natural. Se eu não comento, ninguém nota que eu tenho. O tamanho da minha foi 'M' e está adequado para o meu corpo".
Cansado de malhar sem ver o músculo do peitoral crescer, ele pesquisou sobre o assunto e decidiu implantar as próteses de silicone. "A cirurgia foi tranquila. Eu entrei na hora do almoço e no outro dia já estava em casa. Os primeiros cinco dias são essenciais para se ter uma cicatrização melhor".
O rapaz aprovou tanto o resultado que já pensa em um outro implante. "Pretendo fazer glúteos. É algo que estou estudando. Acabei de fazer uma cirurgia recente e estou só aguardando", conta Montieri.

http://www.band.com.br/jornalismo/saude/conteudo.asp?ID=100000437381

Campanha da Dove é acusada de racismo

Uma recente campanha da Dove está gerando polêmica e sendo acusada de racismo. O anúncio do Dove VisibleCare sugere uma melhora na pele, apostando no antes e depois.O problema é que, intencionalmente ou não, posicionaram uma mulher de pele negra no “antes” e uma branca no “depois". Isso levou à interpretação de que uma pele melhor está associada a uma pele mais clara.
Ao que tudo indica foi uma simples falha de layout. Pelo menos, queremos acreditar nessa explicação.
"O anúncio é destinado a ilustrar os benefícios de usar o Dove VisibleCare, mostrando que ele torna a pele mais bonita em apenas uma semana. Todas as três mulheres representam o ‘depois’. Nós não toleramos qualquer atividade ou imagens de insultos intencionais", aponta o comunicado divulgado pela marca.

disponivel:http://virgula.uol.com.br/ver/noticia/lifestyle/2011/05/24/276091-campanha-da-dove-e-acusada-de-racismo: acesso em 7 de junho

Nova campanha sobre Beleza Real de Dove desafia mulheres a repensar como veem o que é belo nelas mesmas

Novo filme constatou nas ruas do Brasil resultado de pesquisa realizada mundialmente, que mostrou que mulheres têm dificuldade em ver em si mesmas o que possuem de belo, mas veem beleza em suas amigas




No dia 06 de junho, Dove (segunda-feira), a marca global de beleza, colocou no ar sua nova campanha com filme e ações nas redes sociais, que irão despertar nas consumidoras uma nova forma de ver sua própria beleza. Para desenvolver o filme, parte da campanha “Real Beleza” e baseado na pesquisa global realizada pela marca em 20 países com 6.400 mulheres, Dove foi às ruas e entrevistou cerca de 50 mulheres do Brasil e questionou cada uma sobre o que mais gostam em si mesmas e também em suas amigas.



A diferença abissal nas respostas e nas reações das entrevistadas comprovou os resultados da pesquisa elaborada por Dove. Realizado em escala global, o estudo “A Verdade sobre a Beleza” mapeou a percepção das mulheres em relação à beleza e detectou que a proporção delas que se sentem seguras para se classificar como belas é ainda de apenas 4% em todo o mundo. Este número dobrou de 2%, em 2004, para 4%, em 2010; no entanto, mostra que uma parcela imensa de 96% das mulheres ainda não estão confiantes de sua beleza. E mais, os dados coletados indicam um paradoxo: apesar de não conseguirem reconhecer sua própria beleza, 80% das mulheres enxergam a beleza nas outras, concordando que toda mulher tem algo que é belo.



Diante deste cenário, Dove, que sempre teve uma abordagem diferenciada com relação à beleza e vem provocando a sociedade como um todo a refletir sobre os padrões, decidiu colocar em pauta novamente essa discussão com uma nova campanha, convidando todas as brasileiras à reflexão. “Dove acredita que a beleza deve ser uma fonte de confiança e se compromete a inspirar todas as mulheres a realizar seu pleno potencial cuidando de si e umas das outras”, diz Renato Rossi, gerente de marketing da marca Dove.



Para disseminar a causa, Dove terá a plataforma digital como uma das principais ferramentas. “Esta interface permite maior engajamento com as mulheres e uma verdadeira troca, nosso maior objetivo. Queremos mostrar o que descobrimos e possibilitar que elas falem de sua própria experiência e anseios”, enfatiza Rossi. No Facebook, a fanpage da marca (www.dove.com.br/beleza) promoverá um debate entre internautas, blogueiras e formadoras de opinião. No endereço fornece ainda um aplicativo interativo, no qual a usuária pode gerar um avatar formado por elogios. Nessa brincadeira, as mulheres podem fazer o upload de uma foto sua e convidar dez amigas a dizer o que elas mais gostam nela. A partir das respostas, o aplicativo cria um avatar estilizado com todas as palavras de elogios recebidas pela usuária.



A campanha, criada pela Ogilvy e produzida Evidently, dos Estados Unidos, será veiculada nos canais de TV aberta e cabo de todo o país.



Filme.: Título Filme 45s (TV): Friends
Título Filme 90s (internet): Friends (mulheres falando sobre elas e amigas)
Título Filme 90s: Inner critic (mulheres falando sobre elas mesmas)
Produtora Responsável: Evidently
Diretor(a) Responsável: Daniel Zeff
Empresa Detentora do Licenciamento da Obra no Brasil: Unilever Brasil Ltda.
Agência de Publicidade: Ogilvy
Anunciante: Unilever Brasil Ltda.



Histórico de Dove com a beleza - Dove possui uma abordagem diferenciada com relação à beleza, por isso tem investido em pesquisas para conhecer cada vez melhor o universo feminino e entender como as mulheres veem sua própria beleza.



Em 2004, foi realizada uma pesquisa global, em dez países, com 3.200 mulheres de 18 a 64 anos. O resultado, alarmante, mostrou como as mulheres estavam insatisfeitas com a própria beleza e com os padrões estabelecidos pela mídia: apenas 2% delas, por exemplo, se consideravam belas. A marca começou aí a sua história de comprometimento para que mulheres de todo mundo pudessem enxergar a própria beleza e seu potencial.



Dove assumiu esta causa e, com este posicionamento, vem provocando a sociedade como um todo a refletir sobre os padrões de beleza, ajudando dessa forma a colocar em pauta uma discussão e reflexão sobre algo importante e pertinente que é a possibilidade de romper com a visão estereotipada do que é belo.

disponivel: http://www.revistafator.com.br/ver_noticia.php?not=160752 acesso em 7 de junho

Homens investem em cirurgia plástica nas pálpebras

Pesquisa do IBOPE de 2009 mostra que a preferência masculina nas intervenções estéticas é por pálpebras e nariz

Os cuidados com a beleza também fazem parte do universo masculino. Em 2009, foram realizadas cerca de 640 mil cirurgias plásticas no país, sendo as mulheres ainda responsáveis por 82% do total e os homens por 18%. A Blefaroplastia (cirurgia plástica para retirar o excesso de pele das pálpebras) é uma das preferidas pelos homens que buscam uma aparência mais jovem.
"O procedimento é simples: uma incisão em fuso é feita nas pálpebras superiores retirando o excesso de pele. Nas inferiores, a incisão é realizada junto aos cílios para abordar e retirar o excesso de bolsas palpebrais" explica Dr. Antonio Macedo, Cirurgião Plástico, Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) e Coordenador de equipe da Beneficência Portuguesa de São Paulo.
Segundo o médico, a idade recomendada é acima dos 40 anos e desde que haja excesso de pele. "Mesmo sendo uma cirurgia relativamente simples, exames pré-operatórios são sempre necessários, assim como seguir alguns cuidados no pós-operatório."
Durante o pós-operatório, o paciente deve ficar os quatro primeiros dias em repouso. Após esse período, já pode voltar ao trabalho desde que use óculos para proteger a área. As atividades físicas só são liberadas depois de 15 a 20 dias.
É importante o paciente ter ciência que, com os anos e mesmo após a cirurgia, as pálpebras podem voltar a cair. "Como continuamos envelhecendo é normal uma queda, mas a proporção será bem menor após a cirurgia", afirma o Cirurgião Plástico Dr. Antonio Macedo. "Outro conselho importante é que o paciente busque sempre um cirurgião plástico credenciado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica para realizar o procedimento." (com Flöter&Schauff).


dISPONIVEL: http://www.bonde.com.br/?id_bonde=1-27--51-20110607&tit=homens+investem+em+cirurgia+plastica+nas+palpebras: ACESSO EM 8 DE JUNHO

domingo, 5 de junho de 2011

Capa de julho da revista Vogue italiana traz três modelos plus-size em protesto contra a anorexia





© 1996 - 2011. Todos os direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A.

LONDRES - Revistas de moda costumam usar modelos plus-size em um editorial ou outro, mas a edição de julho da Vogue italiana colocou três lindas curvilíneas na capa da edição de julho em campanha contra sites que incentivam a anorexia, segundo reportagem do "Daily Mail".
Na capa, as modelos Tara Lynn, Candice Huffine and Robyn Lawley foram fotografadas por Steven Meisel de lingerie.
 Mulheres curvilíneas estão de volta ao seu esplendor - disse a editora da revista Franca Sozzani que lidera um abaixo-assinado contra sites que encorajam distúrbios alimentares. - Um número crescente de leitoras agora pedem para ver um mundo real, feito de pessoas reais que não são obcecadas com magreza e respeitam seus corpos como são.
A modelo Tara Lynn estreou recentemente a campanha "Big is Beautiful" da rede de departamentos H&M e fotografou para editoriais das revistas Elle, V magazine e Glamour. Na Vogue, a última modelo plus-size a aparecer na capa foi Sophie Dahl, antes de emagrecer 7Kg.

Links patrocinados..
Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/vivermelhor/mat/2011/06/04/capa-de-julho-da-revista-vogue-italiana-traz-tres-modelos-plus-size-em-protesto-contra-anorexia-924614142.asp#ixzz1OPjSMvdR

© 1996 - 2011. Todos os direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A.
http://oglobo.globo.com/vivermelhor/mat/2011/06/04/capa-de-julho-da-revista-vogue-italiana-traz-tres-modelos-plus-size-em-protesto-contra-anorexia-924614142.asp

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Satisfeita e sexy com os seios naturais


Na contramão do silicone, elas rejeitam o “peitão” e exploram outras formas de sedução

Ao longo dos últimos anos, colocar próteses nos seios virou sonho de consumo de muitas mulheres. Os preços mais acessíveis, a influência de famosas “turbinadas” e o apelo sensual são fatores que ainda ajudam a disseminar os seios siliconados. Segundo dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), 73% das cirurgias realizadas no Brasil são estéticas. A colocação de próteses mamárias está no topo do ranking e representa 21% deste universo, em seguida aparecem lipoaspiração, com 20%, e abdominoplastia, com 15%.Renata Wilke, de 30 anos, não faz parte dessa estatística. A professora de pole dance está feliz com o tamanho “P” de seu sutiã e, mesmo depois dos seios terem diminuído por conta da amamentação e exercícios físicos, ela não pensa em operar. Quanto ao apelo de sedução, Renata diz: “Já deixei de me sentir mulher em algum momento, mas hoje estou muito bem, silicone não faz parte dos meus planos”.
Com as curvas trabalhadas na barra do pole dance, Renata afirma gostar do que vê no espelho. A busca por outros atributos físicos fez com que ela esquecesse o silicone. “Nunca fui menos paquerada por ter os seios pequenos, a mulher precisa se gostar e ter atitude”, aconselha. Casada há treze anos, a dançarina conta que o marido gosta do aspecto natural do seu colo e rejeitaria um “peito de borracha”. “Se quero impressioná-lo, uso um bojo, uma camisola soltinha, mas aposto sempre nas costas abertas”, conta.
Hoje está tudo bem, mas nem sempre foi assim. Comparações com as amigas e questionamentos a respeito do corpo surgiram na adolescência, época de descobertas. Magra, Renata tinha inibições e esperava o dia em que começaria a usar sutiã, como todas as outras garotas. “Minhas primas, com menos idade, já tinham seios, e eu nada. Fui desenvolver com uns 17 anos”.
É natural que as garotas tenham ansiedade para desenvolver os seios. Nesse caso, o direcionamento deve ser dado por um médico consciente, como esclarece Sebastião Guerra, cirurgião plástico e presidente da SBCP: “Já me recusei inúmeras vezes a realizar este procedimento em pacientes muito jovens ou aquelas com mamas sem alterações estéticas, consideradas perfeitas”, diz o médico.
A projetista Luciana Monteiro, de 38 anos, passou pelos mesmos questionamentos de Renata. “Eu só usava sutiã porque o uniforme da escola era transparente, não porque eu precisava”, diz. A cirurgia plástica apareceu como uma oportunidade de melhorar a autoestima, mas logo a ideia foi abandonada. “Tem gente que muda de vida depois da transformação, melhora o trabalho, mas pra mim nunca foi importante. Minha mãe é instrumentadora de um cirurgião, já fez sete plásticas e eu até teria desconto, mas não quero mesmo”, conta.
Para a professora de inglês Juliana Brito, de 33 anos, a mulher fica mais delicada com os seios pequenos. “Basta uma roupa legal e um pouco de maquiagem para eu me sentir sexy. Adoro decote”, diz ela, que já sofreu pressão por parte de alguns homens: “Meus ex-namorados implicavam com o tamanho, mas com o tempo e a maturidade fui aprendendo a conviver com meus seios e admirá-los. Se for necessário, um dia ou outro, apelo aos maravilhosos sutiãs que existem no mercado e pronto”, finaliza.

Disponivel: http://www.midianews.com.br/?pg=noticias&cat=7&idnot=52856 acesso em 3 de junho

Pesquisa sobre os perigos da cirurgia plastica

Um estudo americano - Fat Redistribution Following Suction Lipectomy: Defense of Body Fat and Patterns of Restoration - publicado na revista Obesity, causou muito preocupação em quem está pensando em fazer uma lipoaspiração e certa apreensão em quem se submeteu ao procedimento, recentemente.

Isso porque os autores, pesquisadores da Universidade do Colorado, defendem que o procedimento pode reduzir a gordura de coxas e quadril, mas, com o tempo, a gordura retirada das coxas volta a se acumular na parte superior do abdome e nos braços.
De acordo com os estudiosos, que acompanharam 32 mulheres na faixa dos 36 anos, que tiveram suas circunferências corporais e percentuais de gorduras medidos, dois meses após a lipoaspiração, elas tinham perdido 2% de gordura e quase o mesmo em circunferência. Um ano depois, as medidas foram reavaliadas. A gordura total voltou aos índices originais, mas concentrada na parte superior do corpo.
Este tipo de resultado, segundo os pesquisadores americanos, não depende do cirurgião plástico ou de sua habilidade cirúrgica. Ele depende da "biologia da gordura". Os pesquisadores dizem não se surpreender com a volta da gordura, pois o corpo, "defende a sua gordura". Assim como na lipoaspiração, se você perder peso, mesmo fazendo dieta, ele voltará.



Resultados da lipoaspiração
Para o cirurgião plástico Ruben Penteado, diretor do Centro de Medicina Integrada, "a região lipoaspirada melhora o contorno corporal, por isso, se houver um aumento de peso, pequeno ou moderado, não ocorrerá perda do resultado. Por outro lado, se você ganhar muito peso, as células de gordura restantes começam a armazenar os excessos, uma vez que as células gordurosas aspiradas não voltam. Resumindo: o novo acúmulo de gordura só acontecerá se o paciente engordar. Portanto, aquele que se submete a uma lipoaspiração deve fazer sua parte: ou seja, manter ou até baixar, quando necessário, seu peso após uma lipoaspiração", explica.
A lipoaspiração é um procedimento destinado a remover apenas gorduras localizadas, como as que se encontram debaixo dos braços, nos quadris e na região abdominal. "É o tipo de gordura que dificilmente pode ser eliminado, mesmo com o auxílio de exercícios físicos e de uma nova dieta", explica o médico. Esta regra só se aplica aos pacientes adultos. Crianças, ainda que tenham acúmulo de gordura no corpo, a ponto de comprometer seu bem estar físico e psicológico, não devem se submeter à lipoaspiração. Já para os adolescentes, a lipoaspiração é mais aceita pelos médicos, contanto que o jovem operado não seja obeso.
Ruben Penteado explica que a partir de 10% a mais do peso ideal, os resultados da lipoaspiração não são tão satisfatórios. É importante entender que se trata de uma cirurgia de acerto de contornos e não deve ser encarada como um método para emagrecer. "Há um limite de gordura que pode ser retirado. Exercício e dieta são os caminhos para quem precisa eliminar o excesso de peso. De acordo com as normas do Conselho Federal de Medicina, não se pode passar de 7% do peso corporal do paciente na lipoaspiração úmida (com injeções de soluções líquidas) e 5% de retirada de gordura na lipoescultura a seco", diz o cirurgião plástico.
Este limite máximo de retirada de gordura varia acordo com cada paciente. "Mas, em geral, varia de 5 a 7% do peso corporal. O exagero pode debilitar o organismo porque junto com a gordura há também aspiração de sangue. É recomendável conversar com o cirurgião plástico, falando de suas expectativas e ouvindo a avaliação do profissional sobre o quanto pode ser removido do seu corpo", aconselha o diretor do Centro de Medicina Integrada (com MW-Consultoria de Comunicação).

Disponivel em:http://www.bonde.com.br/?id_bonde=1-27--19-20110603&tit=resultados+da+lipoaspiracao+sao+duradourosacesso em 3 de junho

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Britânica obriga marido a pagar plástica como condição para casar

Chesherie (Inglaterra) - A britânica Lisa Hind, de 25 anos, obrigou seu marido, Steve, de 46, a assinar um acordo pré nupcial no qual ele se compromete a pagar uma série de procedimentos cirúrgicos e tratamentos para que ela fique igual à modelo Katie Price - da qual é fã incondicional.
Lisa pretende ficar igual à modelo Katie Price, da qual é fã
Foto: Reprodução Internet.Desde que ficaram noivos, há quatro anos, Steve - que é um motorista de ônibus - já gastou cerca R$ 40 mil em cirurgias plásticas para a esposa. A lista de tratamentos diários de Lisa inclui bronzeamento artificial, injeções de botox, preenchimento de lábios, unhas de porcelana e apliques capilares.



Hoje, Steve é obrigado a fazer hora extra no trabalho para pagar todos os procedimentos exigidos pela esposa, que está desempregada. Lisa, por sua vez, passa o dia se embelezando e, há nove anos, faz bronzeamento artificial diariamente, sem se preocupar com os riscos de desenvolver câncer de pele.

"Eu daria tudo para melhorar minha aparência. O artificial é o novo natural. Eu sempre tiro a maquiagem antes de dormir e, por isso, tatuei sobrancelhas e contorno nos lábios e olhos para, caso eu seja levada ao hospital, estar preparada e bonita", contou.

Apesar das críticas, o marido garantiu que cada centavo gasto valeu a pena.

disponivell em /html/2011/5/britanica_obriga_marido_a_pagar_plastica_como_condicao_para_casar_168031.html acesso em 1 de junho

.

Você já entrou em consórcio para pagar tratamento estético?

A indústria da beleza seduz cada vez um número maior de pessoas e mesmo quem nunca pensou em fazer uma cirurgia plástica ou tratamento estético, diante dos apelos da mídia e do mercado por juventude eterna e aparência impecável, acaba aderindo à ideia de “umas melhorias”. O problema, porém, é o preço, geralmente salgado, a depender da intervenção.


Por isso, queremos saber: Você já optou por alguma modalidade de pagamento como consórcio, crédito pessoal ou parcelamento em diversas vezes para realizar cirurgias plásticas ou tratamentos estéticos? Se já aderiu a alguma dessas modalidades, conte sua história para nossa reportagem e diga se gostou do resultado, se de fato o parcelamento facilitou a realização do seu sonho ou só contribuiu para aumentar as dívidas. O investimento vale a pena para se sentir melhor com a própria aparência? Participe no fórum aqui do blog ou deixe seu email ou telefone (não serão divulgados) para nossa reportagem entrar em contato com você.

DISPONIVEL EM http://www.atarde.com.br/cidadaoreporter/?p=7537 ACESSO EM 1 DE JUNHO DE 2011

Chegamos a beleza em suaves prestações

Fashion Rio aposta em beleza adulta clean e faz uma "ode à elegância subversiva"

O conceito de beleza trabalhado pela Patachou, da estilista Erika Frade, exalta o ar de uma mulher adulta, sofisticada e resolvida, ao passo que a 2nd Floor, de Thiago Marcon, aposta numa maquiagem orgânica de jovens universitárias que pouco tem tempo de se maquiar.




“O que eu vejo é uma mulher sofisticada e contemporânea ao mesmo tempo. Ela não é uma garotinha, está entre os 30 anos, já madura e resolvida e não precisa usar peça justa para se autoafirmar”, disse ao UOL Erika Frade ao afirmar que o mesmo vale para a maquiagem utilizada num tom mais cru.



“A gente não queria interferência e sim fazer uma beleza limpa porque a roupa e os acessórios já estavam bem grandiosos. Eu trabalho com colorido das roupas, mas clean e formas que não sejam muito justas e que acompanhem o movimento, o andar da mulher porque trás uma sensualidade”, explicou a estilista da Patachou que aposta numa beleza feminina mais adulta e madura com um efeito bronzeado, e lábios cor nude amarronzado. Nos olhos, apenas uma correção sem sombra.



O penteado do cabelo preso também confere uma ideia de verão e de praticidade, segundo Erika. “’É a mulher que fez o rabo no cabelo e chegou para ver o mar e bateu o vento”.



Já a 2nd Floor, com Thiago Marcon assinando a marca, aposta numa beleza mais universitária, “de uma menina nos seus 20 anos”.



“Eu não digo moda teen, mas o target que eu penso é sempre uma menina universitária que tem uma bagagem legal para entender a roupa. A roupa da 2nd Floor trabalha com elementos lúdicos, é uma roupa que é sexy sem ser vulgar”, diz Thiago.



E a beleza segue a mesma linha ao trabalhar o penteado com uma trança apenas de um pedaço do rabo num coque junto com o rabo liso, deixando meio desfiado. “A gente está apostando na beleza natural da jovem. Moda hoje não é só roupa, ela foi para o corpo”, disse o estilista da 2nd Floor que também pensa a maquiagem para dar um ar de “sereia mais urbana”. “Como se estivesse saído do mar ou da água. E a sobrancelha levemente molhada com brilho e olho levemente dourado. Tem tudo a ver a marca vir para o Rio de Janeiro”, destacou.



Para expressar esse “look bem fresco”, a maquiadora Fabiana Gomes explica que o foco é a pele. “Uma maquiagem relativamente simples, a pele foi trabalhada de forma super natural, a ideia não é chamar a atenção. Eu chamo de uma ‘Ode à elegância subversiva’ em que a menina não dá muita bola para maquiagem”.



Fabiana conta que por trás da maquiagem “é uma menina que não tem muito tempo de se maquiar, nem gosta, não tem paciência e faz a maquiagem na rua, coisa rápida. Ela põe o batom (Mocha da Mac) com a ponta dos dedos e passa um iluminador nos olhos para dar um ar mais contemporâneo de vida corrida”.



Já nos olhos, um lápis de olho na linha d’água que dá um visual de frescor. “A ideia não era usar muitos elementos na maquiagem porque a roupa da 2nd Floor já tinha bastante cor e estampa”, disse Fabiana.



Uma sombra cremosa marrom em direção à sobrancelha, a mesma sombra na raiz dos cílios embaixo, um toque da sombra na pálpebra, cílios curvados e uma máscara de cílios transparente para “dar o efeito que saiu do banho”. Sobrancelha penteada para cima “até meio desleixada, não tem compromisso com a perfeição”.



A grife jovem aposta num verão “mais orgânico, leve, descomplicado e sem compromissos com a perfeição”, resume Fabiana Gomes.

disponivel:http://estilo.uol.com.br/beleza/ultimas-noticias/redacao/2011/05/31/fashion-rio-aposta-em-beleza-adulta-clean-e-faz-uma-ode-a-elegancia-subversiva.htmacesso em 1 de junho
ISTO É SUBVERTER A ORDEM DA BELEZA???

ONG explica campanha feminista com Cruzeiro, que vira destaque internacional

Ação é tida como a primeira de uma sequência de etapas de conscientização   João Vítor Marques /Superesportes  ,  Tiago Mattar /Superes...