sexta-feira, 31 de julho de 2009

NEM RONALDO ESCAPA DA TIRANIA DA BELEZA


O FENOMENO E O CORPO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!


Ronaldo isolado e mais leve

LANCEPRESS!A lipoaspiração a que Ronaldo se submeteu foi cercada de sigilo até mesmo para os médicos do Hospital São Luiz. Parte dos exames ocorreu à noite, afim de evitar o assédio da imprensa. O departamento de cardiologia, que acompanha normalmente os procedimentos desse tipo, não foi avisado. Um profissional de fora conduziu os trabalhos. A quantidade retirada foi de 930 gramas, cerca de um litro. O atacante e os diretores do Corinthians evitaram comentários a respeito da cirurgia.
blog Além do Jogo, o blog do Marcelo Damato http://www.lancenet.com.br/noticias/09-07-31/590478.stm?corinhians-ronaldo-isolado-e-mais-leve

SERÁ QUE AGORA O INTERESSE DA LIPOASPIRAÇÃO MASCULINA CRESCER ???AFINAL SE O FENOMENO PODE, O QUE DIRÃO OS SIMPLES ANONIMOS...

Cirurgias Plástica? assistência de um psicólogo!!




Em tempos nos quais a abordagem médica deve ser cada vez mais integral, equipes multidisciplinares integram o corpo clínico dos serviços com foco na estética. "Investir em uma lipoaspiração e manter o sedentarismo e uma dieta não balanceada tende a levar a resultados pouco satisfatórios e provisórios", esclarece Cristiano Fleury, da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.




O especialista, que comanda em Brasília um centro que leva seu nome, optou pela assistência ampla, com a participação de psicólogo, nutricionistas, nutrólogo, fisioterapeuta e incentivo à prática esportiva. "Com isso, o paciente torna-se mais consciente de seu papel e o procedimento mostra resultados melhores e mais duradouros", comenta. A novidade começa na consulta inicial que pode, de acordo com cada caso e com a demanda do paciente, contar com acompanhamento psicológico. "É importante compreender o fator que mobiliza o indivíduo na busca pelo procedimento. Alguns pacientes podem vivenciar distúrbios de percepção do próprio corpo, muitas vezes pressionados pelos excessos da mídia”, conta Fleury. “Há ainda, aqueles que buscam um ganho secundário a partir da cirurgia - como uma promoção ou o sucesso afetivo. A atuação do psicólogo é de suma importância nesses quadros", explica o profissional. Uma vez confirmada a indicação, a nutrição atua como importante aliada para os resultados dos procedimentos corporais. É fato que uma alimentação equilibrada é imprescindível tanto no preparo do paciente, quanto na fase pós-cirúrgica. "Todos desejam mudanças de longa duração", comenta o médico. Ele vai além: "É preciso lembrar que a cirurgia plástica não trata a obesidade, sendo uma boa opção para o tratamento da gordura localizada". O médico lembra também, da importância da atividade física regular para a beleza e, especialmente, para a saúde.




vamos repensar os excessosssssssssssssssssssssssss

OS FAMOSOS TAMBÉM SOFREM DE TRANSTORNOS ALIM ENTARES


Madonna pode sofrer de vigorexia
Distúrbio faz vítima se submeter a programa de exercícios excessivo
POR DANIELA DARIANO, RIO DE JANEIRO


Rio - A imagem ‘pele e músculo’ da cantora Madonna, 50 anos, na saída de um restaurante em Londres, deu o que falar. Especialistas levantam a hipótese de vigorexia, comportamento obsessivo que faz a vítima se submeter a exercícios físicos excessivos em busca de uma imagem inalcançável.
Madonna parece não ter mais gordura no corpo de tanto malhar
“A vigorexia é distúrbio comportamental, como bulimia e anorexia”, observa o médico de esporte do Comitê Olímpico Brasileiro, João Olyntho Machado Neto. O jornal inglês ‘Daily Mail’ disse que Madonna tem exagerado na musculação e na dieta: ela malharia horas por dia, seis vezes na semana. O ‘body builder’ Mário Gomes explica que exercícios pesados podem causar degeneração celular. “Não sabemos o treinamento de Madonna, mas supomos que ela esteja bem assessorada”, observa.
Para a
endocrinologista Simone Polonine, a cantora pode estar saudável. Mas a médica admite: “Ela não tem gordura. Parece um atlas de anatomia”. Níveis baixos de gordura numa mulher de 50 anos podem antecipar a menopausa e causar problemas ósseos, alerta João Olyntho. “Pode haver comprometimento psicossocial. Tem quem deixe de ir a funeral de parente para malhar”, conta.A dançarina Gracyanne Barbosa reconhece que é difícil parar. “Gosto de estar sarada e me perco. Tenho personal que diz se estou malhando demais o braço”, fala. A atriz Claudia Ohana já sofreu lesões com treinamento: “Mas estou longe de ser a Madonna. Acho o corpo dela um pouco exagerado. Não quer dizer que não a admire e não a inveje.”

questões sobre anorexia e bulemia.




1) O que leva uma pessoa a tornar-se bulímica ou anoréxica?As vezes pode ser difícil identificar com precisão o que leva uma pessoa a tornar-se bulímica ou anoréxica. Não só nesse caso, mas na grande maioria dos transtornos comportamentais, vamos encontrar essa dificuldade. O que sabemos, é que normalmente encontraremos a presença de três elementos básicos: Os fatores predisponentes (que vão identificar a possibilidade de desencadear esse ou aquele transtorno, normalmente ligados a predisposição genética), os fatores desencadeantes ( identificados na presença de um trauma ou um evento marcante que claramente definiu o início da doença) e os fatores psicológicos (no caso da bulimia e anorexia, normalmente ligados à preocupações exageradas em relação a forma física, incrementados pelas exigências da mídia que cultua formas magras e a uma baixa auto-estima desses indivíduos).
2) Toda pessoa que tem bulimia ou anorexia é magra?No caso da anorexia sim, já que essa tem seus critérios diagnósticos baseados em alguns fatores que incluem a perda ponderal importante como exigência para se firmar o mesmo. Em relação à bulimia nem sempre isso ocorre. Nesse caso, o que temos é um processo compulsivo de tentar expurgar (através de vômitos provocados, uso de laxantes ou exercícios exagerados) um possível excesso alimentar.No entanto, nem sempre tal fato é acompanhado de uma perda ponderal importante, mas sempre estará ligado à vontade de perder peso ou de não aumentar o peso existente. Concluindo: Até mesmo alguém que esteja acima do peso mas que, por várias vezes por semana, provoca vômitos no intuito de se livrar da alimentação ingerida, é considerada bulímica.
3) A bulimia pode levar a um quadro de anorexia?De fato uma pessoa bulímica pode tornar-se anoréxica. Quando um bulímico passa a ter uma progressiva preocupação com a imagem corporal, pode desenvolver dietas restritivas radicais e, consequentemente, alterações físicas que vão caracterizá-lo como anoréxico.
4) Existe anorexia com bulimia?Sim, pode existir. Encontramos quadros clássicos de anorexia, com baixíssima ingestão alimentar, e que, apesar disso, realizam atos expurgatórios toda vez que entendem que “passaram” do limite desejável.
5) Porque as pessoas demoram tanto tempo para procurar tratamento?Por vários fatores: Desinformação, vergonha, preconceito; mas principalmente por não se sentirem realmente doentes. Muitos consideram seus atos expurgatórios, vômitos provocados etc., como um método válido de manutenção de seu peso, nos casos dos bulímicos. Na anorexia encontramos por parte destes, a crença de que ainda estão acima do peso desejável, e por isso acabam rejeitando qualquer forma de tratamento que os façam ganhar mais algum peso.
6) É possível identificar uma tendência à anorexia antes que ela esteja instalada?Costuma-se dizer que nada começa de repente. Normalmente podemos identificar uma preocupação exagerada com a forma física, estando esta como principal objeto de suas vidas e de seus anseios. É também comum observarmos, antes do quadro instalado, uma sucessão de dietas e práticas descontroladas na tentativa de se perder peso. Além disso, podemos notar um culto a artistas, famosos e até mesmo amigos que possuam formas esquálidas.
7) Um jovem que tenha uma vida saudável pode em um determinado momento desenvolver uma bulimia ou anorexia?Sim. Algumas dietas exageradas, o desejo de se tornar cada vez mais magro, o medo da rejeição social, podem aos poucos ir desenvolvendo nestes um desejo de emagrecimento, que pode num determinado ponto sair do controle e desenvolver um transtorno alimentar. Existem casos de atores que desenvolveram o transtorno após atuarem em papéis em que lhes foram exigidos uma perda ponderal importante em um curto espaço de tempo.
Existem exames que possam ajudar a detectar se realmente estamos diante de uma anorexia ou de uma bulimia?Mais uma vez vale o velho ditado médico que diz : A clínica é soberana. O aspecto comportamental e a avaliação física e nutricional são de fundamental importância. No entanto, alguns exames são de grande relevância, incluindo hemograma, dosagem hormonal, além de outros que podem identificar um déficit nutricional ocasionado pela abstinência alimentar. Outro exame que pode ser importante é a cintilografia de perfusão cerebral, que analisa áreas do cérebro que podem estar afetadas, dando um perfil do seu comprometimento, bem como da existência de alterações paralelas.
9) Podemos dizer que todo indivíduo que está bem abaixo do peso ideal é anoréxico?De forma alguma. Temos que entender que a anorexia compreende uma alteração comportamental em que estará presente um desejo consciente de realizar uma restrição alimentar radical, baseada na distorção da imagem corporal, ou seja: Por mais que a pessoa esteja magra, ela não se vê como tal. Além disso, é de fundamental importância que se estabeleça uma avaliação que exclua outras doenças.
10) Que tipo de doenças seriam?Principalmente as doenças consuptivas como neoplasias, tuberculoses, AIDS, tumores cerebrais etc.; além de diabetes e outras patologias endocrinológicas.
Fonte: Elson Mota
www.medicinadocomportamento.com.br

DIVULGUEM PARA OS CONHECIDOS. AGURADO COMENTÁRIOS

sexta-feira, 17 de julho de 2009

É IMPORTANTE SABER MAIS SOBRE VIGOREXIA OU ANOREXIA REVERSA


COPIO AQUI UMA NOTICIA ENCONTRADA NO JORNAL A HORA ON LINE COM A PROFA. EDNA VIETTA - ESPECIALISTA NO ASSUNTO


O QUE SE PENSAVA QUE MUITOS SE PREOCUPAM EM DIVULGAR O ASSUNTO. COMENTEM!!!

Por Profa. Dra. Edna Paciência Vietta
É bastante conhecido o fato de que Transtornos Mentais e sintomas de natureza emocional evoluem e se modificam ao longo dos tempos tomando características diferentes nas diversas culturas, mostrando-se sensíveis às transformações sócio-culturais. Enquanto na época de Freud predominava a Histeria, cuja manifestação ocorria sob a influência da sociedade repressiva do final do século XIX, onde a ordem geral era a implacável e feroz repressão da sexualidade, conduzida por uma moralidade hipócrita e artificial, implacável e feroz, hoje são comuns as compulsões ou Transtornos Alimentares (Anorexia, Bulimia), os Transtornos de Ansiedade, as Fobias, o Pânico, o Transtorno Bipolar, o Transtorno Obsessivo Compulsivo, sob a influência das sociedades modernas. A escravização que as pessoas das sociedades civilizadas se submetem aos padrões de beleza tem sido um dos fatores sócio-culturais associados ao incremento da incidência dos Transtornos Dismórficos, sejam Corporais (associados à Anorexia e Bulimia) ou Musculares (Vigorexia). A Anorexia, doença que se caracteriza pela recusa à alimentação por medo de engordar, e a Bulimia, na qual a pessoa provoca o próprio vômito. Atingem principalmente as mulheres: 90% dos pacientes são meninas entre 12 e 18 anos. A tentativa de controle do corpo da mulher, que antes se dava através da repressão a traços tidos como naturais, a obrigação de ser meiga, doce, delicada, hoje aparece na imposição estética de beleza e magreza. Controlar o corpo da mulher é também moldar seu comportamento. Um dos efeitos mais perverso disto tudo é o rebaixamento do nível de auto-estima e a desvalorização da singularidade, individualidade e identidade da mulher. A Vigorexia, comportamento que atinge homens e mulheres surge no contexto de uma sociedade consumista, competitiva, na qual o culto à imagem acaba adquirindo, praticamente, a categoria de religião (na conotação fanatismo), é talvez, uma das mais recentes patologias emocionais, ainda não catalogada como doença específica pelos manuais de classificação (CID 10 e DSM. IV). Os vigoréxicos são praticantes inveterados de esportes e ginásticas que se dedicam ao desempenho corporal, sem levar em conta as condições físicas, chegando mesmo a sentirem-se culpados, quando não podem exercitar de forma ritualística ou compulsivamente tais atividades.Este distúrbio, comum em homens, às vezes, confundido com simples excesso de vaidade, advém do controle exagerado do crescimento da massa muscular provocada por exercícios constantes e contínuos ou por utilização, muitas vezes inconseqüentes de esteróides anabolizantes, ainda, por obsessão pelo visual fisiculturista, e por uma espécie de narcisismo, mania de admirar-se diante do espelho, esforço para alcançar a perfeição física, dentro de um padrão do tipo Silvester Stallone.Tanto na Anorexia quanto na Vigorexia as pessoas buscam a imagem perfeita, segundo padrões ditados pela televisão, cinema, revistas, passarelas de moda e pela ambição ou ilusão de galgar prestígio, fama, aceitação, reconhecimento, etc.Em 1993, o psiquiatra americano Harrison Pope, professor da Faculdade de Medicina de Harvard, Massachusetts denominou a doença como Anorexia Reversa ou Síndrome de Adônis (personalidade mitológico de grande beleza). Segundo Pope, o Transtorno tem certos aspectos comuns com a Anorexia: auto-imagem distorcida, fatores sócio-culturais, automedicação e idade de aparição (entre 18 e 35 anos). Ambas promovem a distorção da imagem que os seus portadores têm sobre si mesmos. A diferença é que enquanto os anoréxicos nunca se acham suficientemente magros, os Vigoréxicos nunca se acham suficientemente fortes e musculosos. Ter um corpo é ter uma identidade. Alterá-lo para agradar aos outros, sobretudo, para atender a expectativas criadas pela própria indústria da estética, é uma forma de ser menos dono de si mesmo. A melhor solução é a prevenção, orientação e detecção precoce.
Profa. Dra. Edna Paciência Vietta - Profa. Dra. Edna Paciência Vietta

PARA QUEM GOSTA... UM POUICO DA HISTORIA DA PROPAGANDA FEMININA...

É IMPORTANTE LEMBRAR QUE A PROPAGANDA RECONTA NOSSA HISTÓRIA.

VEJAM O IMPORTANTE TRABALHJO DE JAIME TROIANO E CECILIA RUSSO PUBLICADO NO PORTAL DO MARKETING http://www.mundodomarketing.com.br/11,3616,marcas-de-mulher-45-anos-de-propaganda-feminina-em-revista.htm


Marcas de Mulher: 45 anos de propaganda feminina em revista
Muitas vezes, nós olhamos diretamente para o futuro, em busca de tendências para orientar nossos negócios. Recentemente, a Troiano tomou a iniciativa e investiu na realização de um projeto, olhando para trás.
Por Jaime Troiano, do Mundo do Marketing
11/10/2006
mkt@mundodomarketing.com.brCecília Russo*
Muitas vezes, nós olhamos diretamente para o futuro, em busca de tendências para orientar nossos negócios. Recentemente, a Troiano tomou a iniciativa e investiu na realização de um projeto, olhando para trás.
Para ser mais precisa, 45 anos para trás! Trata-se do trabalho . Ele foi conduzido neste segundo semestre de 2006 com o importantíssimo apoio da Editora Abril que nos deu acesso a todas as edições da revista Cláudia, desde sua primeira edição em outubro de 1961. Aliás, Claudia completa 45 neste mês de outubro e ela foi a fonte de uma cuidadosa análise sobre a evolução do tratamento da mulher-consumidora em revistas. Além disso, os resultados do trabalho da Troiano acabou de ser apresentado na XVI edição do Maximídia do Meio&Mensagem, em São Paulo. Analisamos o que aconteceu em 4 categorias de negócios: alimentação, beleza, moda e serviços financeiros.
Este mergulho no passado não foi um exercício de pura nostalgia. Ele ajuda a iluminar o caminho daqui para o futuro. E aqui estão 4 idéias que nos levam de volta para para o futuro a partir do mergulho nesses 45 anos de história:
1. Ao longo de 45 anos, nós mulheres temos vivido este complexo processo de crescente liberação da sexualidade e os anúncios que analisamos mostram bem isso. Mas, simultaneamente, temos encarado também um processo de aprisionamento do apetite. Liberdades comportamentais foram conquistadas, multiplicando as formas de inserção social. Ao mesmo tempo, a indulgência da alimentação tem nos patrulhado, particularmente nas classes A/B. Mulheres nunca foram tão magras, mas nunca se sentiram tão gordas. Julgamos que a propaganda não deva estimular ainda mais esse processo de patrulhamento, além de limites que podem ser considerados razoáveis. Esta é a primeira mensagem que eu gostaria de deixar.
2. Ninguém nega: propaganda não é o agente, mas, principalmente, o sujeito de mudanças na sociedade. Ao longo desses 45 anos ela espelhou com relativa correção as evoluções comportamentais e de valores das mulheres em nosso mercado. Sempre com um natural delay, é lógico, em relação a essas evoluções e mudanças. Há casos em que o delay é muito maior e, em outros, é pequeno. Diante disso, a oportunidade que anunciantes e suas agências não deveriam ignorar é como tornar o delay o tanto menor quanto possível para suas marcas. E existe somente um método para isso. Existe apenas um dispositivo “anti-delay”, digamos assim. E qual é ele? Simplificando, é o seguinte: Fale com ela! Isso mesmo, fale com ela, fale com sua consumidora. Crie conexões íntimas e permanentes com as consumidoras. Acompanhe, conviva, ouça, vivencie, siga seus passos, entre em sua casa, entre em sua vida e procure entender, a cada momento, para onde apontam suas aspirações e como bate seu coração. Seja um voyeur, enfim!
3. A terceira mensagem. Temos 45 anos de testemunhos da história em nossas mãos. Não vamos jogar isto fora, certo? O acompanhamento que realizamos mostrou que marcas que perderam sua consistência ou que viveram de impactos apenas fugazes, de brilhareco, não resistiram ao tempo. Marcas que se preocuparam em inflar ao invés de construir foram somente uma cauda sem o cometa. Apenas brilho passageiro. Manter a consistência e resistir aos imediatismos é o que criou, construiu e desenvolveu as marcas fortes que permaneceram na Cláudia e em outros veículos até hoje. 45 de história são ótimos para revelar o que, de fato, é sólido e o que é apenas espuma.
4. Propaganda nunca foi, não é e nunca será um retrato da consumidora! O que nós vimos nestes 45 anos foram centenas de exemplos de, vamos dizer assim, projetos aspiracionais. Alimentos que vão deixar minha família mais feliz; cremes que vão fazer minha pele mais atraente; roupas que vão definir melhor meu estilo etc, etc, etc. A consumidora não quer ver na propaganda o ela já é hoje. Ela não ver a si mesma. Ela quer um trampolim para seu ideal self, para o eu que ela idealiza para si. Propaganda é um combustível da economia. O dia em que ela se transformar apenas num retrato, adeus seu poder mobilizador. Porque ela terá perdido a capacidade de conduzir a consumidora em direção às coisas que ela quer conquistar e aos sonhos que ela quer realizar. Ela terá perdido sua virtude mais valiosa: impulsionar os negócios. E acho que todos vocês torcem para que isso nunca aconteça.
Teremos mais outros tantos 45 anos de propaganda pela frente. O que aprendemos olhando para trás não pode ser apagado. As conexões que a comunicação pode estabelecer entre consumidores e marcas podem se alimentar enormemente dessas “lições de história”. Olhar para trás é um sinal de humildade e sabedoria.

domingo, 12 de julho de 2009


Nova York faz a primeira semana de moda para mulheres gordas
Modelos desfilam com manequins maiores que 44. Nessa passarela, Gisele não entra
Fernanda Colavitti

ROSA-SHOCKING Modelo exibe vestido da coleção de verão. Nos EUA são 40 milhões de mulheres acima do peso
As gordinhas tiveram sua revanche no final do mês passado: ganharam uma semana de moda só para elas e dominaram uma passarela na qual estavam vetados manequins menores que 44. Após cinco anos de negociações e preparativos, a cidade de Nova York sediou o primeiro Full Figured Fashion Week da história (em dialeto politicamente correto, isso significa Semana de Moda para Gordos). Foram três dias de desfiles e debates sobre o presente e o futuro da indústria da moda GG, da qual participaram estilistas, profissionais de marketing e um curvilíneo e antenado público feminino, cansado das roupas caretas que costumam encontrar nas lojas para seu manequim.
Foi graças à mobilização desse grupo de mulheres, as chamadas “fatshionistas” (trocadilho com as palavras fat, que significa gordo em inglês, e fashionistas, pessoas ligadas em moda), que o evento finalmente saiu do papel, organizado pela empresária e ex-modelo plus size Gwendolyn DeVoe. “Não entendo por que as pessoas acham que não ligamos para moda. Compramos tantas roupas quanto – ou ainda mais do que – as magrinhas”, diz. São 40 milhões de mulheres acima do peso apenas nos Estados Unidos, que gastam US$ 25 bilhões por ano em roupas, um quarto da venda total do produto naquele país, segundo a American Demographics. De olho nesse filão mal explorado, a indústria de moda plus size americana começa a dar os primeiros sinais de expansão. Algumas grifes de moda jovem como a GAP e a Forever 21 acabam de lançar suas linhas extragrandes. E a própria Fashion Week para gordinhas também dá sinal de um interesse crescente nesse rechonchudo mercado.
No Brasil, onde 40% das mulheres estão acima do peso e 13% são obesas, as que vestem manequim acima de 42 têm a mesma dificuldade que as americanas. Para comprar roupas que não se pareçam com as de suas avós, precisam recorrer a lojas específicas, que ainda são poucas e mais caras que as que vendem o tamanho padrão. E quase ninguém fica sabendo que essas grifes existem, devido à falta de divulgação. Esse foi um dos motivos pelos quais a consultora de marketing Renata Poskus, de 26 anos e manequim 44/46, resolveu criar o blog Mulherão, no qual divulga marcas plus size descoladas e dá dicas de estilo e moda para as garotas curvilíneas. “Se eu entrar em uma loja de departamento onde as outras meninas de minha idade entram, não encontro nada”, diz ela. A modelo plus size Mayara Russi Alves, de 20 anos, manequim 48/50, também acha que a oferta de moda para gordinhas está melhorando, o que já se reflete em sua profissão. “Quando comecei como modelo, há cinco anos, fazia um ou dois trabalhos por mês. Atualmente faço seis”, afirma.
Tanto Renata quanto Mayara concordam que o mercado ainda precisa melhorar muito para satisfazer esse público – o que não deve ocorrer tão cedo. A consultora de moda Eloysa Simão diz que a indústria de moda brasileira não se interessa por esse setor porque teme incentivar a obesidade, que é um problema de saúde pública. A mesma indústria, porém, abraça a magreza doentia das modelos, que faz propaganda da anorexia. Outra consultora de moda, Andréia Miron, diz que o problema é mais prático: “A indústria de moda quer vender sonhos e estereótipos desejados pelas pessoas. Como o ideal estético atualmente é a magreza, há motivo para a resistência aos tamanhos maiores”.

E ai . As mulhres não tem só um padrão....

sexta-feira, 10 de julho de 2009


Mesmo não sendo fã ou seguidora da obra de Michal Jakson, faço questão que todos leiam este texto... traduz muito do que é a sociedade do espetáculo.

que tem no discurso midiático o centro da mensagem..

Encontrei esta pérola no site

http://www.vermelho.org.br/base.asp?texto=59450 em 10 de julho ; o texto é de

*Toni C., DJ e produtor. Autor do vídeo documentario "É Tudo Nosso! O Hip-Hop Fazendo História", organizador do livro "Hip-Hop a Lápis" e membro da Nação Hip-Hop Brasil e da equipe do Portal Vermelho.

Ouvi a notícia da morte de Michael Jackson no mesmo lugar onde há sete anos recebia outra notícia subita, a morte de Sabotage. Na capital gaúcha do Rio Grande do Sul, na primeira vez, foi participando do Fórum Social Mundial, desta, da Feira Internacional de Software Livre, numa gelada noite daquela quinta-feira. Estava num quarto de hotel saltando de pensamentos e de canal em canal na TV, quando vi imagens de Michael Jackson com algum repórter falando e fui me dando conta. Caramba! Michael Jackson morreu! - Mas Michael Jackson morre? - pensei.
DangerousO maior artista pop de todos os tempos. Era uma espécie de semi-deus. Sei que dividia opiniões, entre perseguidores implacáveis e fãn-náticos ardorosos. O que me parece impossível, é alguém se manter indiferente ao rei do pop.

O rap nacional por exemplo, tem influência direta de Michael Jackson. Seja na linha ''ABC'' da primeira fase do cantor semelhante aos melôs e as rimas descontraídas de Pepeu, MC Jack e Sampa Crew.
''E a professora perguntava A, E, I, O, U...'' (Sampa Crew)
Ou na linha ''Bad'' com o rap sério de denúncia com cara de mau.
Sabe a música Juri Racional? Se você conhece Racionais Mc's pela Transamérica ou MTV é claro que não conhece. Mas foi uma música gravada no disco Raio X do Brasil, em 1992. Na época um amigo de escola me perguntou:
- Toni, os Racionais está falando nessa música do Michael Jackson, não é?
''Se soubessem o valor que nossa raça tem.Tingia a palma da mão, pra ser escura também.Nosso juri é racional, não falha.Porque?Não somos fã de canalha.'' (Racionais Mc's)
O rei bebeu cicuta Para o escritor Gay Talese, a imprensa é o assassino de Michael Jackson, ''A autópsia vai apontar ataque cardíaco ou qualquer outra versão oficial. Mas ele vinha morrendo aos poucos há cinco anos, graças à humilhação imposta pelo desserviço de alguns jornalistas, aqueles que noticiaram como verdadeiras as declarações de pessoas que teriam sido abusadas por Michael Jackson.''

Sua autópsia foi feita em vida, como definiu Amir Labaki.

Falar mal das pessoas é talvez a maior epidemia humana, tão contagiante quanto bocejar e mais irresistível que se coçar. Falar mal de Michael Jackson tem mais uma vantagem considerável. Por mais que falemos, ele nunca baterá na nossa porta pra fazer um barraco.

Existe uma espécie de anístia instantânea que é própria aos mortos. Onde preferimos guardar, criar e acentuar os traços bons enquanto os atos falhos são atenuados, esquecidos. Até nisso Michael Jackson parece único. Sua morte segue seu estilo misterioso. E quebra sua biográfia em duas partes difíceis de juntar, de um lado o artista genial que provocava cartase coletiva e do outro as polêmicas de um criminoso com insanidade mental que deveria estar preso.

Descobri que é mais fácil ser fã de Michael Jackson morto do que com ele em vida, pois assim sabemos que não seremos supreendidos por nenhuma bizarrice.
Você já viu Moowalker com palavras?Poderia tentar compensar falando de doações para entidades e projetos como o We Are The World, destinado a atenuar a fome na África, mas ainda assim estaria no campo do culto a personalidade. Prefiro no lugar mostrar um Michael Jackson que a mídia não mostra. Nem o mocinho nem o bandido, mas o rapaz comum.

Black or Whyte?- O cara trocou a cor da pele dele. Ficou branco. - É uma das grandes polêmicas que cerca o rei do pop. Até parece que trocar o visual que temos, para adotar outro novinho em folha e melhor aceito, não é tão comum quanto tingir ou alisar o cabelo. Alguém pode me dizer: ''Tá bom, mas tingir o cabelo não é o mesmo que trocar a cor de pele.'' É verdade, a diferença é que ainda não conseguimos compra na perfumaria do bairro uma tintura para trocar a cor da pele.
Apesar disso, já vivemos num país recordistas de cirurgia plástica estética, onde meninas adolescentes morrem de anorexia para ter o corpo ''perfeito''. Com bronzeamento artificial a todo vapor nas clínicas de estética, apesar dos riscos de câncer de pele e mortes em seções de lipoaspiração se tornam cada vez mais comuns, e as academias estão lotadas de valentões se entupindo de esteróides e anabolizantes.
Jackson FiveOutros dizem que ele carregava um trauma de infância, por apanhar do pai que tratava todos os seus irmãos de maneira rígida impondo um regime de ensaios que ia até à exaustão. Como se o trabalho infantil não fosse uma realidade presente em todos cruzamentos das cidades, com garotos vendendo balas, fazendo malabaris, pegando bolsas emprestadas das senhoras. Ou mesmo pais de famílias tradicionais e mais afortunadas, que obrigam os filhos a seguir suas profissões indiferente da opinião pessoal e felicidade dos filhos.
ThrillerTambém é recorrente as especulações sobre a ''frágil saúde'', do cantor, evidenciada por mascaras de respiração, balões de oxigénio nos shows e dependência de fortes medicamentos. Esta até o momento que escrevo este artigo é a mais provável causa de sua morte.
Simultâneo as especulações entra em vigor a lei que proíbe fumar cigarros em locais fechados (em locais fechados? é preciso lei?) Também é polêmico a taxa de alcool no sangue para um motorista ser considerado embreagado. Vamos continuar acompanhando todos os detalhes da autópsia hollywoodiana de Michael Jackson e ignorar a epidemia de crack em nosso país. Vamos continuar pedindo a legalização da maconha e continuar nos auto medicando na próxima dor de cabeça, quando tivermos insônia ou tomar um comprimidinho azul com catuaba se falharmos na hora H, é claro seguido de explicações: ''- Isso nunca me aconteceu antes!''
The Girl is MineA mais grave acusação que pesa sobre cantor é de abuso sexual com crianças. Façamos de conta que a exploração e o abuso sexual infantil não está presente em todos os grandes centros, cometidos muitas vezes por familiares. É mais fácil chamar este grave problema por um nome mais pomposo ''pedofilia'' sem essa de dizer que o culpado disto tudo é a miséria, seja ela econômica ou moral, isso é discurso engajado. Vamos declarar como culpado Michael Jackson e a internet e devemos censurar ambos.
Go To Be ThereQuando esteve no Brasil, subiu o morro, no Pelorinho na Bahia e Dona Marta no Rio de Janeiro com o peito aberto. Caiu no samba, literalmente. Até nisso podemos fazer um paralelo e percebê-lo mais comum do que parece, como qualquer gringo que perde a linha no carnaval brasileiro.
JAMVocê já se perguntou? Como o astro maior da milionária indústria do entertenimento, fez sucesso dos cinco aos cinquenta anos, bateu todos os recordes de vendagem, ganhou prêmios, se tornou a pessoa mais conhecida do planeta e deixou como herança para seus filhos uma milionária dívida?
Off The Wall (street)É verdade que dinheiro não trás felicidade. Como repetiu inúmeras vezes Ana Maria Braga em seu programa, para dizer que ele tinha um e não o outro. Apesar de nunca ter vísto Ana Maria abrir mão de seu dinheiro pra ser feliz. Isso serve mais uma vez para acusar Michael Jackson de excêntrico. Como por ter adquirido e ter de desfazer de um parque de diversões, para pagar dívidas.
Engraçado que isso para mim soa mais comum do que parece. Como qualquer pessoa que tem emprego, salário razoável e estoura o cartão de crédito e se afoga em dívidas eternas. Ou as grandes empresas que após baterem recordes de produção simplesmente abrem falência, são sólidas e desmancham no ar. A Chevrolet, por exemplo, já foi considerada a maior empresa do planeta só não faliu porque foi comprada pelo estado americano. E o próprio todo poderoso Estados Unidos, a maior nação do planeta, como pode entrar em colapso e criar uma crise global?

Éh! Desculpe-me informar, mas para mim, Michael Jackson, somos todos nós.
No DivãSe Sigmon Freud o pai da psicanálise estivesse vivo, aposto que mudaria o conceito de subconsciência e o apresentaria assim: Ego, Super-ego e Michael Jackson.
O que fizemos com Michael Jackson? Será que fomos justo com alguém que emocionou um planeta inteiro com passos geniais e música de amor e esperança? Que civilização esquisita e atrasada, hábeis em criar e destruir seus próprios ídolos, dirão nossos netos num futuro recente.

Quem não gostaria de viajar ao redor do mundo? Jogar basquet com Jordan? Tocar guitarra com Slash? Dançar como Fred Astaire? Flutuar como Coperfild? Casar com a filha do rei? Frequentar as festas mais badaladas? Ser o centro das atenções? Alcançar o desempenho máximo naquilo que faz? Ganhar prêmios de baciada? (...) Quem?

Tenho a impressão que toda a humanidade fica pior quando surge um Hittler ou quando jogamos bombas nucleares em Nagazaki. Nos tornamos melhores quando revelamos pessoas como Ghandi ou Martin Luter King. Mas e Michael Jackson? Negro ou branco? Mocinho ou bandido? Louco ou gênio? Já pensou que loucura se acordássemos num belo dia e descobríssemos que somos todos excêntricos e Michael Jackson é que foi humano!?
A EstrelaMichael Jackson foi uma verdadeira estrela, viveu como estrela e na hora que qualquer mortal vira estrela, Michael Jackson não deixou por menos. Virou estrela.

De um mestre a outro n'A hora da Estrela, Clarice Linspector: ''Não vos assusteis, morrer é um instante, passa logo, eu sei porque acabo de morrer com a moça. Desculpai-me esta morte. É que não pude evitá-la, a gente aceita tudo porque já beijou a parede.''

O réu culpadoSobre a música dos Racionais Mc's, nunca soube quem é o réu do Juri Racional. Mas me parece que Michael Jackson, foi mesmo mais um, só mais um, Negro Drama. Que viveu intensamente entre o mais estrondoso sucesso e a profunda lama. Teve sua identidade violada, foi ridicularizado, seduzido, enganado e assassinado por este sistema falido.

Descanse em paz, pra quem vai.Pra quem fica, luta.Who's bad?

quarta-feira, 8 de julho de 2009

mais uma materia sobre anorexia



06/07/2009 http://flaviascavone.blogspot.com/2009/07/transtorno-alimentar.htmlale Vale a pena repicar esta notícia. A sociedade precisa refletir sobre o assunto

Anorexia Nervosa
*A anorexia nervosa é um transtorno alimentar caracterizado pelo medo excessivo de ganhar peso, a recusa em manter o peso no nível considerado normal e uma grave distorção da imagem corporal fazendo com que a pessoa sinta-se gorda e muito insatisfeita com o seu corpo. Diferente dos casos de anorexia, onde a pessoa não sente fome e perde peso por outros problemas de saúde, na anorexia nervosa a pessoa sente fome mas busca controlá-la com o objetivo de perder peso.Normalmente a anorexia aparece no período da puberdade/adolescência (dos 13 aos 18 anos) tendo o seu início associado a uma situação de estresse. Tem uma prevalência de 1% na população sendo que a maioria dos casos (por volta de 90%) é do sexo feminino. Esses valores são discutidos atualmente, pois observa-se um número crescente de homens com transtorno alimentar.O tratamento da anorexia nervosa deve ser realizado por uma equipe multidisciplinar especializada composta de clínico geral ou endocrinologista, psiquiatra, psicólogo e nutricionista. Mas antes de qualquer tratamento, a pessoa que sofre de anorexia precisa ser retirada do risco de vida, já que esse transtorno pode acarretar em morte, principalmente por condições relacionadas com a inanição.É muito importante que os familiares fiquem atentos aos sinais da doença como a recusa por se alimentar, a perda acentuada de peso e a obsessão pelo emagrecimento. Pessoas que estão relacionados com atividades que exigem a magreza (ginastas, bailarinos, modelos) tendem a apresentar mais o distúrbio do que as outras pessoas.Um jovem que está insatisfeito com o seu peso pode, após iniciar uma dieta, sentir-se bem com o emagrecimento pois recebe elogios, chama mais atenção e sente que tem controle sobre a própria vida.Isso faz com que a perda de peso continue a ser buscada já que proporcionou um ganho psicológico.A sensação de insatisfação consigo mesmo está diretamente ligada a esse transtorno. Muitos jovens que apresentam anorexia possuem um perfil perfeccionista, com um alto grau de exigência em relação a si mesmo. A busca pela perfeição aparece em várias áreas da vida, nos estudos, nos esportes, no trabalho e com o próprio corpo. A auto estima, o valor que atribui a si mesmo, normalmente é muito baixo, o que o faz buscar essas modificações corporais.Em uma cultura como a nossa, que valoriza o corpo magro e o associa com a beleza e o sucesso pode estimular uma feriado psicológica a se manifestar na forma de um transtorno alimentar. Alguém que está passando por uma fase difícil, de pressões ou conflitos emocionais, pode acabar transferindo esse desconforto para a própria imagem. Percebemos em muitos casos de anorexia nervosa que existe uma angústia importante que é interpretada como insatisfação corporal mas que, após algum tempo de tratamento, acaba se revelando uma angústia ligada a outras questões como dificuldades de desenvolvimento e adaptação e conflitos familiares.A sensação de nunca ser bom o suficiente para ser amado pode ter suas raízes nas relações familiares. Muitos jovens passaram por conflitos familiares durante a infância e os pais, por diversas razões, ficaram emocionalmente ausentes. A criança, sem conseguir compreender direito a situação, tende a interpretar o distanciamento emocional como resultado de uma falta de amor, normalmente porque ela não é boa o suficiente para conseguir a atenção dos pais. Essa criança pode crescer buscando uma perfeição que no fundo nada mais é do que uma busca por ser aceito e amado.Como a ferida original não está ligada ao corpo e sim a uma sensação de pouco valor, ela não se resolve através do emagrecimento. Por mais que emagreça, a pessoa nunca se sentirá satisfeita. Por isso ela precisará tratar o seu auto valor e as suas relações, principalmente as familiares.
Flávia Scavone - publicada em seu blog
http://flaviascavone.blogspot.com/2009/07/transtorno-alimentar.html

domingo, 5 de julho de 2009

AFINAL MALHAR QUEIMA GORDURA?



10/6/2009 14:00:00 fonte:

http://sportlife.terra.com.br/index.asp?codc=1082
O corpo queima mesmo gordura depois do exercício?
Estudo põe pá de cal na crença de que malhar nos transforma em queimadores de gordura
Exercícios leves não garantem queima de gordura nas 24 horas seguintes

O corpo queima mesmo gordura depois do exercício?

Muita gente começa a malhar embasado na crença de que o corpo queima gordura não apenas durante a sessão de exercício, mas nas 24 horas subsequentes a ela. Não é o que parece. Ao menos para quem malha durante pouco tempo. É o que garante Edward Melanson, da Universidade do Colorado, EUA, que teve seu trabalho publicado na revista Sport Sciences Review. “Fazer 1 hora ou menos de atividade física tem muito pouco impacto na oxidação da gordura pós-exercício”, disse.
De acordo com ele, a maior parte dos estudos que procuraram uma associação entre exercício e queima de gordura não acompanharam os voluntários por um período muito longo nem pessoas que haviam se alimentado. O grupo de Melanson avaliou um grupo de pessoas em um cenário mais próximo ao da vida real e o acompanhou durante as 24 horas pós-malhação, analisando quem se alimentou ou não depois da academia. “Não é que o exercício não queima gordura. O problema é que nós repomos as calorias. A atividade física aumenta a capacidade de queimar gordura, mas se repomos as calorias, então todo o benefício é perdido.” Segundo o pesquisador, os resultados não devem desencorajar as pessoas a praticar atividade física, mas inspirá-las a se tornarem mais realistas sobre o que gastamos e o que repomos.
O grupo de pesquisadores acompanhou 10 voluntários bem condicionados e magros, 10 magros e destreinados e 8 não condicionados e obesos durante a sessão de exercício e de repouso. Todos foram alimentados com uma dieta que continha 20% de gordura, 65% de carboidratos e 15% de proteína três dias antes da sessão de exercício e no dia em que eles malharam ou não malharam. A sessão de exercício constou em pedalar em uma bike estacionária em intensidade moderada por 1 hora, o que levou a queima de cerca de 400 cal. Eles constataram que a queima de carboidratos, e não gordura, foi maior nas 24 horas que sucederam o exercício. Segundo Melenson, não nos transformamos em “queimadores de gordura” depois da malhação porque comemos. E comer afeta a queima de gordura. “Ingerir apenas 240 cal de carboidrato 1 hora antes da atividade física reduz a queima de gordura durante o exercício e a capacidade de o corpo queimá-la fica diminuída por até 6 horas depois de nos alimentarmos”, conclui.

Anorexia... 20% dos casos.. terminam em morte!

Campanha da fotógrafa Ivonne Thein choca com imagens de modelos em pele e osso. Embora as fotos tenham sofrido manipulação digital, são um retrato da gravidade da anorexiaFoto: Ivonne Thein, Reprodução
Sobre anorexia, um assunto que tem que ser repensado, publicado, registrado!!!!!
Saúde 30/06/2009 10h51min
Anorexia: 20% dos casos terminam em morte
Preocupação com os riscos da obesidade pode gerar obsessão pela magreza
Nádia De Toni

nadia.detoni@pioneiro.com http://www.clicrbs.com.br/especial/br/vidafeminina/19,0,2563326,Anorexia-20-dos-casos-terminam-em-morte.html
A epidemia de quilos extras que afeta 43% da população brasileira é um problema tão grave de saúde pública que pode influenciar distúrbios na outra ponta: o culto à magreza excessiva e um medo mórbido de engordar. Para as vítimas de anorexia e bulimia, em sua maioria garotas entre 13 e 20 anos, o espelho é inimigo e cada caloria se converte numa tortura. Fome o vômito são experiências de alívio e, às vezes, até de prazer.Transtornos alimentares graves, a anorexia e a bulimia voltaram à discussão recentemente, quando a fotógrafa alemã Ivonne Thein lançou uma campanha polêmica com fotos de meninas magérrimas. O objetivo é propor um novo debate sobre a busca obsessiva pelo corpo ideal, que pode resultar em morte. As fotos de Ivonne (que ilustram esta reportagem) foram feitas com modelos saudáveis e sofreram manipulação digital para aparentar jovens com 32 quilos. Os rostos não são mostrados.– Não mostrei os rostos porque não queria que o público simpatizasse com as meninas e achasse que elas eram casos isolados – declarou a fotógrafa, em entrevista ao blog BBC Tendências.A anorexia e a bulimia são doenças primordialmente femininas, embora o problema esteja crescendo também no universo masculino. Para cada 20 mulheres com anorexia, um homem apresenta a mesma doença. Uma pista de que é crescente o número de jovens adoecendo em nome da magreza está na internet. Existem dezenas de sites e blogs a favor da anorexia e da bulimia, inclusive com grupos de discussão que incentivam a parar de comer. Na rede, as anoréxicas se chamam de Ana e, as bulímicas, de Mia.– Pule refeições. Quanto mais tempo você ficar sem comer, melhor – ensina a autora do site Paradise, indo contra à principal regra para uma alimentação (e uma vida) saudável: sentar-se à mesa ao menos três vezes ao dia.A anorexia é descrita na literatura médica desde 1689 como uma atrofia nervosa que resulta em ausência de apetite. A pessoa faz jejuns prolongados ou ingere pouquíssimas calorias. A bulimia deriva da expressão “fome de boi”. Geralmente, a pessoa come compulsivamente e depois vomita ou usa laxantes para evitar engordar.Nos dois tipos de distúrbios, a característica mais marcante é a visão distorcida do próprio corpo, explica a psicóloga Rejane Tomatis Pacheco, do Centro de Reeducação Alimentar (Creeo), de Caxias do Sul. A pessoa se acha gorda, mesmo que esteja magérrima. Há estudos na psiquiatria em que as pessoas doentes devem apontar uma foto de mulher com a qual se identificam. Anoréxicas e bulímicas sempre apontam a imagem de uma pessoa mais gorda. Nos dois transtornos, o processo de emagrecimento começa com uma dieta aparentemente normal, que evolui para um controle excessivo na alimentação ou para abusos seguidos de atos compensatórios, como vômito. Até 50% dos pacientes anoréxicos desenvolvem sintomas bulímicos, segundo a Associação Brasileira de Transtornos Alimentares.– Alguns pesquisadores descrevem que a pessoa anoréxica é bem-sucedida na busca pelo seu ideal de corpo magro, enquanto que a bulímica seria o fracasso da anorexia – comenta a psicanalista Rosita Esteves, do Centro de Tratamento dos Transtornos Alimentares e da Obesidade, de Caxias.Os dois transtornos sofrem influência da cultura da magreza imposta pela sociedade ocidental. Mas a cobrança social por um corpo magro é apenas uma parte do problema. Há um forte componente genético, cujo mecanismo não se conhece com clareza, que contribui para o desenvolvimento desses distúrbios. Uma pessoa sem predisposição à anorexia poderia aguentar um dia sem comer, mas logo se renderia à fome. Alguém sem predisposição à bulimia poderia induzir o vômito para compensar exageros na alimentação, mas a atitude não seria motivo de alívio. Causaria desconforto, nojo, e não se repetiria.– Os padrões sociais acabam se associando a fatores internos. Transtornos alimentares têm relação com distúrbios na formação da personalidade e do amor próprio – explica Rosita.– Pessoas com propensão a distúrbios alimentares focam suas vidas na comida. Mesmo quando o objetivo é não comer – analisa a psicóloga Rejane.Embora sejam consideradas a cara e a coroa de uma mesma moeda, a anorexia e a bulimia atingem pessoas com estilos de vida bem diferentes, segundo a psicanalista Rosita. As anoréxicas são perfeccionistas, introvertidas e rígidas consigo próprias. Muitas vezes, a família só se dá conta do problema quando flagra a menina com pouca roupa, o corpo transformado em pele e osso.– Em geral, elas têm conflitos de feminilidade. Querem ser magras, não bonitas. Querem ser meninas, sem peito, sem bumbum, não querem virar mulheres – diz Rejane.Já as bulímicas não chamam a atenção pela magreza e, por isso, conseguem camuflar a doença por muito tempo. Elas costumam ser extrovertidas e impulsivas em relação a vários aspectos, como amor e negócios. Na vida social, as vítimas de anorexia e bulimia também assumem comportamentos diferentes. As anoréxicas costumam evitar encontros que envolvem comida. Quanto mais as pessoas insistem para que coma, mais se isolam. Ao atingir um estágio de extrema magreza, passam a usar roupas largas. As bulímicas vivem a contar calorias mas, em momentos de compulsão, dão preferência a carboidratos e doces hipercalóricos. Depois das refeições, passam bastante tempo no banheiro, para induzir o vômito.Considera-se anoréxica uma pessoa que está entre 10% e 15% abaixo do peso médio correspondente à idade, ao sexo e à altura. Mas é claro que magreza não significa necessariamente anorexia. Existem pessoas que são magras e saudáveis. No caso da bulimia, o distúrbio incide mais em mulheres que se cuidam de forma obsessiva. Existem casos de bulímicas que sofrem com excesso de peso porque, mesmo com a indução do vômito, o organismo não elimina todas as calorias ingeridas em um curto período de tempo
.

Esporte? Obsessão? Vício?


Mais uma noticia publicada no site terra, para se pensar ...

Sábado, 4 de julho de 2009, 08h11
Fisiculturismo: aceitação e preconceiro
No Foto Rio, o "Fortia Femina - Aceitação e Preconceito" causa polêmica entre os visitantes. O ensaio com fisiculturistas nuas do fotógrafo Andre Arruda apresenta onze fotos das 87 feitas pelo artista, para o livro que será lançado em breve.
"Fortia Femina" é uma investigação sobre o corpo hipermuscular feminino. O fisiculturismo é o único esporte em que o corpo atinge a hipertrofia por trabalho pela pura intenção da imagem, não como resultado para atingir uma meta, como no atletismo por exemplo.
Entre os principais fisiculturistas da história estão Arnold Schwarzenegger, atual governador da Califórnia, Mike Mentzer, Lou Ferrigno , Lee Haney, Adan Taylor, Dorian Yatese Ronnie Coleman. A International Federation of Bodybuilding (IFBB) organiza o principal campeonato mundial, o Mr. Olympia.
O esporte era inicialmente praticado por homens e oficialmente homologado em 1940. Somente no fim dos anos 1970 as mulheres começaram a modificar o corpo no extremo da musculação. Como resultado também do crescente papel feminino no ocidente.
A atleta deste esporte enfrenta dois grandes juízes: o espelho, seu maior medidor de desempenho, e o preconceito da sociedade, que não as vê como mulheres, historicamente associadas aos conceitos de fragilidade e docilidade.
Serviço:Fortia Femina - Aceitação e PreconceitoFotografias de Andre Arruda23 de Junho a 2 de Agosto de terça a domingo, das 12h às 19h Centro Cultural Justiça FederalAv. Rio Branco, 241 - 2º andar/ Centro

Lutas de boxe entre crianças movimentam apostas na Tailândia- fonte é:
Os combates de muay thai (boxe tailandês) entre menores representam um lucrativo negócio para os grupos de apostadores ilegais na Tailândia e um perigo para a saúde dos jovens pugilistas, que recebem apenas US$ 2 por luta.
Seis meninos e duas meninas de entre 10 e 15 anos e com um peso de entre 23 e 28,5 quilogramas fizeram parte do programa organizado pela Fairtex, uma conhecida empresa dedicada à promoção do esporte, na quinta-feira passada na cidade de Pattaya, cerca de 150 quilômetros ao sul de Bangcoc.
Khundach Sitkhuhnui se apresentava no ringue com apenas 12 anos, mas com uma carreira de meia década como profissional do muay thai.
"Vamos ganhar, meu filho é um verdadeiro campeão", disse à Agência Efe seu orgulhoso pai, enquanto levantava os magros braços do garoto, que olhava sério e impassível para os turistas que tiravam fotos.
Uma vez no ringue, o tímido rapaz se tornou um boxeador temerário que disparou sem cessar murros no rosto e golpes duros com as pernas nas costelas do adversário.
Após três assaltos frenéticos, Sitkhuhnui foi declarado ganhador por pontos do combate, para a alegria de seus treinadores e parentes, que não o tinham deixado de incentivar o tempo todo.
Seu cachê é de US$ 2, uma quantia insignificante comparada com o dinheiro das apostas feitas de forma aberta pela maioria do público tailandês.
Um grupo de turistas, alguns deles lutadores de muay thai, sorriam perante a fúria dos jovens pugilistas.
Outros pareciam incomodados com o espetáculo, sobretudo no momento em que os juízes tiveram que levar nos braços uma das meninas porque tinha desmaiado durante um assalto.
"Iniciamos um projeto para estudar os efeitos que têm nas crianças os golpes na cabeça. Tememos que no futuro possam sofrer danos irreversíveis como parkinson, alzheimer e disfunções nos ouvidos e na vista", disse o diretor do Centro de Pesquisa para a Prevenção e a Segurança dos Menores na Tailândia, o pediatra Adisak Pliponkarnpim.
O especialistas apontou que "há cerca de dez mil crianças, também meninas, que participam de brigas profissionais de muay thai, segundo dados do Ministério de Assuntos Sociais".
Segundo ele, embora o boxe permita o ganho de US$ 2 por combate para as famílias humildes, a razão principal das lutas são o negócio ilegal de apostas, que movimenta grandes quantidades de dinheiro.
O muay thai é conhecido também como "a arte das oito armas", porque utiliza os punhos, os joelhos, os cotovelos e as pernas.
Sua origem se encontra nas guerras que a Tailândia teve com os reinos vizinhos durante o século XII, em que os soldados aperfeiçoaram o uso de lanças e espadas, assim como o emprego do corpo como arma letal.
"Não se trata de proibir o muay thai, já que faz parte da cultura tailandesa, mas de impedir que os menores de 18 anos participem dos combates, tal como está regulamentado na maioria dos países ocidentais", disse o médico Pliponkarnpim.
A legislação tailandesa proíbe que os menores de idade realizem trabalhos perigosos, disposição que inclui os combates de muay thai.
"As leis não servem de nada se não convencemos a sociedade de que as crianças não devem participar dos combates", afirmou Pliponkarnpim, que ressaltou que "a pobreza não é uma desculpa, já que na Tailândia ninguém passa fome".

VALE A PENA LER MAIS UMA NOTÍCIA SOBRE A SAÚDE CORPORAL : NA ROTA DO CRIME...

Drunkorexia ou anorexia alcoólica
Termo criado nos EUA para definir o alcoolismo associado a distúrbios alimentares. Este distúrbio é muito comum entre jovens e adultos de idade entre 20 e 40 anos, que ingerem bebidas alcoólicas no lugar da refeição.
O ato restringe a absorção de calorias necessárias ao corpo humano sob o objetivo de manter um visual esbelto e na moda. Entre as celebridades artísticas o costume da “drunkorexia”, além de causas estéticas, é impulsionada por cobranças do mercado, angústias e compulsões profissionais. Musas da música pop como Amy Winehouse e Britney Spears, que frequentemente combinam o uso de álcool e drogas com pouca ou nenhuma comida, costumam influenciar as jovens.
Segundo a OMS ( Organização Mundial de Saúde), o alcoolismo atinge de 10% a 12% da população mundial. Equilibrar o peso do corpo através da bebida é o mesmo que realizar uma dieta forçada e depois cair no efeito sanfona ( alternância periódica de peso ).
Estudos psiquiátricos revelam que o alcoolismo feminino está associado a transtornos psicológicos relacionados à anorexia, bulimia, depressão e ansiedade. O álcool anestesia emoções ruins como a frustração, e no caso da “drunkorexia”, reduz o apetite. No funcionamento orgânico beber com estômago vazio acelera os efeitos do álcool.
Beber sem moderação pode vir a causar doenças no sistema digestivo e , em certos casos, no sistema sangüíneo, além de outros males. Beber demais ainda causa perda de reflexos, principalmente para o motorista em trânsito. A fonte é:
http://www.narotadocrimejustica.com.br/index/?p=543

sexta-feira, 3 de julho de 2009

vale a pena ler este texto de luiz fernando Veríssimo


Luis Fernando Verissimo
Além do nariz
02/07/2009
function fechar() {
$("#anuncio_materia").slideToggle();
}

Publicidade Jornal Impresso - Anuncie!Fechar anúncio

Certa vez fizeram uma homenagem ao boxeador Joe Louis, na época o negro mais famoso do mundo, e alguém terminou um discurso dizendo que ele era um orgulho para sua raça – a raça humana. Muitos anos depois um cômico diria a mesma coisa de Michael Jackson, mas com uma maldade final. Ele era um orgulho para sua raça – fosse ela qual fosse!Michael apagara todos os traços da sua raça original do rosto e o resultado não se parecia com nenhum grupo étnico conhecido. Nunca ficou muito claro, sem trocadilho, que rosto ele queria ter. Diziam que seu ideal de beleza era a Diana Ross, uma prototípica negra com feições brancas, mas ele não se contentou em ter seu nariz afilado e seus lábios finos. Continuou branqueando e esculpindo o próprio rosto até transformá-lo na máscara grotesca de um ser indefinível. Talvez procurasse ser de uma raça além da humana.O dinheiro não traz a felicidade (manda buscar, disse um cínico). Mas há séculos se usa a riqueza para tentar vencer tudo que traz a infelicidade: a feiura, a raça indesejada e outras consequências da fatalidade genética, e o maior inimigo da nossa vaidade, a passagem do tempo. As múmias e todos os elaborados arranjos fúnebres para garantir a eternidade dos faraós existiam para combater esta grande injustiça: de nada adiantavam seu poder e sua fortuna se os faraós se degradavam e acabavam como qualquer servo. Não houve rei ou rico da Idade Média que não investisse na alquimia, que era a ciência de alterar a Natureza das pedras e dos homens, ou pelo menos dos homens que podiam pagar. Hoje existe uma indústria de cosméticos e mágicas rejuvenescedoras que movimenta bilhões e cujo objetivo final é o mesmo dos sacerdotes do Antigo Egito, nos embalsamar contra os estragos do tempo e nos garantir a vida eterna – enquanto dure. Michael Jackson também não achou justo ser rico e poderoso como um faraó e não poder alterar não apenas seu nariz como seu destino.Martin Luther King resgatou a autoestima dos negros americanos com uma frase, mas Michael Jackson não concordou que black era beautiful. No fim nem se contentou em ser branco, como não se conformou em envelhecer como qualquer um. Foi um grande artista e a comoção causada pela sua morte prematura é compreensível. Mas Michael Jackson foi, antes de mais nada, um trágico herói da insubmissão à vida.http://www.dm.com.br/materias/show/t/alem_do_nariz

até que ponto vale a pena ser belo???????????????????????

Vale conhecer mais sobre anorexia!!!




02
07 09

Arquivado em
Gastroplastia, Leitura às 07:13 por Tiane Brites
Aparentemente, nada pode ser tão distante, quanto pacientes com Anorexia Nervosa de um lado e pacientes com Obesidade Mórbida do outro. Com o aumento das cirurgias bariátricas no tratamento da obesidade, a frequencia no surgimento de anorixia e bulimia ficam mais evidentes.
A Cirurgia bariátrica é a forma mais efetiva no tratamento da obesidade mórbida. O ideal é ter uma avaliação psiquiátrica pré-cirúrgica para o diagnóstico e adequado tratamento precoce de um transtorno alimentar. Li uma pesquisa há algum tempo que, num grupo de 116 pacientes submetidos à cirurgia gástrica restritiva, estudados por 10 anos, encontraram bulímicos em 52% dos casos, Transtorno da Compulsão Alimentar Periódica em 16% e Síndrome do Comer Noturno em 10%.
Apesar dos casos de Anorexia e Bulimia Nervosa pós-cirurgia bariátrica sejam ainda raros (ainda bem!), o risco do desenvolvimento de um transtorno alimentar devia ser lembrado nessa situação.
O trabalho pré e pós-cirúrgico deve incluir uma equipe multiprofissional com psiquiatra conduzindo a avaliação e o tratamento medicamentoso, caso necessário, psicólogos administrando psicoterapia individual, com orientações específicas sobre a operação, nutricionista e endocrinologista, tudo visando discutir e adequar as expectativas do paciente às limitações do tratamento cirúrgico muitas vezes concebido por ele como milagroso, além de oferecer alternativas de prazer diferentes do ato de comer. As mudanças ocorridas após a operação são muitas, tanto na parte comportamental como no físico e psíquico, o que pode trazer surpresas para a equipe multidisciplinar.
A partir de uma avaliação pré-operatória, a presença de um transtorno alimentar deve forçosamente levar a um seguimento psiquiátrico pós-operatório para a detecção precoce de um agravamento do mesmo, pois a existência é maior em pacientes com obesidade grau III e, na presença deles, o risco de complicações é cerca de quatro vezes maior. Certos casos podem ser indicados para o tratamento cirúrgico pelos próprios diagnósticos psiquiátricos que apresentam, como depressão por exemplo, se bem que raramente a indicação será apenas por algum diagnóstico psiquiátrico associado a um IMC elevado.
Anorexia nervosa
Anorexia nervosa é um distúrbio alimentar resultado da preocupação exagerada com o peso corporal, que pode provocar problemas psiquiátricos graves. A pessoa se olha no espelho e, embora extremamente magra, se vê obesa. Com medo de engordar, exagera na atividade física, jejua, jejua, vomita, toma laxantes e diuréticos.É um transtorno que se manifesta principalmente em mulheres jovens, embora sua incidência esteja aumentando também em homens. Às vezes, os pacientes anoréxicos chegam rapidamente à caquexia, um grau extremo da desnutrição e o índice de mortalidade chega a atingir 15% a 20% dos casos.
Sintomas
- Perda exagerada de peso em curto espaço de tempo sem nenhuma justificativa. Nos casos mais graves, o índice de massa corpórea chega a ser inferior a 17;- Recusa em participar das refeições familiares. Os anoréxicos alegam que já comeram e que não estão mais com fome;- Preocupação exagerada com o valor calórico dos alimentos. Esses pacientes chegam a ingerir apenas 200kcal por dia;- Interrupção do ciclo menstrual (amenorréia) e regressão das características femininas;- Atividade física intensa e exagerada;- Depressão, síndrome do pânico, comportamentos obsessivo-compulsivos;- Visão distorcida do próprio corpo. Apesar de extremamente magras, essas pessoas julgam-se com excesso de peso;- Pele extremamente seca e coberta por lanugo (pêlos parecidos com a barba de milho).
Causas
Diversos fatores favorecem o aparecimento da doença: predisposição genética, o conceito atual de moda que determina a magreza absoluta como símbolo de beleza e elegância, a pressão da família e do grupo social e a existência de alterações neuroquímicas cerebrais, especialmente nas concentrações de serotonina e noradrenalina.
Tratamento
A reintrodução dos alimentos deve ser gradativa. Caso contrário provocaria grande sobrecarga cardíaca. Às vezes, é necessária a internação hospitalar para que essa oferta gradual de calorias seja controlada por nutricionistas.Não há medicação específica para a anorexia nervosa. Medicamentos antidepressivos podem ajudar a atenuar sintomas depressivos, compulsivos e de ansiedade. Em geral, o tratamento de pacientes anoréxicos exige o trabalho de equipe multidisciplinar.
Recomendações
- Algumas profissões são consideradas de risco para a anorexia. Bailarinas, jóqueis, atletas olímpicos, precisam estar atentos para a pressão que sofrem para reduzir o peso corporal;- A faixa etária está baixando nos casos de anorexia. A família precisa observar especialmente as meninas que disfarçam o emagrecimento usando roupas largas e soltas no corpo e se recusam a participar das refeições em casa;- Às vezes, os familiares só se dão conta do que está acontecendo quando, por acaso, surpreendem a paciente com pouca roupa e vêem seu corpo esquelético, transformado em pele e osso. Nesse caso, é urgente procurar atendimento médico especializado;- O ideal de beleza que a sociedade e os meios de comunicação impõem está associado à magreza absoluta. É preciso olhar para esses apelos com espírito critico e bom senso e não se deixar levar pela mensagem enganosa que possam expressar;- Se o paciente anoréxico estiver correndo risco por causa da caquexia e dos distúrbios psiquiátricos deve ser internado num hospital para tratamento médico.
A comida é o seu remédio.

quinta-feira, 2 de julho de 2009

AONDE VAMOS CHEGAR? VAIDADE TEM LIMITES ?

Para você que duvida que vaidade não tem limites, aqui vai uma novidade que vai convencer você de vez. Segundo médicos especialistas, a busca por cirurgia plástica da região externa da vagina praticamente dobrou no último ano.
MARIANA LUCENA

Vaidade sim, elas não negam. Mas a ninfoplastia, ou plástica realizada nos pequenos lábios da vulva, tem ganhos que vão além da estética. Se os pequenos lábios, por causa da idade ou má - formação, se tornam maiores que os grandes lábios, a penetração pode ser prejudicada, e a mulher pode ter dor e desconforto. “A cirurgia retira parte da pele excedente dos pequenos lábios. Isso não aumenta nem diminui a sensibilidade da mulher, mas facilita a relação sexual e melhora a sua auto-estima , o que, naturalmente, a deixa mais à vontade e melhora seu desempenho”, diz a cirurgiã plástica Luciana Pepino.
O procedimento é mais procurado entre as mulheres que têm uma
vida sexual ativa e intensa, normalmente com um parceiro fixo. “São mulheres entre 25 e 50 anos, que já não estão no início de sua vida sexual , mas se preocupam em impressionar os seus parceiros”, afirma Luciana. A médica diz já ter sido procurada até por celebridades, “porém, por questões éticas, não posso citar o nome”.

A cirurgia não é agressiva, dura apenas 40 minutos e a recuperação é indolor. O maior sacrifício fica por conta da abstinência: 30 dias sem nem pensar no assunto. O investimento vai de dois a cinco mil reais, mas Luciana alerta que é melhor não economizar muito na escolha do especialista. “Qualquer cirurgia realizada por profissionais não habilitados pode trazer sérias consequências. No caso da ninfoplastia, pode acontecer a perda de sensibilidade (a pior delas) e também a retirada excessiva de tecido trazendo retrações e desconforto à paciente ."

Luciana acredita que a cirurgia plástica íntima foi mais uma conquista das mulheres, que agora podem se sentir mais à vontade e explorar sua sexualidade sem vergonha do próprio corpo. “A procura tem crescido por causa da informação. Quanto mais informadas a respeito, mais tranquilas as mulheres se sentem para procurar uma cirurgia íntima. O que elas mais relatam depois é o significativo aumento na auto-estima”, diz ela.
Mas será que a popularidade da cirurgia não vai impor às mulheres mais um padrão de beleza que as faz serem escravas até mesmo nas partes mais íntimas de seu corpo? “Talvez essa tendência realmente se afirme entre as mulheres”, afirma Carmita Abdo, coordenadora do Projeto de Estudos da Sexualidade do Hospital das Clínicas de São Paulo. “Mas a preocupação com a aparência da genitália não é uma exclusividade feminina, há anos os homens vêm tentando aumentar o tamanho de seu pênis. O que acontece agora é que está se falando cada vez mais em sexualidade feminina e a mulher passou a conhecer novos aspectos de seu próprio corpo e se incomodar com eles”, diz a psiquiatra.

Uma pesquisa da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) mostrou que, no ano passado, 402 mil brasileiras buscaram cirurgias estéticas. O País teve 1 . 252 procedimentos por dia, o que o colocou entre os países que mais realizam cirurgias plásticas no mundo. Os números indicam que as brasileiras já têm muitos padrões estéticos aos quais se adequar. Será que precisam de mais um?

Para Carmita, o grande problema da ninfoplastia, assim como de toda cirurgia plástica, é quando ela é considerada uma solução mágica para os problemas de um relacionamento. “Se a cirurgia plástica da vulva for um complemento para as mulheres que se sentem muito incomodadas com isso, tudo bem, certamente isso as fará mais confiantes. O erro ocorre quando as mulheres valorizam as questões estéticas em detrimento do conteúdo. Olhar a questão mais ampla, descobrindo o que as fariam mais atraentes como ser humano, isso sim vai tornar o relacionamento mais interessante”, afirma Carmita.

Conheça outras cirurgias plásticas íntimas:

Lipoaspiração do monte de Vênus: o desconforto do volume próximo ao ânus é puramente estético, normalmente quando as pacientes usam roupas justas e de banho. Na cirurgia, que dura 30 minutos, o excesso de gordura é retirado por meio da lipoaspiração, reduzindo o volume da região.

Preenchimento dos grandes lábios: procedimento realizado com o intuito de preencher os grandes lábios da vulva que, com o emagrecimento ou o envelhecimento, se tornam mais frouxos, finos e pendentes. Também puramente estética. A correção é feita nas mulheres que se sentem incomodadas com roupas de banho e na frente dos parceiros.

A NOTICIA FOI PUBLICADA HOJE NA REVISTA GALILEU
FONTE http://revistagalileu.globo.com/Revista/Galileu/0,,EDG87002-7833-216,00-DEPOIS+DO+ENLARGE+YOUR+PENIS+A+ONDA+AGORA+E+DIMINUIR+A+VULVA.html

Mulheres continuamos a ser escolhidas????



Quinta, 2 de julho de 2009, 09h02
Estudo mostra que só os homens têm padrões definidos na busca de uma parceira - fonte:
http://beleza.terra.com.br/homem/interna/0,,OI3852029-EI7591,00.html
Enquete
E você, concorda com o estudo dos médicos norte-americanos?
SimNão
Últimas de Homem» Estudo mostra que só os homens têm padrões definidos na busca de uma parceira» 10 coisas que você deve aprender com Harry & Sally» Laptops no colo podem prejudicar a fertilidade masculina» Homem se pega pelo estômago, prova uma pesquisa australiana
BuscaSaiba mais na Internet sobre: Ambiente Arqueologia Astronomia Clonagem Espaço Genética Paleontologia Publicações Científicas Saúde TecnologiaBusque outras notícias no Terra:


Homens têm padrões bem-definidos para escolher uma parceira ideal, já as mulheres diferem em muito nos pontos que lhe atraem mostrou um estudo comandando pelo psicólogo Dustin Wood da Universidade de Wake Forest e pela médica Claudia Brumbaugh do Queens College e publicada no Journal of Personality and Social Psychology.
» vc repórter: mande fotose notícias » Chat: tecle sobre o assuntoMais de 4.000 participantes, de 18 a 70 anos, avaliaram fotos de homens e mulheres entre 18 e 25 anos, numa escala de atratividade de 0 a 10, onde zero é "não é atraente" e dez é "muito atraente".Além disso, tiveram que dizer o que consideraram interessante nas imagens avaliadas nos seguintes aspectos: quanto sedutor, confiante, magro, sensível, moderno, curvilíneo (mulheres), musculoso (homens), tradicional, masculino/feminino, elegante, arrumado e feliz a pessoa parecia.
O público masculino escolheu, principalmente, atributos físicos e deram nota maior para aquelas moças que eram mais magras e sedutoras. Aquelas mais auto-confiantes também se mostraram mais atraentes a eles (e já que idade influencia, homens mais velhos se sentiram atraídos pelas moças que sorriam).Já as mulheres até concordaram com o aspecto do corpo, privilegiando os mais magros e musculosos, mas não houve consenso em outros atributos. Algumas das fotos mostradas que levaram notas altas para algumas moças, acabaram sendo desprezadas por outras.
O doutor Woods afirmou que essas diferenças têm implicações nas distintas experiências e estratégias que podem ser esperadas nos homens e mulheres no jogo da sedução, por exemplo, mostrando que as mulheres podem acabar encontrando menos concorrência sobre a pessoa em quem está interessada.Já os homens precisam investir mais e tomar a dianteira ao conquistar alguém e depois mantê-la bem "guardada" uma vez que sua parceira parece ser o objeto de desejo de outros.
Outro ponto abordado é que mulheres têm que se esforçar mais em ser aquilo que os padrões masculinos exigem, especialmente nos aspectos físicos, daí a propensão em sacrifícios alimentares, dietas, ginástica e inúmeras reportagens milagrosas em revistas femininas. E por mais que elas também valorizem corpos sarados, existem outros atributos que podem ser atrativos e que pesam nas suas decisões.Entendeu agora porque Catherine Zeta-Jones casou-se com Michael Douglas?

ONG explica campanha feminista com Cruzeiro, que vira destaque internacional

Ação é tida como a primeira de uma sequência de etapas de conscientização   João Vítor Marques /Superesportes  ,  Tiago Mattar /Superes...