Um estudo da CompTIA chamado "How milennials may change the workplace" mostrou que o ambiente de trabalho no futuro irá muito além das fronteiras com vida pessoal. Este estudo avaliou a chegada da geração Millennials (nascidos entre 1980 e 2000) ao mercado de trabalho e identificou alguns direcionamentos que vão fazer sucesso no futuro, como maior ênfase no engajamento nas mídias sociais e conhecimentos em tecnologia. Eu sou millennial, tenho 30 anos e concordo com muito do que tenho pesquisado neste sentido.
A geração Millennials prefere ambientes flexíveis de trabalho e busca poder trabalhar naqueles que ofereçam opções remotas, ou seja, que eles possam trabalhar de casa, mesmo que precisem ganhar menos para isso.
As novas gerações estão ditando o futuro e pode ter certeza que seus filhos e netos não vão querer ser o clichê "médico" ou "advogado" quando crescerem, apenas. Existem profissões que sequer surgiram ainda. Aliás, fiz um artigo sobre isso chamado "Growth hacker, pilotos de drones e as profissões que ainda não foram inventadas". Veja também este artigo do Prof. Patrick, "Profissões ameaçadas pela tecnologia e a necessidade de nos reinventarmos em nossas carreiras". 
Além disso, daqui a alguns poucos anos trocar de profissão, reinventar-se ou fazer diversas coisas diferentes como forma de trabalho não será mais problema ou alvo de julgamentos. Ninguém precisará ficar preso na mesma profissão para sempre e uma pessoa não será mal vista porque é multifacetada ou realiza diversas tarefas, como ocorre hoje (comumente chamados de não focados em uma área). Mas essas  mudanças vão muito além do mercado de trabalho e vão impactar o mundo de diversas formas.
Uma das áreas impactadas é o marketing e no vídeo logo abaixo ficará claro que estamos diante de algo muito novo e que precisaremos começar a planejar urgentemente novos produtos, ações, ideias para atender às novas gerações. Não será fácil desprender-se e pensar com a mente delas:  um exemplo é a resistência ao Uber, assim como antigamente resistiram ao computador pensando que substituiria professores, ou pior, quando não queriam que lâmpadas fossem vendidas porque acabaria com os fabricantes de velas.
Os Millenials já compram, vão comprar mais e influenciar compras. Não vão assistir apenas propagandas, mas esperar interação com elas e conteúdos personalizados. Eles querem cocriar e podem mudar um negócio da noite pro dia. Serão ricos ainda novos, por suas próprias criações e produções, assim como já se podem ver os "youtubers", que ganham rios de dinheiro com seus vídeos sobre diversos temas.