Atleta paralímpica surpreende com perna mecânica em desfile

Recentemente, notificamos no Estilo Catraca Livre a história de uma jovem britânica que quer amputar perna saudável para participar das Parolímpiadas. Hoje, vamos mostrar a história da atleta paralímpida Marinalva Almeida, 37 anos, que decidiu fazer parte de um ensaio fotográfico de moda para ajudar pessoas com limitações físicas a se vestirem.
a-atleta-e-modelo-marinalva-almeida-37-se-apresenta-no-desfile-do-estilista-fernando-cozendey-na-36-edicao-da-casa-de-criadores-na-galeria-prestes-maia-na-regiao-central-de-sao-paulo-em-30-de-outubro-1415232111910_956x500
A paranaense causou furor no desfile da Casa de Criadores, importante evento de moda que aconteceu na semana passada em São Paulo. A atleta paraolímpica de vela chamou atenção na passarela ao aparecer usando um ousado maio vermelho e uma prótese mecânica na perna esquerda.
a-atleta-e-modelo-marinalva-almeida-37-se-apresenta-no-desfile-do-estilista-fernando-cozendey-na-36-edicao-da-casa-de-criadores-na-galeria-prestes-maia-na-regiao-central-de-sao-paulo-em-30-de-outubro-1415232111910_300x500
As pernas mecânicas foram um impulso importante para que Marinalva ganhasse projeção no esporte, embora nunca tenha se curvado aos olhares de pena, que, segundo ela, são ‘comuns para deficientes’. “O que vai determinar o olhar do outro, sendo deficiente ou não, é a postura que a pessoa tem. Se você não se impõe, não se cuida, as pessoas vão te olhar com desprezo", disse ao UOL.
marinalva-almeida-37-e-modelo-em-campanha-de-moda-inclusiva-com-pecas-feitas-para-deficientes-fisicas-com-o-intuito-de-facilitar-a-forma-de-vestir-1415232922388_300x500
Sua recente aparição em passarelas de moda lhe rendeu um convite para desfilar em Milão, na Itália. Mas ela atribui seu sucesso ao esporte. "Ser esportista me ajudou a me valorizar mais, ser mais forte fisicamente e psicologicamente", explica.
Acidente
O acidente que lhe custou a perna esquerda aconteceu quando ela tinha 15 anos e dirigia uma moto em Campo Grande (MS) depois de partir de Santa Isabel de Ivaí (PR) com a família. Foi na capital mato-grossense que ela descobriu habilidades ainda não exploradas de seu corpo e passou a treinar no Centro Educacional Multidisciplinar ao Portador de Deficiência Física (CEMDEF) da cidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Uma nova classe de pessoas deve surgir até 2050: a dos inúteis"

Presidente da Algar Tech será mentora de iniciativa de empoderamento feminino

A obesessão pela perfeição