sexta-feira, 27 de junho de 2014

Mulher compra vestido e acha denúncia de trabalho escravo na etiqueta

DIREITOS HUMANOS


Débora Spitzcovsky - Planeta Sustentável - 25/06/2014
Reprodução/Twitter


 


A denúncia de trabalho escravo chocou a jovem, que tentou entrar em contato com a Primark para explicações, mas não foi atendida. A empresa só se pronunciou após a consumidora contar a história à imprensa. Um porta-voz disse que o Código de Conduta da Primark garante que todas as suas fábricas e fornecedores devem oferecercondições justas de trabalho aos funcionários e pediu que Gallagher devolvesse o vestido para investigação. 

Conhecida por vender peças de roupa a um preço mais barato, a Primark já foi investigada outras vezes por conta de trabalho escravo. Em 2008, a empresa foi denunciada por contratar crianças indianas a partir dos 11 anos de idade para costurar miçangas e lantejoulas em suas roupas. Na ocasião, a varejista criou o siteEthical Primark, em que informa os consumidores sobre suas práticas socioambientais

Por enquanto, nenhuma organização de direitos humanos se pronunciou sobre o caso de Rebecca Gallagher.

netasustentavel.abril.com.br/noticias/mulher-compra-vestido-acha-denuncia-trabalho-escravo-etiqueta-787164.shtml?utm_source=redesabril_psustentavel&utm_medium=facebook&utm_campaign=redesabril_psustentavel

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ONG explica campanha feminista com Cruzeiro, que vira destaque internacional

Ação é tida como a primeira de uma sequência de etapas de conscientização   João Vítor Marques /Superesportes  ,  Tiago Mattar /Superes...