quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Renata Saavedra, historiadora e comunicóloga: ‘O feminismo é, sim, uma pauta atual’

Pesquisadora, de 27 anos, desenvolve na UFRJ tese de doutorado sobre as grafiteiras do Brasil

POR 

Renata Saavedra desenvolve pesquisa que liga artes urbanas ao feminismo
Foto: Felipe Hanower / Agência O Globo
Renata Saavedra desenvolve pesquisa que liga artes urbanas ao feminismo - Felipe Hanower / Agência O Globo

“O feminismo tem mobilizado jovens nas redes e nas ruas. Uma imagem de uma mulher diferente da comumente representada na mídia, com mensagens como ‘Mulher bonita é mulher que luta’, ‘Machismo mata’, é diferente do que se espera ver ao circular pela cidade”
Conte algo que não sei.
Estou fazendo uma pesquisa sobre coletivos de artistas que usam as artes urbanas, em especial o grafite, para divulgar ideias feministas e lutar pelos direitos das mulheres. O objetivo é mapear esses grupos, que se articulam pelo país, para conhecer suas propostas e ver como, na prática, essas mulheres usam as artes visuais como estratégia de comunicação.
Dentre todos os tipos de arte urbana, por que pesquisar as grafiteiras?
Um dos motivos é a importância de preencher uma lacuna no que diz respeito à presença feminina nas manifestações políticas e culturais realizadas pela juventude. A maior parte dos estudos sobre culturas juvenis aborda, principalmente, os jovens do sexo masculino. Geralmente, associam as jovens a questões como maternidade e sexualidade.
É uma forma de incentivar o reconhecimento do trabalho dessas mulheres?
Além disso, é fundamental conhecer essas novas formas de militância e engajamento político dessas jovens, para desmistificar a ideia de que esta é uma geração que não se interessa por política, é alienada e individualista. No lugar de manifestos, passeatas ou grupos de estudos, o engajamento hoje se dá por meio do grafite, do lambe-lambe, do funk, dos saraus e dos fanzines.
Como historiadora, o movimento feminista é um tema atual ou ultrapassado?
É fundamental desconstruir o mito de que o feminismo é ultrapassado. Ignora-se, por exemplo, que cerca de 70% das mulheres sofrem algum tipo de violência no decorrer de sua vida. O feminismo é, sim, uma pauta atual e tem mobilizado cada vez mais jovens nas redes sociais e nas ruas.
Qual a maior dificuldade das grafiteiras?
Acredito que seja o enorme preconceito que o feminismo ainda enfrenta junto ao senso comum. Há um esforço muito grande no sentido de desqualificar o movimento, que se traduz na ideia estigmatizante de que as feministas são feias, mal-amadas, odeiam os homens. Estamos em 2014 e ainda ouvimos frases como “Não sou feminista, sou feminina”.
Qual é o seu objetivo após a conclusão da pesquisa?
Além da tese de doutorado, pretendo produzir um documentário para poder levar a discussão sobre o tema a um público maior. A ideia é que esse trabalho possa estimular novas reflexões sobre essa interface entre produção cultural, estilos juvenis e política.
Qual a importância do trabalho dessas mulheres em uma cidade?
Há uma enorme resistência em se discutir temas como a descriminalização do aborto, a violência doméstica, a cultura do estupro e outros. As intervenções realizadas por essas artistas trazem essas assuntos para o cotidiano dos moradores das cidades. A partir de uma oficina de grafite ou de um muro grafitado, muitas mulheres que não teriam a iniciativa de buscar um grupo feminista mais convencional ou de assistir a uma palestra, por exemplo, passam a questionar determinadas situações naturalizadas — como assédio, desigualdades no mercado de trabalho e opressões que vivem em suas relações pessoais. Com o grafite, os quadrinhos, o rap, o funk e outras linguagens, essas artistas fornecem novos modelos para o movimento feminista contemporâneo.


Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/sociedade/conte-algo-que-nao-sei/renata-saavedra-historiadora-comunicologa-feminismo-sim-uma-pauta-atual-13722039#ixzz3MpnC4pS3 
© 1996 - 2014. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ONG explica campanha feminista com Cruzeiro, que vira destaque internacional

Ação é tida como a primeira de uma sequência de etapas de conscientização   João Vítor Marques /Superesportes  ,  Tiago Mattar /Superes...