Protesto online motivado por pesquisa do Ipea convoca selfies de topless contra o estupro

    
Publicado: 28/03/2014 11:22




Mulheres
Thinkstock

0
2
Na quinta-feira (27), minha timeline do Facebook foi inundada por comentários de amigos chocados com os resultados da pesquisa do Ipea sobre a percepção do brasileiro acerca da mulher. Os dados realmente mostram uma realidade absurda: 65% dos entrevistados acreditam que mulher que usa roupa curta merece ser atacada. Pior: 66% dos entrevistados eram... Mulheres. Oi?
Indignada com os resultados da pesquisa, a jornalista Nana Queiroz criou um evento no Facebook para o protesto online "#EuNãoMereçoSerEstuprada", que já tem até agora 32.000 convidados e mais de 2.000 presenças confirmadas. A ideia é postar no perfil uma selfie com a hashtag do protesto às 20h desta sexta (28).
Leia também: Pesquisa mostra dados alarmantes sobre violência contra as mulheres
Nana disse ao Brasil Post que teve a ideia quando viu o resultado da pesquisa, inspirada na Marcha das Vadias e no grupo russo Pussy Riot. "A ideia é que a gente tire a roupa e se fotografe, da cintura para cima, com um cartaz tampando os seios com os dizeres "Eu também não mereço ser estuprada" e postemos, todas juntas, ao mesmo tempo, online. Quem tá dentro?", diz a descrição do evento. Quem não quiser fazer topless pode aparecer vestida, o importante é postar a foto com a hashtag #EuNãoMereçoSerEstuprada no seu perfil do Facebook às 20h.
O protesto reverberou nas redes e o evento começou a ser utilizado como lugar de debate sobre políticas públicas voltadas ao problema, desabafos e, claro, discussão sobre como proceder no protesto.
Protesto online motivado por pesquisa do Ipea convoca selfies de topless contra o estupro
Publicado: 28/03/2014 11:22

Mulheres
Thinkstock
0
2
Na quinta-feira (27), minha timeline do Facebook foi inundada por comentários de amigos chocados com os resultados da pesquisa do Ipea sobre a percepção do brasileiro acerca da mulher. Os dados realmente mostram uma realidade absurda: 65% dos entrevistados acreditam que mulher que usa roupa curta merece ser atacada. Pior: 66% dos entrevistados eram... Mulheres. Oi?
Indignada com os resultados da pesquisa, a jornalista Nana Queiroz criou um evento no Facebook para o protesto online "#EuNãoMereçoSerEstuprada", que já tem até agora 32.000 convidados e mais de 2.000 presenças confirmadas. A ideia é postar no perfil uma selfie com a hashtag do protesto às 20h desta sexta (28).

Nana disse ao Brasil Post que teve a ideia quando viu o resultado da pesquisa, inspirada na Marcha das Vadias e no grupo russo Pussy Riot. "A ideia é que a gente tire a roupa e se fotografe, da cintura para cima, com um cartaz tampando os seios com os dizeres "Eu também não mereço ser estuprada" e postemos, todas juntas, ao mesmo tempo, online. Quem tá dentro?", diz a descrição do evento. Quem não quiser fazer topless pode aparecer vestida, o importante é postar a foto com a hashtag #EuNãoMereçoSerEstuprada no seu perfil do Facebook às 20h.
O protesto reverberou nas redes e o evento começou a ser utilizado como lugar de debate sobre políticas públicas voltadas ao problema, desabafos e, claro, discussão sobre como proceder no protesto.

http://www.brasilpost.com.br/gabriela-loureiro/protesto-online-estupro_b_5049118.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Uma nova classe de pessoas deve surgir até 2050: a dos inúteis"

Presidente da Algar Tech será mentora de iniciativa de empoderamento feminino

Vítima de anorexia, Carola Scarpa morre em São Paulo