sexta-feira, 8 de abril de 2011

Pernambucanas retiram sutiãs da Disney das Lojas


Pernambucanas tiram sutiãs da Disney
Sutiãs com bojo de espuma estavam sendo vendidos para crianças de 6 anos nas Casas Pernambucanas. O produto foi licenciado pela marca Disney e trazia estampas de personagens nas peças. Casos similares geraram reação pelo mundo nas últimas semanas. Os produtos mostram a “adultização” da infância, que fazem crianças pularem fases essenciais da vida, e é amplamente promovida pelo mercado e pela mídia. A direção das Casas Pernambucanas disse que, por determinação da Disney iria retirar os produtos das prateleiras.

Folha destaca na capa do impresso sutiã p/ meninas da coluna da Monica07:47 Tem chamada hoje na capa do impresso da Folha a noticia da Monica Bergamo que revela que 1 sutiã cor-de-rosa com bojo de espuma imitando o formato de seios é vendido em tamanho 6 (para meninas de 6 anos) nas Casas Pernambucanas - "O produto leva etiqueta da Disney e tem estampa da Sininho, a fada de 'Peter Pan', na calcinha do conjunto, que custa R$ 15,90" - anota Monica. A Disney e as Pernambucanas nao responderam quem projetou a peça, sobre sua vendagem e nem se o bojo infantil é funcional ou estético - leia a coluna. 06/04 Blue Bus
"Casos similares geraram comoçao pelo mundo nas últimas semanas. Nos EUA, a grife Abercrombie retirou de sua loja virtual, na semana passada, um biquíni para meninas de 7 anos que tinha parte superior 'push-up', que projeta os seios". Lembra ainda que na Inglaterra, em março, a rede Primark doou para ONGs de defesa infantil a renda obtida com a venda de um biquíni com bojo para meninas de 7 anos.

23/03/2011
Imitar os adultos – como as meninas que querem usar roupas, sapatos e maquiagem da mãe – é normal. O problema é quando se maquiar vira um hábito obrigatório na rotina da criança. Ela não pode deixar de sair de casa, por exemplo, porque não passou batom. Lais Fontenelle, psicóloga e coordenadora de Educação do Projeto Criança e Consumo, explica que o uso desses produtos deve ser limitado apenas aos momentos de brincadeira, dentro do universo lúdico infantil.

O uso inadequado de itens de beleza por crianças tem chamado cada vez mais a atenção. Das conversas mais informais entre mães a reportagens na imprensa, aumenta a preocupação com o tema. Não por acaso. A indústria da beleza, que engloba os setores de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos, cresceu acima da média nacional na última década, com um faturamento que ultrapassa os R$ 22 bilhões. São produtos para cabelo, corpo e pele, esmaltes, maquiagem, enfim uma infinidade de opções que antes costumavam atrair apenas os adultos, com foco principal na mulher.
No entanto, a realidade mudou. Nos Estados Unidos, a rede de varejo Walmart lançou recentemente uma linha de maquiagens que contém cremes esfoliante e anti-idade para crianças de 8 a 12 anos. O departamento de Marketing da empresa justificou a linha dizendo que o objetivo era "ensinar essa geração sobre os cuidados com a beleza com responsabilidade". De acordo com a assessoria de imprensa do Walmart, não há previsão de lançamento da linha - denominada Geogirl - no Brasil.



O apelo desse mercado para o consumo, que inclui estratégias de marketing bastante agressivas e a determinação de um padrão de beleza amplamente reproduzido pelas mídias, tem impacto direto nas crianças, especialmente nas meninas. Despreparadas emocionalmente porque ainda estão em fase de desenvolvimento, elas se deparam com pressões e situações difíceis. Exemplo disso foi o editorial de moda publicado pela revista Vogue Paris Cadeaux, em que meninas de oito anos foram fotografadas em cenários provocantes e vestindo roupas sedutoras de estilistas renomados e maquiagem apelativa.



Além do problema da erotização precoce, há a questão do consumo exacerbado e dos valores materialistas. Hoje existem até salões de beleza (http://g1.globo.com/Noticias/Brasil/0,,AA1374686-5598,00.html) especializados e direcionados exclusivamente ao público infantil. Tanto a comunicação mercadológica como a ambientação desses espaços são desenvolvidas para conversar diretamente com a turma mirim. A criança cresce preocupada com sua aparência, extremamente consumista e com valores distorcidos.

Assista ao documentário "Criança, a alma do negócio" http://www.youtube.com/watch?v=WPxiqbmGz-c

Disponivel em: http://www.alana.org.br/CriancaConsumo/NoticiaIntegra.aspx?id=7972&origem=23> Acesso em 8 de abril de 2011
ATÉ AONDE VAI A MANIPULAÇÃO DAS EMPRESA EM BUSCA DE RESULTADOS, VENDAS? ELES NÃO TEM FILHOS NEM FORAM CRIANÇAS COM SONHOS E BRINQUEDOS???

Um comentário:

  1. eu tenho 10 anos eu to magoada porcausa dessa mulher chata que falou tudo iisso eu queria eu to doente e agora vou piorar !

    ResponderExcluir

ONG explica campanha feminista com Cruzeiro, que vira destaque internacional

Ação é tida como a primeira de uma sequência de etapas de conscientização   João Vítor Marques /Superesportes  ,  Tiago Mattar /Superes...