terça-feira, 22 de março de 2011

A mulher e a ridícula síndrome da eugenia que impera na cultura atual




Publicado em 8 março, 09 por Atama Moriya

Neste dia internacional da mulher gostaria de comentar algumas questões importantes para que sirvam de alerta as mulheres, para que possam ocupar mais rapidamente nesta era o papel que lhes cabe nos próximos dois mil anos, a era do matriarcado.
Vivemos sempre em ciclos, e tivemos na era de peixes, que não é simplesmente astrológica, mas sim astronômica e embora a ciência e o suposto racionalismo humano não considerem, o planeta Terra é guiado e influenciado por estes ciclos da astronomia. Tudo são ciclos, desde o os planetas que giram em volta do Sol, e o próprio sistema solar que também gira a velocidade de bilhões de quilômetros por hora em direção ao centro deste Universo, assim como a própria Terra gira em torno de seu eixo em constante que marca o dia e a noite, e até mesmo a lua que ao girar também em torno do planeta traz em si suas tremendas influências.
Resumindo, vivemos recentemente a era do patriarcado na Terra, e ora já adentra a era do matriarcado, na qual caberá à mulher o principal papel a ser exercido na história presente e futura de nossa Civilização.

A experiência no patriarcado até que foi consideravelmente interessante, mas já deu o que tinha que dar como frutos, e nada mais poderá ser acrescentado daqui para a frente. Em termos de progresso e evolução a mulher tem muito mais a ensinar e dirigir a nossa humanidade, principalmente se ela se guiar em novos valores humanos, valores de ética e moral consoantes com a natureza divina do ser. E para assumir estes valores as mulheres estão mais bem preparadas do que os homens, afinal, como mães tem muito mais amor a dar a nossa descendência que os papais humanos que hoje se encontram limitados em conceitos, paradigmas e dogmas incongruentes, falidos e degenerados. Não estou tecendo críticas, mas citando fatos concretos. Todavia, a compreensão vai de cada um. Por acaso vivemos numa civilização ótima, onde todos se amam, não há crimes, não há guerras, não há mortes, não há fomes, não há miseráveis, não há pedófilos, corruptos, etc.?



Aparentemente os papais esgotaram seus arsenais de conhecimentos e doutrinas filosóficas de vida, tanto que eles hoje também se encontram mais perdidos que “cegos em tiroteios”. Nossos jovens hoje contestam as bases de nossa cultura porquanto percebem as incongruências e ilógicas existentes, e mais ainda irão contestar nas próximas décadas e ainda bem, pois é assim que se faz saltos para a frente e para o alto em busca do progresso humano.



Continuar a viver hoje como os “velhos” impõem não é mais aceitável, e tudo está a ruir na civilização, desde as coisas mais simples como o casamento até as mais complexas como sistemas políticos e econômicos.



Tudo está sendo contestado e não à toa. Percebam que há um clamor para novos paradigmas, novos parâmetros e objetivos de vida em todas as sociedades. Embora que inconsciente ainda, será mais visível conforme as crises existenciais se tornem cada vez mais claras aos nossos olhos.



Vejam por exemplo a crise econômica, que não é apenas econômica, mas uma crise que expõe essencialmente os desatinos humanos individuais em conduções inconsistentes de vida, de lógica, de racionalidade com relação a sua própria natureza.



Por conduzirmos a vida sem fundamentos de nossa própria existência e sem conhecimentos de quem de fato somos nós e o que estamos fazendo aqui na Terra, encontramo-nos em abismos, em vazios existenciais que ora se refletem nas crises atuais, que são apenas efeitos da insatisfação individual humana de vida e não causa destas insatisfações.



Fomos educados a sermos competitivos e vitoriosos, gananciosos como o Tio Patinhas e vaidosos ao extremo, como que estes fatores pudessem mesmo de fato nos trazer felicidade e preencher os nossos vazios. A mulher está há séculos numa “caverna escura” e a única diferença é que alguém acendeu uma luz e trouxe uma idéia, um ideal de direitos iguais aos homens.



Tudo certo, tudo ótimo, afinal ela começou a sair desta caverna escura de séculos e séculos de obscurantismo, apenas que não pensou direito e comprou de fato a idéia de direitos iguais, e assim se tornou apenas mais um consumidor voraz, como desejavam os idealizadores dos direitos femininos. E passou a beber, a fumar, comprar carros, fazer plásticas, a ter muitos filhos de pais diferentes, de tentar suplantar o homem em poder e supremacia, mas esqueceu-se de ser mulher, e isto ficou relegado a um segundo plano. E esqueceu-se também de pensar. Não estou aqui para chocar as mulheres e tampouco ofendê-las, mas alertar que elas podem mais, muito mais, e a humanidade futura depende exclusivamente do nascimento desta nova mulher que deverá tomar o poder e ser a líder desta era de Aquarius, e assim será por dois mil anos, mas desde que despertem das ilusões criadas por monstros humanos.



O mundo é feito de paradigmas e conceitos, todos eles elaborados pelo homem, e a mulher não parou para pensar que estes ideais que estavam lhe vendendo eram apenas mais um produto e assim ela mesma se tornou um produto a ser consumido pelas idéias e conceitos. Passou a mulher a idealizar e se comparar ao homem e seus padrões e conceituações, e passou a procurar a imitar este homem dito moderno. Jamais chegou a pensar e imaginar que este “modelo” de conceitos aos quais ela tenta imitar justamente traz em si toda a série de conceitos falhos, falsos para os tempos atuais e, portanto, falidos para a constituição de uma nova civilização.



O mundo está em crise ou está em crise o ser humano com seus conceitos de vida, de trabalho, de família, de estrutura política, de estrutura social, de estrutura econômica, de conceitos sociais e filosóficos, de conceitos de religiões, de dogmas?



A economia está em crise ou está em crise os conceitos da economia de que tratam a renda e os salários dos trabalhadores, o trabalho, a poupança, a distribuição de renda, etc.? Pois bem, durante estas ultimas décadas a mulher, apesar de sua capacidade emocional e racional ser mais equilibrada que a dos homens (e sem qualquer crítica ao homem) com sua inteligência emocional em níveis melhores, bastou-se em tentar igualar-se e imitar o homem em degeneração de conceitos. Conseqüência: caiu no vazio também, pois está o tempo todo comprando e tentando imitar um modelo em degeneração. E ela sabe intuitivamente que este modelo está ultrapassado, mas falta o que para enfim criar o seu próprio modelo?



Nos tempos atuais, nós temos a mulher que se diz liberta, ou com liberdade de agir e pensar, mas será realmente que está fazendo uso desta capacidade ou simplesmente está copiando modelos e idéias dos outros?



Hoje está tudo falindo, inclusive o modelo de empresa social chamado família, e ainda que preciso como um contrato, não tem conteúdo e os próprios filhos sem caminhos, sem conceitos firmes e lógicos de ética e moral também se degeneram, e estes infelizmente serão os responsáveis pelas novas empresas “família”, e pelo que estão aprendendo, também serão empresas falidas e degeneradas também, pelo menos na maioria. Por quê?



A síndrome da eugenia que a civilização dita moderna, e inteligente está criando e adotando de fato é absolutamente louca e sem o menor sentido para aqueles que compreendem quem somos nós, o que estamos fazendo aqui e qual será o nosso destino.



Adotar padrões falsos de eugenia para nortear principalmente as mulheres e a cultura humana é querer mesmo mergulhar o ser humano numa lata de lixo e criar paradigmas que apenas trazem tristeza e infelicidade a grande maioria da humanidade.



Não contentes consigo mesmas por não se adequar aos padrões eugênicos atuais, ou padrões de beleza e raça bonita que possa ser valorizada na sociedade, as mulheres (principalmente) tem terríveis conflitos íntimos e, por conseguinte traz em si toda a sorte de vazios existenciais que impedem que ela, a mulher possa realmente aprender o primeiro passo da evolução que é armar-se a si própria.



É, realmente, tenho visto muitos depoimentos de mulheres que se sentem absolutamente frustadas e fracassadas diante do seu não atingimento, nem de longe, destes padrões e idéias de beleza, que escondem por trás outros padrões filosóficos, existenciais, econômicos, sociais e raciais.



Não será num simples e pequeno texto como este que vou conseguir traduzir melhor tudo que se passa no íntimo das mulheres que estão sendo mutiladas por criminosos psíquicos que criam estas campanhas e estes discursos de padrões eugênicos de ser humano.



Há um exagero extremamente nefasto na criação destes falsos padrões de beleza, de vaidades, de moda, de felicidades que se baseiam no somente se atingido estes padrões. Isto está destruindo a caminhada de bilhões de mulheres pelo mundo e trazendo em si toda a sorte de pré-conceitos inatingíveis, ridículos de quem os cria.



Esta falsa idolatria tem no fundo impedido a coisa mais básica do mundo que é a mulher se amar, e se ela que tem o papel mais importante neste momento de grandes mudanças na história da humanidade está perdida hoje, e nem é homem, e nem é mulher, que será da sua descendência, que será do futuro desta humanidade?



A verdadeira mulher que enfim pode liderar este futuro está na raiz do surgimento de uma cultura matriarcal que preserve os “verdadeiros” valores de seres humanos de ética e moral e não a criação de máquinas que se conspurcam umas as outras e se matam em guerras, em assassinatos, em corrupções, em psiquismos doentios.



Este padrões atuais de beleza, raça pura ou seja o que for que estão vendendo, tenham a certeza é falso, totalmente falso, posto que ao homem ainda não é dado saber qual o verdadeiro padrão a ser atingido em raças futuras, distante milhões de anos, mas estamos aqui para aprender que não existem patinhos feios na nossa civilização, e muito menos cisnes lindos, posto que tudo pertence ao Criador e não ao homem, e esta casca ainda grotesca nesta fase da evolução dos corpos, que mal dura oitenta anos, está muito longe de atingir algum ideal verdadeiro, e ainda que alguns possam eleger este ou aquele modelo, carece de realidade, posto que somos almas, e não estes corpos finitos e passageiros.



Certamente o verdadeiro padrão a ser estabelecido como meta é abstrato e está contido nos valores como seres humanos e não corpos finitos, frágeis e falíveis.



Realmente ridículos sãos os seres humanos que estão a criar estes padrões de eugenia, de beleza, moda, felicidade e vida, posto que estes estão provocando a milhões de outros profundos sentimentos de infelicidade, humilhação e tristeza, e estes “falsos criadores” terão no futuro que enfrentar a lei de Deus por estas “criações abomináveis” nas mentes dos outros; assim também sucumbirão todos que produzem ou incentivam estes conceitos ou vivam deles. Olho por olho, dente por dente, tudo tem seu preço na lei do universo e não tem perdão, tenham a certeza disto. E se existe algum tipo de “inferno” no pós morte, tenham a certeza também que milhares já estão com suas passagens e reservas compradas.



Mulheres, não se deixem enganar por estes falsos padrões e ideais que estão a sua volta, em revistas, propagandas, modas, em teses, e tudo mais, mas criem os seus próprios baseados na verdadeira ética e moral de Deus, e não esta dos “criadores de monstruosidades” da sociedade.



Por Atama Moriya, em 08-03-2009
disponivel em: http://atamamoriya.wordpress.com/2009/03/08/a-mulher-e-a-sindrome-da-ridicula-eugenia-que-impera-na-cultura-atual/ = eugenia acesso em 22 de março


PARA CONHECER, REFLETIR E COMENTAR

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ONG explica campanha feminista com Cruzeiro, que vira destaque internacional

Ação é tida como a primeira de uma sequência de etapas de conscientização   João Vítor Marques /Superesportes  ,  Tiago Mattar /Superes...