quarta-feira, 23 de março de 2011

A cada dia, mais homens se submetem a cirurgias plásticas


Nos Estados Unidos, uma pesquisa estatística mostrou que foram feitos 1.1 milhão de procedimentos cirúrgicos estéticos em 2010. Os homens dessa geraçã
REDAÇÃO ÉPOCA

Mais e mais homens estão se submetendo a cirurgias estéticas. É o que mostra um estudo estatístico divulgado nesta terça-feira (22) pela Sociedade Americana de Cirurgiões Plásticos (ASPS, na sigla em inglês). Só em 2010, mais de 1.1 milhão de cirurgias plásticas foram feitas em homens e, apesar de o número ser apenas 2% maior que o de 2009, o que impressiona é o aumento em cada tipo de procedimento realizado - foram feitos 14% mais lifts faciais, e 7% mais lipoaspirações em homens.
A maior parte dos homens tem se submetido a cirurgias mais invasivas, procedimentos mais complexos. “O crescimento nos procedimentos cirúrgicos estéticos nos homens pode ser produto do envelhecimento da geração dos baby boomers (aqueles nascidos entre 1945 e 1964), que estão prontos para se submeter à cirurgia plástica”, disse o presidente a ASPS, Phillip Haeck.
Haeck diz que procedimentos menos invasivos, como a aplicação do Botox, não são suficientes para esses homens. Conforme aumenta a idade, mais difícil é que só o Botox aguente o envelhecimento e, por isso, mais homens procuram cirurgias que levantem a pele buscando parecer mais novos.
“O paciente típico dessas cirurgias que eu vejo é um homem comum que quer parecer tão bem por fora quanto ele se sente. A maioria dos meus pacientes são o tipo de homem que você jamais pensaria que passaria por uma cirurgia plástica”, afirma Haeck.

Só em 2010, por exemplo, foram realizadas 64 mil cirurgias no nariz, 31 mil na região dos olhos e 24 mil lipoaspirações em homens. As aplicações de Botox foram 337 mil no ano passado, e também cresceram os procedimentos de depilação a laser: foram 165 mil. Os números mostram como esse mercado se aqueceu.
Segundo analisa o presidente da ASPS, a geração dos baby boomers, que começa a atingir os 50, 60 anos, quer se sentir bem e parecer bem, tanto por dentro quanto por fora. Como eles têm recursos financeiros suficientes para isso, se submetem às cirurgias, que também ficaram mais baratas com o decorrer do tempo.
“Tipicamente as pessoas pensam que o homem precisa ser uma celebridade ou um rico para passar por esse tipo de cirurgia”, diz. A realidade é que muitos homens “comuns” têm procurado os cirurgiões. Um deles, o americano Joe Marek, de 57 anos, não é nem milionário nem famoso. “Nem me sinto tão velho. Me sinto jovem, malho. Mas eu queria me sentir por fora como me sinto por dentro”, disse.

DISPONIVEL EM: http://gazetaweb.globo.com/v2/noticias/texto_completo.php?c=227847 ACESSO EM 23 DE MARÇO DE 2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ONG explica campanha feminista com Cruzeiro, que vira destaque internacional

Ação é tida como a primeira de uma sequência de etapas de conscientização   João Vítor Marques /Superesportes  ,  Tiago Mattar /Superes...