quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Mulheres com excesso de peso têm gastos mais elevados

Terça-feira, Dezembro 28, 2010

Por Maria Emília Salles
memiliasalles@uol.com.br


Duane Bryers é um grande artista americano, nascido em 1911 em Michigan numa fazenda com três irmãos e duas irmãs.

Disponivel em< http://bocaberta.org/2009/12/hilda-a-pinup-gordinha-de-duane-bryers.html > Acesso em 30 de dezembro



Pesquisa divulgada recentemente, nos Estados Unidos, pela Universidade George Washington, revela que as mulheres obesas gastam, em média, 4,879 dólares a mais, por ano, em relação às demais mulheres com peso considerado normal. Entre estes gastos, além de alimentação e custos médicos, foram incluídos dias perdidos com atestados médicos no trabalho, perda de produtividade e até gastos extras com gasolina.
O estudo também aponta que as mulheres acima do peso ganham menos em comparação às demais. As obesas que em 2009 tinham um salário médio de 32,450 dólares por ano e trabalhavam em período integral, receberam 1,855 dólar menos que as mulheres não obesas (redução de 6%). Entre os homens não há diferenças relevantes. Ambos, magros e com sobrepeso, têm recebido salários parecidos.
De acordo com Bruno Maletta, sócio da empresa de pesquisa focada no universo feminino Sophia Mind, os argumentos apresentados no estudo americano são racionais e podem ser pensados para a cultura brasileira, apesar de não existirem dados no Brasil para se comparar ao número americano. “As mulheres acima do peso que querem voltar ao ‘padrão’ gastam mais com alimentação, produtos dietéticos e lights, que são mais caros, com programas de exercício, médicos, remédios e produtos de beleza”, explica.
Segundo levantamento feito pela Sophia Mind sobre cuidados com o corpo, feita com brasileiras, 54% das mulheres estão insatisfeitas com sua aparência e 94% delas mudariam alguma parte do corpo, se possível. O estudo mostra que a principal insatisfação é com o peso e que a barriga é a parte que elas mais mudariam. Para resolverem o descontentamento, 79% fazem algum esforço para melhorar a aparência e 51% declararam praticar exercícios físicos de três a quatro vezes por semana.
Janice Lorena, do blog Emagrecer para Viver, acredita que a busca pelo padrão pode levar as pessoas a ficarem refém dessa situação.“Desde a adolescência que convivo com o sobrepeso. Já me deparei com situações em que não estava feliz com meu corpo e todas essas dietas da moda, shakes, remédios, aparelhos, eu comprava. Já deixei de pagar contas só para gastar com esses ‘milagrezinhos’ que nunca deram resultado algum. Isso não só me trouxe desgaste financeiro como também me provocou sérios problemas de saúde. Hoje, com 39 anos, encaro essa situação de uma forma mais positiva”, conta.

Valores de roupas com tamanhos especiais são mais altos
Todas as mulheres com alguns quilos extras sabe a dificuldade de encontrar roupas que se encaixem ao seu corpo e bolso, já que o preço das peças confeccionadas com exclusividade para os mais cheinhos é proporcionalmente mais pesado, entre 25% e 40% mais caras do que as demais.

O mercado de roupas com tamanhos especiais tende a crescer nos próximos anos, com o aumento da população que está acima do peso, no Brasil. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a obesidade já atinge mais de 30% das crianças entre 5 e 9 anos de idade, cerca de 20% da população entre 10 e 19 anos e nada menos que 48% das mulheres e 50,1% dos homens acima de 20 anos. A pesquisa revela que, se for mantido o ritmo atual de crescimento do número de pessoas acima do peso, em dez anos elas serão 30% da população – padrão idêntico ao encontrado nos Estados Unidos, onde a obesidade já se constitui em sério problema de saúde pública.
Luciana Almeida, co-administradora do site gordinhaslindas.com, conta que tem gastos muito superiores do que mulheres com peso considerado normal. “Diante de colegas ditas magras, tenho um gasto muito superior ao delas. Um belo exemplo está neste período festivo. Enquanto uma mulher ‘magra’ tem um leque de possibilidades, com variados estilos e preços, nós nos vemos podadas e, quando encontramos aquela “roupa especial”, o valor chega a ser três ou quatro vezes maior do que o valor pago por uma pessoa magra”, relata.
De acordo com Maira Moraes, editora de conteúdo do Papo de Gordo e responsável pela coluna Gordinha Yeah Yeah no site, é muito complicado encontrar roupas para as mulheres que estão acima do peso, já que os fabricantes e lojas trabalham com um modelo quase irreal de corpo feminino. “Quando encontramos peças legais, elas acabam custando mais caro, não apenas porque é preciso gastar mais tecido, mas principalmente porque não se tem e produção em grande escala para diluir esses custos”, explica.
Dionisio Sanabio (Sou eu o Love..descobriram minha identidade secreta..), um dos responsáveis pelo blog Gordinhas Maravilhosas, conta que sua esposa teve que pagar o dobro do preço em uma calça, em relação à numeração menor. “Minha esposa foi comprar uma calça jeans e, procurando nos tamanhos menores, achou calças até 50% mais baratas do que nas seções plus-size. Ela não teve opção. ou comprava uma super apertada ou gastava o dobro”, conclui.

Diisponivel em< http://gmaravilhosas.blogspot.com/2010/12/mulheres-com-excesso-de-peso-tem-gastos.html > acesso 30 de dezembro de 2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ONG explica campanha feminista com Cruzeiro, que vira destaque internacional

Ação é tida como a primeira de uma sequência de etapas de conscientização   João Vítor Marques /Superesportes  ,  Tiago Mattar /Superes...