segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Misturando tendências e tradição

Tendências da passarela e moral muçulmana se fundem no novo jeito de se vestir das mulheres do oriente

International Herald Tribune
DISPONÍVEL NO SITE < http://veja.abril.com.br/noticia/internacional/misturando-tendencias-e-tradicao > ACESSO EM 13 DE SETEMBRO DE 2010

Executivas da Índia corporativa estão optando por trajes mais moldados ao corpo. No Sudão, uma mulher que ouse vestir calças pode ser mandada para a cadeia. Nas capitais europeias, o véu islâmico se transformou num pára-raios político. E por todo mundo islâmico uma nova safra de designers está provocando as mulheres a deixar para trás a moda "purdah" com roupas que fundem as tendências das passarelas e a moral muçulmana.




Nas antigas sociedades que experimentaram uma onda de produtos e ideias ocidentais, a mulher sempre carregou nas costas as demandas antagônicas de tradição e modernidade. A forma como ela se veste revela muito mais do que seu senso de estilo pessoal. Ela é medida de acordo com o que usa ou não, por seus familiares, colegas de trabalho e até no debate dos políticos sobre o véu. Algumas vezes ela aceita a tradição, outras ela a desafia. Com freqüência ela combina as duas coisas de maneira que pode confundir e surpreender.



Na Índia, a década de crescimento econômico veio acompanhada de novas oportunidades para as mulheres urbanas e bem educadas – o que trouxe também uma variedade enorme de new looks. Quase todos os dias eu tenho a impressão de que esse país está mudando”, diz Anupamaa Dayal, designer de New Deli que abusou de vestidos curtos e túnicas na sua última coleção de outono. “E quem muda mais rápido? A mulher.”



Quando uma mulher ganha mais dinheiro, poder e liberdade isso se nota logo na forma como ela se veste. Mas muito mais do que os homens, porém, as mulheres escolhem o que têm no guarda roupa em função das expectativas culturais: modéstia, autoridade, vários ideais de feminilidade. O que quer dizer tradição para o olhar de um ocidental poderia significar status para uma mulher asiática ou africana e seus pares.



Na Nigéria por exemplo, uma colegial pode escolher entre usar jeans ou vestidos colados, mas uma vez que ela consiga subir na carreira, as nigerianas não serão vistas em nada além de roupas tradicionais do país, cuja opulência pode soar estranha aos olhos ocidentais. Da mesma forma, na Índia, um jovem trabalhadora num escritório, hoje, está quase sempre vestida com calças ou tailleur, por vezes mal ajustados às mulheres indianas, de quadris mais largos. Mas uma gerente sênior provavelmente escolheria um sari ou uma túnica indiana sóbria ou um "churidar" ajustáveis.



"Acredito que o sari me faz sentir com mais autoridade. Creio que há uma mudança em meu comportamento",afirmou Ambika Nair, que já atuou como jornalista, advogada e agora trabalha no braço legal da Thomson Reuters na Índia. "Não vejo o sari ou o churidar como tradicional, e não acho que vestir um terninho, sobretudo um mal ajustado, signifique ser moderno."



Na roupa feminina, em outras palavras, a tradição nem sempre transmite subserviência. A política mais poderosa da Índia, Sonia Gandhi, a italiana presidente do Partido do Congresso, quase sempre é vista com saris que não parecem caros, mas não verdade são tecidos à mão com sedas e algodões luxuosos. Certamente, na Índia, assim como em vastas regiões da África, América do Sul e Ásia, existem milhões de mulheres que ainda lutam para se alimentar e vestir. Na construção civil em Nova Deli, as trabalhadoras carregam cimento na cabeça, e são tão magras que parecem esqueletos em saris.



Ao mesmo tempo, a vida de mulheres indianas está num estado de mudança profunda. Hoje, existem mais garotas que rapazes matriculados na escola primária. A proporção de mulheres no mercado de trabalho aumentou. As mulheres vivem cada vez mais sozinhas, viajam muito, adotam crianças como mães solteiras e até se divorciam. Ao mesmo tempo, têm de lidar com costumes sociais e religiosos estabelecidos, assédio sexual e, por vezes, violência pura e simples. Nova Deli, notória por sua brutalidade, destaca-se entre as principais cidades indianas por ter o maior número de casos de estupro e abuso sexual durante a última década.



As roupas se converteram no símbolo mais evidente da maneira como as mulheres personalizam essa mudança. A prosperidade criou uma nova consciência sobre o ajuste o ideal feminino: magro, esticado e sem relação com a beleza curvilínea do passado indiano. Mesmo o sari, o longo e drapeado emblema da modéstia, tem fica mais sensual. O chamado sari coquetel, geralmente feitos de chiffon diáfano, por vezes cravejado de cristais, as vezes aparece com um bustier. Assim como as roupas europeias, diz Shefalle Vasudev, que está escrevendo um livro sobre moda indiana, o sari agora é criado por estilistas famosos.



O sari estilizado, escreveu recentemente Vasudev na revista Outlook, "exige eventos elegantes, locais cinco estrelas, carros com motorista, saltos altos e infinitos acessórios para cair bem. Mais que qualquer outra coisa, precisa de um tipo específico de corpo – mais fino, pequeno, alto, firme e jovem. Em alguns casos, a globalização exporta ideias ocidentais de beleza feminina e leva as mulheres a descobrir o próprio corpo. Em todos os lugares, a avalanche de imagens e valores ocidentais tem endurecido a tradição.



Na Indonésia, o país muçulmano mais populoso, o hijab é muito mais comum do que era há uma geração. Mas não é mais o envoltório pouco elegante de tempos atrás. Podem ser desenhados como um lenço preso por broche divertido, ou usado com uma viseira da moda para proteger do sol. "Não temos mais medo de mostrarem somos na realidade", disse Liana Rosnita Redwan-Beer, editora de uma revista em Jacarta. "Olhamos para o ocidente pelo estilo e tendências, e modificamos isso para adaptá-lo às nossas necessidades."

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ONG explica campanha feminista com Cruzeiro, que vira destaque internacional

Ação é tida como a primeira de uma sequência de etapas de conscientização   João Vítor Marques /Superesportes  ,  Tiago Mattar /Superes...