sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Pesquisa global aponta que o Brasil é o 3º país que mais realiza cirurgias plásticas

26/08/2010 - 15:33

Cristiana Arcangeli

O Brasil é o 3º país que mais realiza cirurgias plásticas no mundo, segundo levantamento divulgado pela Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (Isaps). No ranking, nosso país perde apenas para os Estados Unidos e China, que ocupam, respectivamente, 1º e 2º lugar. Mas por que o Brasil está numa posição tão avançada? Quais as cirurgias mais buscadas por aqui? As pessoas estão optando por procedimentos estéticos por vaidade ou necessidade? Para esclarecer essas dúvidas, conversamos com dois médicos, especialistas em cirurgia plástica.
De acordo com o cirurgião plástico André Eyler, o Brasil ocupa essa posição, porque é um país muito grande em termos populacionais. Mas além disso, é uma região tropical, onde as pessoas se expõe mais e culturalmente valorizam a beleza.

Entre os procedimentos cirúrgicos mais procurados, a pesquisa global realizada pela Isaps aponta que a lipoaspiração está em 1º lugar, com 18,8% das procuras, seguida de aumento de mama (17%), cirurgias nas pálpebras (13,5%), no nariz (9,4%) e na barriga (7,3%).

Especificamente no Brasil, os dados mudam um pouco. De acordo com um estudo realizado em território nacional pelo Instituto Brasileiro de Opinião Pública (Ibope), em 2009 foram realizadas 645,4 mil cirurgias estéticas, ou seja, 1,7 mil por dia. As mulheres são responsáveis por 82% das intervenções. Mas por aqui, os implantes mamários são os mais procurados por elas, com 19%, seguido de lipoaspiração associada a outras cirurgias, com 17%.

A pesquisa nacional aponta ainda que os procedimentos cirúrgicos realizados pela ala masculina também aumentou. No ano passado, 119,2 mil intervenções foram feitas pelos homens. Mas diferente das mulheres que preferem fazer mudanças do ombro para baixo, eles optam por intervenções no rosto. As cirúrgias nas pálpebras são as mais procuradas por eles, com 16%, seguida de cirurgia no nariz, com 13%.

Para Débora Galvão, especialista em cirurgia plástica e membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, o objetivo principal de uma cirurgia plástica é dar harmonia ao corpo ou rosto e não fazer uma transformação radical. Ou seja, a ideia de certas pessoas em ficar parecida com alguma celebridade e, para isso, recorrer a cirurgia plástica é totalmente furada. "Felizmente a maioria dos meus pacientes não procura por isso, mas quando acontece, meu papel é mostrar que o mais importante é ser você mesmo e não se transformar em outra pessoa", conta a médica.

Para quem acha que deve fazer cirurgia plástica ou está pensando seriamente no assunto, a dica mais importante é escolher um bom profissional. O primeiro passo é verificar se o médico é membro da Sociedade de Cirurgia Plástica. Para isso, basta consultar o site www.cirurgiaplastica.org.br. Também é importante procurar referências, conversar com pessoas que já fizeram plástica e indicam seus médicos.

É preciso também conhecer o médico pessoalmente para verificar se há empatia e afinidade, por meio das consultas. O paciente precisa se identificar com o profissional. A escolha também não pode se basear no preço cobrado pelo médico. "A pessoa deve ponderar o valor que dá a si mesma e à cirurgia. Afinal uma realização tão importante não tem preço", finaliza Débora.

Disponível em: < http://www.olhardireto.com.br/noticias/exibir.asp?edt=34&id=125009 >. Acesso em 27 de agosto de 2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ONG explica campanha feminista com Cruzeiro, que vira destaque internacional

Ação é tida como a primeira de uma sequência de etapas de conscientização   João Vítor Marques /Superesportes  ,  Tiago Mattar /Superes...