sábado, 8 de novembro de 2014

Criadora de faculdade para blogueiras rebate críticas: 'É uma profissão


Anúncio do novo curso de Mídias Sociais Digitais gerou polêmica na internet
Anúncio do novo curso de Mídias Sociais Digitais gerou polêmica na internet Foto: Reprodução/ Instagram
Beatriz Medeiros
Tamanho do texto A A A
A propaganda é direta, objetiva e sedutora para os fãs das blogueiras de moda mais influentes do país: "Eu sou blogueira. Essa é a minha profissão e agora pode ser a sua". As frases são acompanhadas por fotos de algumas das mulheres bem vestidas que fazem parte da rede de blogs F*Hits e conseguem ganhar até R$ 500 mil por mês. A campanha tem o objetivo de divulgar a nova graduação em Mídias Sociais Digitais do Centro Universitário Belas Artes, em São Paulo, e levantou críticas nas redes sociais. Foram muitos os comentários como "Jesus, onde vamos parar? Fazer faculdade 'de verdade' ninguém quer, né?" e outros ironizando as possíveis cadeiras. "Matérias: Como Tirar Foto no Espelho, Selfie, História do Troco Likes e Sigo de Volta", comentou uma seguidora do perfil do F*Hits no Instagram.
A ideia do curso, que tem duração de dois anos, partiu de Alice Ferraz, fundadora e CEO da Alice Ferraz Comunicação Integrada (assessoria de imprensa e imagem) e da F*Hits, rede que reúne 27 blogs de moda e beleza e atrai 9 milhões de visitas únicas, 30 milhões de page views por mês e 4 milhões de seguidores no Instagram. A empresária diz que percebeu a necessidade de ter um repertório acadêmico e formação profissional na área enquanto trabalhava com as suas pupilas e clientes.
— O mercado pede por profissionais especializados nessa área de mídias sociais digitais. Além disso, canso de ver parceiros, donos de agências de propaganda, marketing ou conteúdo e clientes buscando pessoas para coordenar suas mídias sociais, cuidar da imagem no online e sempre tendo que recorrer a profissionais de outras áreas que simplesmente “eram mais conectados” para acumular essa função. Internet é coisa séria e as mídias sociais ganharam uma relevância enorme para o sucesso de uma marca - defende.
O novo curso foi idealizado pela empresária Alice Ferraz, fundadora e CEO da Alice Ferraz Comunicação Integrada e da F*Hits.
O novo curso foi idealizado pela empresária Alice Ferraz, fundadora e CEO da Alice Ferraz Comunicação Integrada e da F*Hits. Foto: Divulgação
Alice começou a trabalhar neste projeto há mais de um ano e, no início de 2014, procurou Patricia Cardim, diretora da Belas Artes, para estruturar a graduação com a ajuda de Carol Garcia, atual coordenadora do curso. A matriz curricular abrange, além de disciplinas relacionadas a mídia, linguagem e marketing, outras cadeiras de direção de arte, pesquisa de tendências, styling e web design. E estes seriam alguns dos diferenciais perante os cursos tradicionais de Jornalismo e Marketing, que ela acredita não serem "focados no mercado digital".
Segundo a empresária, apesar de concentrar a divulgação na atuação como blogueiro, o objetivo é também formar profissionais que possam atuar em várias áreas, como empresários, produtores de conteúdo digital e gestores de verbas de mídias sociais.
— Iniciamos a divulgação na atuação como blogueiro exatamente por ser algo inédito no mercado e, claro pela minha forte atuação na área. O curso veio de uma necessidade que vivencio todos os dias. É importante demais a profissionalização desse segmento. As graduações de Jornalismo e Marketing não são focadas no mercado digital. E mais: nenhum desses cursos possui aulas de stlying, coolhunting, networking. Não se aprofundam em direção de arte, em digital branding... E por aí vai.
A blogueira Camila Coelho faz parte da rede F*Hits e tem mais de 2 milhões de seguidores no Instagram
A blogueira Camila Coelho faz parte da rede F*Hits e tem mais de 2 milhões de seguidores no Instagram Foto: Reprodução/ Instagram
As blogueiras do F*Hits não serão professoras da graduação em Mídias Sociais Digitais. O corpo docente é formado por professores com mestrado, doutorado e pós-doutorado, mas a grade inclui aulas especiais, palestras e debates com com as meninas de Alice e outros profissionais do mercado "para mostrar na prática como realmente as coisas funcionam".
As críticas ao conteúdo produzido pelas blogueiras da rede F*Hits, que publicam textos considerados rasos por alguns e com frequentes erros de português, foram determinantes para o desenvolvimento da nova graduação.
— É exatamente por ver a necessidade e a vontade das pessoas em fazerem melhor e bem feito (que criamos o curso). Criticar é fácil, o importante é ajudar as pessoas a melhorarem. Se escolheram ser blogueiras então queremos formar as melhores blogueiras. O objetivo desse curso existir é fazer com que a profissão cresça, mas com qualidade.


Leia mais: http://extra.globo.com/noticias/educacao/vida-de-calouro/criadora-de-faculdade-para-blogueiras-rebate-criticas-uma-profissao-14448638.html#ixzz3IUpASYE9

http://extra.globo.com/noticias/educacao/vida-de-calouro/criadora-de-faculdade-para-blogueiras-rebate-criticas-uma-profissao-14448638.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ONG explica campanha feminista com Cruzeiro, que vira destaque internacional

Ação é tida como a primeira de uma sequência de etapas de conscientização   João Vítor Marques /Superesportes  ,  Tiago Mattar /Superes...