Longevidade do brasileiro incentiva cirurgias plásticas em idosos


[02-05-2014]
Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (Ibge) mostram um aumento na expectativa de vida do brasileiro para 74,6 anos. Segundo o estudo, o avanço da idade é reflexo do maior cuidado do público com a manutenção da saúde e também da estética. Em levantamento feito pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (Sbcp), na última década, 56% dos cirurgiões de todo o país registraram um aumento no atendimento de pacientes com idade acima de 65 anos.
Para Tiago André Ribeiro, médico cirurgião plástico, o grupo da “melhor idade” está procurando no procedimento uma melhora na aparência e autoestima. “As pessoas nessa faixa etária já criaram seus filhos, possuem uma situação econômica estável e têm como objetivo melhora na autoconfiança”, opina o especialista.
Procedimentos mais procurados
Para conseguir resultados satisfatórios nas intervenções cirúrgicas, o público da terceira idade tem investido em processos para levantar as pálpebras, rejuvenescimento das mãos, preenchimentos de tecidos moles - que ajudam a minimizar as rugas e devolver uma aparência mais jovem à pele - além de tratamentos a laser para a retirada de manchas no rosto e colo. Conforme Ribeiro, um dos procedimentos mais procurados pelas mulheres é a plástica no rosto e no colo. “Este método promove o rejuvenescimento do rosto, já que as rugas e outras marcas de expressão são preenchidas”, expõe o cirurgião.
Riscos
Mesmo com a maior longevidade e a manutenção da saúde em dia, este grupo ainda apresenta algumas fragilidades, principalmente nestes tipos de processos cirúrgicos. Conforme Ribeiro, nesta faixa etária existe uma incidência maior de comprometimento de órgãos vitais como coração, aparelho circulatório, cérebro e rins. “O sistema imunológico é menos operante nessa faixa etária, portanto além de maior ocorrência de enfarte e derrame cerebral, há risco de infecções na ferida operatória e em todo o organismo”, lembra.
Desta forma, para evitar complicações durante e após a cirurgia, os pacientes que apresentam doenças como diabetes, hipertensão, insuficiência ou arritmia cardíaca, doenças renais, tireoidianas e colesterol elevado, devem ser acompanhados por outros especialistas em conjunto do cirurgião plástico.
http://www.paranashop.com.br/colunas/colunas_n.php?op=saude&id=27276

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Uma nova classe de pessoas deve surgir até 2050: a dos inúteis"

Presidente da Algar Tech será mentora de iniciativa de empoderamento feminino

A obesessão pela perfeição